perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



terça-feira, dezembro 28, 2004

ITINERÁRIO ALFABÉTICO (6)


UMA vez tive um sonho estranho: estando sozinho neste mundo áspero e rude, não pude deixar de o retalhar, golpeando-o em partes iguais. Permanecia sedicioso em querer mudar aquele inferno. Olhava em frente e via o trajeto repartido em não sei quantas divisões. Cheguei a me assustar, juro. Atravessei enormes desfiladeiros e pegando um atalho, parecia fugir, como em filmes de faroeste, de grande quantidade de índios. Intrincado e emaranhado, o solo ficou secarrão.
Claro que não estava acostumado com essas andanças, a bem dizer talvez fosse a primeira vez que saía de casa. Mundão matuto esse, tudo no desprimor. Então, tardinha, eu vinha vindo tardo para me achegar no lugarejo. O que não gosto nem de contar. Mas, houve uma espécie de explosão e gente muita havia morrido. Tudo tomado nas devidas apropriações, com queimação, saque... haviam desmandado. E fiquei ardendo em chamas.
Quando minha mãe me acordou, estava lá eu no escuro a debater contra o próprio travesseiro, parecia mesmo evidenciar tais episódios. Passou, repassou e ficaram somente as distâncias. E até o presente momento não entendi a razão daquela seqüência de imagens. Talvez fenômenos psíquicos postos involuntariamente.

VEZ ou outra Painhô lia no sofá um livro de historinhas que ele conservava na estante. Dizia: esse capítulo é ótimo, tem cada piada...Dobrei, então, a folha e ele começou a ler, parando na metade. Vi seus pêlos do braço eriçarem e os cabelos logo arrepiarem, parecendo mais uma vassoura em uso. Na verdade, ele puxou o livro com força e não leu mais nada. Falou que os relatos eram meio obscenos e foi guardar o dito compêndio ou coisa parecida. Deve ter escondido entre as traças da velha estante. Mas, algum dia ainda irei testemunhar suas páginas.
Depois encontrei meu pai na rede nova relembrando os dias que passava na fazenda, quando dizia que remoçava dezenas de anos. E concluí que se ele morasse lá talvez nunca fosse envelhecer, mesmo com o reforço da palavra. Vê como era o vaqueiro de meu avô, moço, moço, disposição de bicho, carinha de menino. E ali mesmo ele dormiu uma soneca, era hábito a sesta de Painhô depois do almoço.

XIXI eu ainda fazia no berço. Como não existiam fraldas descartáveis, sobrou mesmo pra Tia Chica que lavava uma a uma aquelas intermináveis de tecidos de algodão. E tinha, claro, que suprir minhas necessidades fisiológicas. Ficava ali sem fazer nada, a espera de uma mão bondosa que viesse trocar a velha urina escorrendo nas minhas finas pernas. Que cuidassem de mim, pois! Afinal de contas, não tenho culpa dos acontecimentos. Se existe alguém responsável aí, deve-se aos meus pais que resolveram fazer amor e então nasci. Isto é mais do que evidente e todos devem pensar assim, inclusive eu, que sou parte interessada. E digo mais: de uma certa maneira, Painhô e Mainhô também não tiveram lá a culpa toda, pois já são frutos de outros amores. Partindo dessa premissa, todos têm sua parcela de uma forma ou outra. Não irei, acho, desabrochar uma vida quando estiver de colóquios amorosos com uma mulher?
Nesse ponto, sou responsável também. Ou irresponsável?




ESPAÇO LIVRE



MELHORES FILMES QUE VI EM 2004


1) Dogville (Lars von Trier, 2003)
2) As Invasões Bárbaras (Denys Arcand, 2003)
3) Gosto de Cereja (Abbas Kiarostami, 1997)
4) Moloch ( Aleksander Sokurov, 1999)
5) As Horas (Stephen Daldry, 2002)
6) Uma Passagem para a Vida (Patrice Leconte, 2001)
7) Moça com Brinco de Pérola (Peter Webber, 2003)
8) A Humanidade (Bruno Dumont, 1999)
9) O Vento nos Levará (Abbas Kiarostami, 1999)
10) Amarelo Manga (Cláudio Assis, 2002)
11) Sobre Meninos e Lobos (Clint Eastwood, 2003)
12) Secretária (Steven Shainberg, 2002)
13) Encontros e Desencontros (Sofia Coppola, 2004)
14) Estrada para Perdição (Sam Mendes, 2002)
15) Código Desconhecido (Michael Haneke, 2000)
16) Peixe Grande (Tim Burton, 2003)
17) A Má Educação (Pedro Almodóvar, 2004)
18) Adeus, Lênin (Wolfgang Becker, 2003)
19) Dirigindo no Escuro (Woody Allen, 2002)


Bené Chaves



quarta-feira, dezembro 22, 2004

ITINERÁRIO ALFABÉTICO (5)


QUANDO meu pai me levava a passear, eu sempre pedia pra entrar numa daquelas salas de cinema. Ali ele subia comigo e conseguia ? através da amizade com o projecionista ? me mostrar uma enorme máquina de rolos gigantescos a girar ininterrupta. Então discutia com o homenzinho sobre assuntos que eu nada entendia e metia o olho direito num daqueles buracos, enquanto gesticulava mandando que examinasse uma luminosidade retangular na minha frente.
Parece-me que exibiam um seriado desses que obrigavam você a acompanhar toda semana. E eu me entusiasmava tanto que ficaria o dia todo na observação não fosse o próprio sujeito a me lembrar que teria de sair. Sabia, isso sim, que era gostoso o suspense de um filme para o posterior, vendo-me depois na expectativa de nova espiada na aparelhagem cinematográfica. Fui daí, então, me interessando pela continuação da fita e sempre fugia pra assistir os seriados com a ajuda do amigo de Painhô.

REGISTREI, desde cedo, em meu diário, que não tinha quase esperanças com esse mundo que aí está, talvez fosse preciso muitas transformações. De qualquer maneira apenas tento colocar e, se possível, corrigir fatos danosos que marcam irregularidades absurdas nesta nossa vivência. Então, a lamentação é freqüente à insensibilidade do ser dito humano. E dei, portanto, o veredicto simples, porém implacável: meus olhos viam, desde criança, uma humanidade bestificada.
Quando ficar adulto e sentir atrações externas, sentimentos próprios ao meu corpo jovem, farei o que for possível para tudo se transformar como uma flor desabrochada em plena madrugada.

SÚBITO lembro de um episódio: ainda no ventre de Mainhô vi uma infinita escuridão acercar-se, pensando depois e batucando sobre a causa e efeito de ruídos estranhos, labirintos inatingíveis e cores diversas em constantes combates. Fios corriam dispersos, atingiam meu cérebro, deslocavam-se em círculos e incomodavam o corpo inteiro. Mas, depois tudo passou e me vi livre de misteriosa e azucrinante coação. Foi um sufoco que deixou tonto um bom período o feto que ainda estava em estrutura de se desenvolver.

TODOS viram (ou quase) naquele menino um ser talvez destemido e disposto a enfrentar situações que a vida iria impor, marco de uma determinação. Pressenti o acontecido e fiquei boquiaberto ao saber da extravagância e fecundidade do problema. Mainhô e Painhô saíram a gritar de contentamento e felicidade, o oposto do que senti quando soube que iria nascer. Já tinha dito: não era o que desejava. Não queria assistir o que o mundo parecia programar ante meus (e talvez seus) frágeis olhos: o sofrimento da grande maioria das pessoas. E observei-o e ainda observo-o assombrado e temeroso.

ESPAÇO LIVRE



CANTO À INOCÊNCIA



Eu não pedi o mundo desse jeito para mim
não queria a guerra, apenas a paz
não pedi rivalidades entre os seres
somente concórdia e não poderes.
Não queria que a corrupção dominasse
a hipocrisia e falsidade se alastrasse.
Pedi justiça e não sabida esperteza
também uma simples e plena justeza.
Não, não imaginei o mundo assim...
queria sim, que ele não fosse ruim
que a poderosa e sempre disputada grana
não matasse os ditos humanos entre si
e a violência / fome acabasse para ti.
Não queria tampouco a velhice chegando
a gente, então, alcançando o triste fim
e a morte como um pesadelo enfim.
Não, não pensei que o mundo fosse...
nem para todos e, claro, nem para mim.
Um universo aparentemente belo
mas paradoxalmente não serafim.
Desejava outro mundo de amor
sem qualquer insuportável dor.

Bené Chaves



sexta-feira, dezembro 17, 2004

ITINERÁRIO ALFABÉTICO (4)



MEU colégio era obrigação ir pra missa. Confessionário, hóstia, um verdadeiro santo. Imaginem que até cantar em coral da igreja eu cantei. Fiz a chamada primeira comunhão bem comportado e as traquinices e indiferenças (ou descrenças) vieram com o tempo. Mas, na narração desta letra estava em estado de graça.
Hora da celebração: era mais um pretexto de moças e padres carentes. E as paqueras aconteciam nos bastidores entre um olhar e outro. Os sacerdotes depois largavam tudo e fugiam com as meninas também ávidas para pegar o seu homem. Era um sacrilégio em nome de uma pseudovocação. O que valia mais seria o desejo em pleno palco de uma igreja que ficava desmoralizada ante a saciez de também falsos-moralistas.
E quando cresci entendi melhor a trama amorosa dos padres no horário dito religioso, mas com os olhos nas lindas (algumas nem tanto) donzelas ansiosas para casar. O fato é que pouco tempo depois não existia quase presbíteros naquele educandário.

NÃO sei porque nasci uma pessoa tímida, muito tímida, nada puxando ao meu pai. Talvez as raízes ancestrais tenham vindo de Mainhô, sei lá. E às vezes também pensativo. Seria um predestinado e teria sido enviado para detonar e clarear mentes obtusas e que pudesse tomar impulsos extraordinários com o decorrer do tempo? Sei que a vida tem lá seus mistérios, a origem de todas as coisas voa igual um passarinho além mares. Quando atravessa o tempo, não sabe de onde partiu. E somente tenho certeza que saí de um enorme buraco, porém não sabia a razão e nem para onde iria depois.
Achei, contudo, bacana, ser um menino sensível, que tentava compreender tudo. Entretanto, um temor sempre surge na nossa frente e a gente fica a lamentar um medo da obscuridade. O diabo é que ainda não consegui superar!

O carnaval chegou e a gente formou um bloco: A cobra que mordeu o Belo, uma espécie de roteiro matinal destinado às brincadeiras do período. O título não soube bem o motivo, se existia ou não a citada cobra, embora soubesse que o tal significado indicasse alguém de especial atenção. E a razão da existência da turma de rapazes seria o assalto às casas conhecidas, uma talvez leve (ou pesada) maneira de tomarmos uma bebidinha a mais.
Uma velha camioneta servia de percurso, pena que as mocinhas da época, ainda acanhadas ou pressionadas, não aparecessem como integrantes também do citado acompanhamento. Eram somente marmanjos, o que não deixava de ser triste. E seria ótimo se algumas delas estivessem perto de nós, então a alegria ia ser redobrada. Mas, a compensação nós tirávamos no divertimento, de vez em quando exagerado pelos mais afoitos. Porém eu não deixava de me lembrar que as supostas donzelas pudessem estar ali nos fazendo belas parcerias.
Sim, adivinhei o motivo do título do bloco: era um belo carnaval. É de lamentar apenas que o ofídio o tenha mordido.

PAINHÔ às vezes ralhava comigo, implicava quando não o obedecia. Mas, tudo isso era coisa de criança mesmo. Bem que eu lutei pra ficar no ventre de Mainhô... mas, infelizmente, não somos donos de nossos narizes. E ele gostava de um cocorote que doía pra valer. Minha cabeça voava e passava dias com o couro cabeludo doendo. Sei que o cérebro tem lá os seus emaranhados, ninguém imagina, é cheio de ondulações. Quando um tálitro é dado com força, aí esfacela, a moleira afunda. Evidente que não foi o caso, mas sofria um pouco com aquela indisposição. E os embaraços, situações incômodas, não posso precisar ou alegar de que foram.
Nossas vidas são ambíguas, o simples fato de eu existir acarreta súbitos interesses alheios. Perguntas são postas e daí surgem discussões que raramente têm respostas que satisfaçam o interlocutor.

ESPAÇO LIVRE



VÉRTICE



Universo
único verso da criação
percurso no curso do irreal.

Universo
verso único de ligação
temeridade na razão.

De
(in)frutíferas idéias?


Bené Chaves





segunda-feira, dezembro 13, 2004


ITINERÁRIO ALFABÉTICO (3)


IDEAL também dizer: gostava de jogar bola. A gente formava um time, respeitado, eu, no meio dele, metido a bicho medonho, conhecedor da arte de lidar com a pelota. Espaços compridos possibilitavam o aproveitamento da área larga. E naquele campo não-oficial dominava o redondo objeto de couro como se fosse um verdadeiro craque.
Voltava à noitinha, cabisbaixo, recebendo carões. Mainhô parece que só queria me ver nos estudos, nada de distrações extras. E dizia: você, hein?, por acaso disse pra sair? Botava-me de castigo e lá ficava eu mofando e olhando para aquela horrível parede descolorida. Saía desconfiado, os pés doídos. Esmurrando o muro, sem cor, teimava em largar tudo enquanto Mainhô se enfezava com minha atitude, para ela, um modo de proceder desrespeitoso.
Seria depois surpreendido a jogar botão de mesa...

JOVEM ainda voltei pra fazenda. Cheguei, montei um dos cavalos bonitos e saí a trotear gostoso pelo espaço aberto do campo, aquele lugar desabitado onde predominava os cantos dos passarinhos e o cheiro do ar puro, a vastidão das matas florestais a nos trazer saúde. Vidinha mansa, como diria Painhô. Aliás, foi ele quem me ensinou a montar naquele alazão formoso, bom da peste, no modo de dizer, claro. E eu pulava em cima do animal e vez em vez levantava suas duas patas e segurando nas rédeas, chicoteava-o, ele abrindo as ventas e rinchando um grito talvez de dor. Saltava com ele, então, aqueles enormes cardeiros e xiquexiques que se punham à nossa frente. E o alazão elevava-se com vigor, feito menino, éramos então duas crianças a correr estrada afora como se estivéssemos num campo de hipismo.
Depois tudo acabou: a criação da fazenda foi devassada e devastada, acho que meu cavalo morreu quando a máquina chegou. Feiíssimo e horrível... mataram a ingenuidade, o ar escureceu. E a gente teve de correr às pressas. Homem e máquina: natureza perdida.

KNOW HOW eu ainda não tinha nenhum, mas com certeza e o passar dos anos iria adquiri-lo sem pestanejar. Seria questão de paciência e tempo também. E principalmente estudo. Portanto, dali em diante teria de me esforçar para entender tudo. E Painhô certamente ensinaria o que ele já aprendera na vida.

LUTEI desde criança para manter boa aparência. Com idade de quatro ou cinco anos todos gostavam de mim. Ao menos imaginava que fosse. Um gênio, imbecil, idiota? Disso sei: nasci com aquele belo porte que tanto a parteira avisara. Mas, depois, é lógico que a gente, no crescimento, perde algo e fica frugal. Ou vice-versa. E parece que os cinco quilos e duzentos gramas se malograram e diluíram com a idade avançando e fui ficando magro, mas, ao mesmo tempo esbelto, no que redundou depois um rapaz, modéstia à parte, de estatura modelar.
Que o dissessem depois as mulheres... e que mulheres!


ESPAÇO LIVRE


BÊBADO BORDEL



No cabaré entrei
vivi amarga noite.
Sentei na mesa
de perna cambeta.
Tirei a roída
velha jaqueta.
Pisquei a mulata
cor de jambo.
Gozei na ação
cantei invenção.
Não era loira
morena ou ruiva.
Era a madrugada.

Embriaguei então
minha solidão...


Bené Chaves




quinta-feira, dezembro 09, 2004

ITINERÁRIO ALFABÉTICO (2)


EM frente, quase perpendicular, onde Painhô e Mainhô moravam, existia uma pracinha, acanhada, com uma casa onde vendiam peixes, limitado lugar também de gostosas iguarias. Nem tanto como as comidas de Tia Chica, porém a freguesia se reunia no local. Mas, eu ainda pequeno, talvez com uns sete anos, presenciei, sem querer, claro, um crime nas imediações da mesma. Foi horrível para a minha idade. E Gupiara começara, aos poucos, a mostrar uma outra face de sua existência.
Lembro vagamente: tardezinha, um cidadão, sem motivo aparente, pegou seu revólver e atirou, pum!, pum!, pum! E, depois, com uma faca, ainda cortou metade da orelha do pobre homem, saindo com a dita na mão, o sangue misturado, o outro estendido na barafunda. Nunca souberam o paradeiro do criminoso e ele certamente desapareceu para sempre. Seria o início, talvez, de casos sem soluções e crimes que compensassem suas autorias.

FUI logo sabendo que o pequeno comércio que Painhô instalou em Gupiara começava a dar bons lucros. Vez em vez ele mandava me chamar para ajudá-lo naquele Armazém varejista. E eu até gostava de ficar ali pesando quilos de arroz, feijão ou farinha, feito menino instruído, sabichão. Meu pai da porta olhando pro próspero movimento, às vezes piscando para a bonita moça (não tomava jeito esse Painhô...) em frente, outras vezes me observando com atenção.Claro que ficava direitinho, necessitava muito da minha mesada, pois queria tanto ir a um cinema...

GARANTO que cheguei logo a ler e escrever, claro, fui um menino educado, não dei trabalho a ninguém, Mainhô que o diga. Uma vezinha ou outra a gente perde um pouco os bons costumes, mas é coisa sem importância. O chato mesmo é a vida desassossegada, estudar, estudar, depois trabalhar, trabalhar... a gente devia viver brincando, ora essa! O divertimento nos dá saúde, despreocupação. E as obrigações diárias cansam nossa mente, às vezes com tarefas supérfluas apenas como vaidades bestas, ambições, troços levados como supremacias.
A modesta inteligência ancestral (acho que em grande parte de Painhô) que herdei deve ter facilitado sem precisar ficar com os olhos grudados em livros ou cadernos. Penso que a consciência fluiu espontaneamente e fui absorvendo quase tudo com melhor facilidade.

HOUVE um tempo muito bom em minha vida: coleção de revistas de cinema com artistas na capa e tudo.Possuía um álbum com todas aquelas lindas mulheres à minha frente. E me deliciava à exaustão vendo Kim Novak, Gina Lollobrigida, Ava Gardner, Cláudia Cardinale, Ingrid Bergman, Silvana Mangano e outras lindas atrizes mostrando as pernas em variadas poses. Coxas? Que nada!, também naquele época... o que era uma pena enorme. Mas, que teria sido uma beleza perscrutar o corpo nu de uma miss Novak, por exemplo, claro que ninguém duvida disso.
E as lindas mulheres passavam junto de mim o dia inteiro, principalmente quando ia tomar uma ducha. Atrizes em ruma, oh, dessa altura...
Tempo bom que não voltará jamais. Porém fico com aquela bela recordação de que gamei em todas, revistas e mulheres, seria evidente que sim. E o prazer que senti nos meus primeiros anos de uma pré-adolescência.

ESPAÇO LIVRE




VELHA FOTOGRAFIA



Oh, espelho usado, estilhaçado...
reflexo da pequena estampa
passada
presente
futura.
Roída e acinzentada parede.

Imagem antiga, retorcida...
sinal de uma cansada vida.

Imagem anômala, dEfOrMaDa...
não há de ser nada?

Retrato solitário, solidário
de longa existência
lágrima
riso
imaginário.

Bené Chaves




domingo, dezembro 05, 2004

ITINERÁRIO ALFABÉTICO (1)


AFINAL, eu nasci. Demorei sim, mas surgi, talvez já tivesse incomodando Mainhô dentro de sua barriga. Se bem que depois, parece-me, os embaraços vêm em maiores inquietações. Cheguei sob influências simples. Nada do sonho extravagante de Painhô. Nada de sangue azul. Nem o florir de belas flores. Era sangue vermelho mesmo, igual a todo mundo. Nasci muito a contragosto, mas tive de nascer. Claro que eu preferiria ter ficado no ventre de Mainhô. Como não tive opção, o jeito foi ser retirado pela alegre parteira.
Achei que este mundo não serviria para mim, era um mundo de feridas. Feridas expostas e não cicatrizadas. Um mundo de falsidades e hipocrisias, falso-moralista. E também de incompreensões e decepções. Portanto, eis-me aqui para tentar enfrentar suas mazelas ou questionamentos ambíguos.

BEM que tinha dito: ainda moro numa fazenda, ou melhor, passo alguns dias naquele recanto agradável. O cheiro de vacaria me fazia sentir um cheiro de terra firme, molhada, terra de futuras colheitas. Mainhô é que sempre tapava o nariz quando subia no ar o odor de bosta mesmo, das vacas que sempre pastavam despejando entre as pernas o adubo de suas entranhas. E Painhô sempre metido que estava a tirar leite enquanto a pobre vaca dava uma mijada daquelas. Arre, arre! Tirava leite até altas horas da noite, quase não ia dormir. Vida boa aquela, ar puro, cristalino. Mundão aberto, cheiroso. Pena que a permanência durasse pouco tempo.

COMO entrei num colégio de padres não sei bem, mas o certo é que estudei semi-interno. Época boa, sem muitos interesses. O ruim era durar o tempo inteiro trancado. Tornei-me, então, uma pessoa susceptível e sensível. Quando o almoço era servido eu destampava o protetor e estavam lá as moscas servindo de tempero pro feijão. Enjoava aquilo tudo e ficava mais um dia de fome. No recreio não me divertia com a barriga roncando, fazia que jogava bola e fugia pra cima das mangueiras a chupar mangas espada e rosa. E depois voltava palitando os dentes com a língua.
À tarde, os deveres, os insuportáveis deveres. Enquanto a obrigação não saísse correta, eu ficava mofando ali na sala quente e olhando apenas paredes brancas e janelas sujas. Ufa!, como era chato aquilo. Dava vontade de abandonar e fugir para novos ares.

DEI pra falar logo pequenininho, talvez uma precocidade advinda de ancestralidades, sei lá. Já balbuciava algumas palavras incorretas, claro, mas com o sentido voltado para a sua significação. Acho que Painhô deve ter começado a dizer algo desde cedo, não duvido nada disso. Talvez até soletrado algumas cantorias e arquivadas no diminuto cérebro. As suas célebres emboladas já deviam há muito tempo estar em formação embrionária naquela pequena cachola. Nada se podia duvidar de Painhô. E era quase certo que herdara tudo, pois o que é de bom ou ruim vem sempre de nossas raízes.


ESPAÇO LIVRE



NASCER



Na aurora lembrada vi o frágil início
a menina pobre brincando no lixo
com um papel sujo fazendo rabisco
o menino com um inocente punhal
despertando assim futuro vendaval.
Vi o sol crescendo dentre os morros
a lua dormindo ingênua no universo
os madrugadores no vicioso progresso.
Vi o sublime mar revoltado na encosta
a cidade acordando presa ao tumulto
no primeiro e paradoxal último insulto.
Vi também lutas tolas e desprezíveis
o roubo, a droga e o mal dominando
tudo isso ao mero acaso chegando
e nossa vida, enfim, desmoronando.
Não vi a mulher bela, mas esquisita
pois não me acolheu na conquista.
Enfim, vi uma cidade feia surgindo
ante nossos olhos ainda dormindo.

No prólogo eu vi os amanheceres
no epílogo não vi os anoiteceres.


Bené Chaves



quarta-feira, dezembro 01, 2004

Mais uma vez o escritor Francisco Sobreira (Natal) comparece com uma de suas crônicas. Compartilho com vocês o texto do amigo:


SOBRE UMA FRASE DE PETER BOGDANOVICH


Francisco Sobreira


Crítico de cinema, Peter Bogdanovich resolveu seguir o exemplo de vários de seus colegas e ingressou na direção. Isso se deu em 1968, com o filme Targets, que, no Brasil, recebeu o título de Na mira da morte. E estreou bem, ao narrar a história de um jovem que mata a esposa e os próprios pais e, em seguida, ascende ao topo de um prédio do campus (se a memória não estiver me traindo) e de lá fica atirando nas pessoas que passam. Paralela a esta história segue a de um diretor de cinema que pretende fazer um filme de terror, cujo protagonista fora no passado um dos expoentes do gênero, há muitos anos afastado do cinema. Esse ator é Boris Karloff, que interpreta a si mesmo, mas com um nome fictício. É uma comovente homenagem que Bogdanovich presta ao ator, na época relegado a um completo esquecimento, fazendo-o voltar à tela naquele que acabou sendo o seu último trabalho no cinema.

Pois a uma certa altura do filme, numa conversa entre o diretor e o ator, o primeiro (o próprio Bogdanovich) diz a seguinte frase: Todos os grandes filmes já foram feitos. Assim mesmo: Todos os grandes filmes já foram feitos. A frase, desde que vi o filme pela primeira vez, soou-me como uma opinião descabida, leviana e impertinente, pois decretava a morte do grande cinema feito pelos seus maiores mestres, numa época em que o cinema vivia uma fase de grande criatividade, notadamente na França e na Itália, onde trabalhava a maior parte dos maiores diretores; mas até no cinema americano ainda se faziam grandes filmes (não, é claro, na mesma quantidade daqueles dois países), pois não se deve esquecer que o 2001 ? Uma odisséia espacial, de Kubrick, é de 1968. E nos anos seguintes, até aí por volta de 1980, a realização de obras importantes só fez desmentir a opinião do personagem do filme de Bogdanovich. E é de uma fina ironia o fato de o mesmo Bogdanovich ter sido um dos cineastas a contestar a própria frase, ao realizar, três anos depois, um grande filme, A última sessão de cinema, o maior de sua filmografia, feita muito mais de baixos do que de altos.

Ditas hoje, no entanto, aquelas palavras serão rigorosamente corretas. Todos os grandes filmes já foram feitos porque os grandes cineastas, aqueles que contribuíram para o cinema elevar-se à categoria de arte, já morreram, ou estão aposentados, ou quase os pouquíssimos ainda vivos. Há alguns talentosos entre os surgidos nas duas últimas décadas do século passado, mas que não estão no mesmo patamar. Não é uma opinião apenas minha, creio que os cinéfilos da minha geração, e das gerações anteriores, pelo menos em grande parte, pensam assim. Cito um exemplo: Gilberto Stabile, ex-companheiro meu, de Bené e de Moacy do Cine Clube Tirol de Natal. A cada ano, por ocasião da Mosta de Cinema lá de São Paulo, ele sai de casa cheio de esperança de ver um filme, se não com uma proposta inovadora, pelo menos que apresente algo original, e todo ano, volta para casa desalentado.Há alguns filmes bons, mas nenhum que o deixe ciente de que assistiu a uma obra-prima.

E o que fazer? Ora, existe o DVD. Com este resta o consolo de rever aqueles momentos mágicos do cinema dos grandes mestres.



ESPAÇO LIVRE



ESPECTADOR

Para Francisco Sobreira


No escurinho do cinema eu vi
o vagabundo com o belo gesto de ternura
aquela imagem de uma beleza pura
a florista sorrindo e vendo o amanhã
o rosto da adolescente de olhar afetuoso
a razão vencendo a intolerância.
Vi o afeto superando o ódio
lucidez e discrição na face de todos
aquela bela loira/ ruiva me acenando
a morena instigante sempre palpitando.
Vi a gratidão e justiça como bens maiores
a mediocridade rejeitada / derrotada
também vi a mocidade estancada
a velhice longe e não amostrada
nossas vidas não deterioradas
o amor da mulher dada / amada.

Tudo isso eu vi, mas somente no
escurinho de uma sala de cinema.


Bené Chaves