perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sexta-feira, dezembro 17, 2004

ITINERÁRIO ALFABÉTICO (4)



MEU colégio era obrigação ir pra missa. Confessionário, hóstia, um verdadeiro santo. Imaginem que até cantar em coral da igreja eu cantei. Fiz a chamada primeira comunhão bem comportado e as traquinices e indiferenças (ou descrenças) vieram com o tempo. Mas, na narração desta letra estava em estado de graça.
Hora da celebração: era mais um pretexto de moças e padres carentes. E as paqueras aconteciam nos bastidores entre um olhar e outro. Os sacerdotes depois largavam tudo e fugiam com as meninas também ávidas para pegar o seu homem. Era um sacrilégio em nome de uma pseudovocação. O que valia mais seria o desejo em pleno palco de uma igreja que ficava desmoralizada ante a saciez de também falsos-moralistas.
E quando cresci entendi melhor a trama amorosa dos padres no horário dito religioso, mas com os olhos nas lindas (algumas nem tanto) donzelas ansiosas para casar. O fato é que pouco tempo depois não existia quase presbíteros naquele educandário.

NÃO sei porque nasci uma pessoa tímida, muito tímida, nada puxando ao meu pai. Talvez as raízes ancestrais tenham vindo de Mainhô, sei lá. E às vezes também pensativo. Seria um predestinado e teria sido enviado para detonar e clarear mentes obtusas e que pudesse tomar impulsos extraordinários com o decorrer do tempo? Sei que a vida tem lá seus mistérios, a origem de todas as coisas voa igual um passarinho além mares. Quando atravessa o tempo, não sabe de onde partiu. E somente tenho certeza que saí de um enorme buraco, porém não sabia a razão e nem para onde iria depois.
Achei, contudo, bacana, ser um menino sensível, que tentava compreender tudo. Entretanto, um temor sempre surge na nossa frente e a gente fica a lamentar um medo da obscuridade. O diabo é que ainda não consegui superar!

O carnaval chegou e a gente formou um bloco: A cobra que mordeu o Belo, uma espécie de roteiro matinal destinado às brincadeiras do período. O título não soube bem o motivo, se existia ou não a citada cobra, embora soubesse que o tal significado indicasse alguém de especial atenção. E a razão da existência da turma de rapazes seria o assalto às casas conhecidas, uma talvez leve (ou pesada) maneira de tomarmos uma bebidinha a mais.
Uma velha camioneta servia de percurso, pena que as mocinhas da época, ainda acanhadas ou pressionadas, não aparecessem como integrantes também do citado acompanhamento. Eram somente marmanjos, o que não deixava de ser triste. E seria ótimo se algumas delas estivessem perto de nós, então a alegria ia ser redobrada. Mas, a compensação nós tirávamos no divertimento, de vez em quando exagerado pelos mais afoitos. Porém eu não deixava de me lembrar que as supostas donzelas pudessem estar ali nos fazendo belas parcerias.
Sim, adivinhei o motivo do título do bloco: era um belo carnaval. É de lamentar apenas que o ofídio o tenha mordido.

PAINHÔ às vezes ralhava comigo, implicava quando não o obedecia. Mas, tudo isso era coisa de criança mesmo. Bem que eu lutei pra ficar no ventre de Mainhô... mas, infelizmente, não somos donos de nossos narizes. E ele gostava de um cocorote que doía pra valer. Minha cabeça voava e passava dias com o couro cabeludo doendo. Sei que o cérebro tem lá os seus emaranhados, ninguém imagina, é cheio de ondulações. Quando um tálitro é dado com força, aí esfacela, a moleira afunda. Evidente que não foi o caso, mas sofria um pouco com aquela indisposição. E os embaraços, situações incômodas, não posso precisar ou alegar de que foram.
Nossas vidas são ambíguas, o simples fato de eu existir acarreta súbitos interesses alheios. Perguntas são postas e daí surgem discussões que raramente têm respostas que satisfaçam o interlocutor.

ESPAÇO LIVRE



VÉRTICE



Universo
único verso da criação
percurso no curso do irreal.

Universo
verso único de ligação
temeridade na razão.

De
(in)frutíferas idéias?


Bené Chaves



por benechaves às 21:50