perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



quarta-feira, fevereiro 27, 2008



VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM (24)

De João de Barro e Alberto Ribeiro:



Existem praias tão lindas cheias de luz


Nenhuma tem o encanto que tu possues


Tuas areias, teu céu tão lindo


Tuas sereias sempre sorrindo
Copacabana princezinha do mar
Pelas manhãs tu és a vida a cantar
E a tardinha o sol poente
Deixa sempre uma saudade na gente
Copacabana o mar eterno cantor
Ao te beijar fico perdido de amor
E hoje vive a murmurar
Só a ti Copacabana eu hei de amar.

Obs: Versos da música 'Copacabana'(1946), dos autores acima citados. O compositor Braguinha resolveu gravar este samba-canção com o cantor e pianista Dick Farney, que iniciava sua carreira cantando músicas americanas. Relembrou o João de Barro: 'por este motivo não foi fácil convencer o pianista a cantar em português'. E com esta gravação 'Copacabana' fez enorme sucesso de público e permaneceu nas paradas das rádios, tão em voga na ocasião. Até o final de 1947 sempre esteve disputando os primeiros lugares. Com mais de 80 regravações, entre as quais a de Jorge Vieira e Albertinho Fortuna, esta melodia encantou o povo do Rio de janeiro.
Foi o cineasta americano Wallace Downey - que produziu alguns filmes no Brasil nos anos 30 e 40 - quem encomendou aos autores uma música que identificasse (musicalmente) um night-club de Nova York que tinha o título de ‘Copacabana’. Seria, então, uma bela homenagem à famosa praia carioca.
João de Barro(Braguinha) e o Alberto Ribeiro fizeram juntos, além de outras canções, o ‘Balancê’(1936), já registrado aqui em agosto de 2007(vide pequena biografia na ocasião).


ESPAÇO LIVRE





Compartilho hoje com vocês do poema 'Dor', da Layla Lauar, do blogue http://www.ressacadihomii.blogspot.com/ . Espero que todos tenham uma boa leitura.



DOR


Há dias que a dor me assalta


de forma tão desmedida, aguda e inesperada




que o coração se encolhe e duvida...




(que possa suportar)




De todas as dores que sofri,




a mais dolorida




foi a dor dos meus braços,




tão vazios de ti.



quarta-feira, fevereiro 20, 2008

O texto abaixo já foi publicado em dezembro de 2004. Coloco-o novamente como uma alternativa para os que não o viram. Mas, o poema é inédito. Espero que todos tenham uma boa leitura.


ITINERÁRIO ALFABÉTICO (1)


AFINAL, eu nasci. Demorei sim, mas surgi, talvez já tivesse incomodando Mainhô dentro de sua barriga. Se bem que depois, me parece, os embaraços vêm em maiores inquietações. Cheguei sob influências simples. Nada do sonho extravagante de Painhô. Nada de sangue azul. Nem o florir de belas flores. Era sangue vermelho mesmo, igual a todo mundo. Nasci muito a contragosto, mas tive de nascer. Claro que eu preferiria ter ficado no ventre de Mainhô. Como não tive opção, o jeito foi ser retirado pela alegre parteira. Achei que este mundo não serviria para mim, era um mundo de feridas. Feridas expostas e não cicatrizadas. Um mundo de falsidades e hipocrisias, falso-moralista. E também de incompreensões e decepções. Portanto, eis-me aqui para tentar enfrentar suas mazelas ou questionamentos ambíguos.


BEM que tinha dito: ainda moro numa fazenda, ou melhor, passo alguns dias naquele recanto agradável. O cheiro de vacaria me fazia sentir um cheiro de terra firme, molhada, terra de futuras colheitas. Mainhô é que sempre tapava o nariz quando subia no ar o odor de bosta mesmo, das vacas que sempre pastavam despejando entre as pernas o adubo de suas entranhas. E Painhô sempre metido que estava a tirar leite enquanto a pobre vaca dava uma mijada daquelas. Arre, arre! Tirava leite até altas horas da noite, quase não ia dormir. Vida boa aquela, ar puro, cristalino. Mundão aberto, cheiroso. Pena que a permanência durasse pouco tempo.


COMO entrei num colégio de padres não sei bem, mas o certo é que estudei semi-interno. Época boa, sem muitos interesses. O ruim era durar o tempo inteiro trancado. Tornei-me, então, uma pessoa susceptível e sensível. Quando o almoço era servido eu destampava o protetor e estavam lá as moscas servindo de tempero pro feijão. Enjoava aquilo tudo e ficava mais um dia de fome. No recreio não me divertia com a barriga roncando, fazia que jogava bola e fugia pra cima das mangueiras a chupar mangas espada e rosa. E depois voltava palitando os dentes com a língua. À tarde, os deveres, os insuportáveis deveres. Enquanto a obrigação não saísse correta, eu ficava mofando ali na sala quente e olhando apenas paredes brancas e janelas sujas. Ufa!, como era chato aquilo. Dava vontade de abandonar e fugir para novos ares.


DEI pra falar logo pequenininho, talvez uma precocidade advinda de ancestralidades, sei lá. Já balbuciava algumas palavras incorretas, claro, mas com o sentido voltado para a sua significação. Acho que Painhô deve ter começado a dizer algo desde cedo, não duvido nada disso. Talvez até soletrado algumas cantorias e arquivadas no diminuto cérebro. As suas célebres emboladas já deviam há muito tempo estar em formação embrionária naquela pequena cachola. Nada se podia duvidar de Painhô. E era quase certo que herdara tudo, pois o que é de bom ou ruim vem sempre de nossas raízes.


ESPAÇO LIVRE







VORACIDADE


Nos teus olhos verdes e intensos
cintilam minha súbita inquietude
o encanto que eles me encantam
no teu sorriso de fascínio e ardor.

E a tua volúpia indefinida fere
o desejo que assoma meu corpo.

Na oculta ânsia em querer-te e
da distância em ter-te.

Encontros que vão à quimera
de contatos e castos atos.

E na minha cobiça tu a seguir
comigo na madrugada frouxa
de tensos devaneios.
(Sonhos em exaustão).

Eu no ímpeto de desnudar-te para
cobri-la com meu vasto desejo.

Bené Chaves

( Ao lado: 'Luxúria', de Jean-Baptiste-Valadie)




quarta-feira, fevereiro 13, 2008


(O selo ao lado me foi concedido pelo amigo Marco Santos do blogue 'Antigas Ternuras').




VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM(23)

De Aldo Cabral e Cícero Nunes:


Quando o carteiro chegou

E o meu nome gritou

Com uma carta na mão

Ante surpresa tão rude

Nem sei como pude chegar ao portão

Lendo o envelope bonito

No seu sobrescrito eu reconheci

A mesma caligrafia

Que me disse um dia

Estou farto de ti

Porém não tive a coragem

De abrir a mensagem

Porque na incerteza

Eu meditava e dizia

Será de alegria

Ou será de tristeza

Quanta verdade tristonha

A mentira risonha

Que uma carta nos traz

E assim pensando rasguei

Tua carta e queimei

Para não sofrer mais




Obs: Versos da música 'Mensagem'(1945), gravada pela Isaurinha Garcia em 1946 e tornando-se um dos maiores sucessos da cantora. Antonio de Guimarães Cabral, o autor Aldo Cabral, era também teatrólogo, nascido no bairro de Santo Cristo, RJ, em 3 de fevereiro de 1912. Começou a sua carreira com uma valsa ('Boneca', gravada em 1935 por Sílvio Caldas), melodia de Benedito Lacerda, seu maior parceiro. Cabral era, portanto, um dos melhores letristas da época. E em 1937 lançou o sucesso 'Amigo Leal ', samba, na voz de Orlando Silva e cuja continuação, 'Amigo Infiel' foi gravada pelo mesmo autor no ano seguinte. Morreu em 5 de junho de 1994.
O parceiro Cícero Nunes Cordeiro era também instrumentista. Aos 14 anos conseguiu um emprego para ajudar sua família, sendo operário em várias fábricas. Fez amizade, então, com um dos rapazes que tocava violão e começou a aprender e também a apreender. E compôs, a partir de 1937, principalmente sambas-choro, onde obteve o desejado sucesso. Aderiu ao samba-canção em 1944 e conseguiu melhores êxitos com 'Aquela Mulher', lançado por Nelson Gonçalves, 'Apogeu'(com Herivelto Martins), gravado em 1945 pelo Francisco Alves e o samba em questão.
Cícero Nunes nasceu no Rio de Janeiro em 6 de abril de 1912(mesmo ano do parceiro) e faleceu no dia 3 de fevereiro(mesmo dia e mês também do companheiro musical). Interessante estas coincidências de datas, talvez revelando uma afinidade maior entre os dois compositores.


ESPAÇO LIVRE






DISPUTA



Na sensatez de teus atos
a insensatez dos meus.

Na agitação de meu olhar
a quietude dos teus.

E entre contatos opostos
o existir como ritual de
amores e desamores.

Em um turbilhão de laços
de uma esperança ambígua.

Bené Chaves

(Tela do pintor inglês William Blake -1757/1827)





quarta-feira, fevereiro 06, 2008




A MORTE DO PIERRÔ



Na fria e molhada madrugada o Arlequim chorou. De saudades também de sua Colombina. Chorou depois na aurora de cinzas, da recordação de frevos e marchinhas de outrora. E na melancolia das ruas desertas, no encantamento e ilusão de épocas idas... Voltou a chorar. Era um choro amargo e, ao mesmo tempo, alegre. Na paradoxal vida de todos nós. Das despedidas do que jamais teria retorno. De uma fantasia que somente mostrava o invólucro do que já fora.

Lembrou os amores perdidos. Imaginou de quando na sua cidade existia ainda a salutar união e uma folia que se impregnava do que seria belo e autêntico. Hoje ele já não observava e nem mesmo poderia supor os cantos e encantos de um passado. Os clubes onde alargava sua alegria no miolo do salão. As danças com passos verdadeiros e bonitas composições. E o seu lamento foi tão enorme que ele não acreditava no que via. E por isso, o Pierrô chorou.

Das delícias e de brincadeiras inocentes, de confetes, de serpentinas, do lança-perfume. Das meninas de shortezinhos com o umbigo à mostra. Dos cabelos envoltos nos rostos pueris. De como o objeto retangular e de cor dourada servia apenas para jogar o líquido friozinho nas pernas e coxas das mesmas. Lembrou de como era a meiguice da retribuição ao gesto singular. De como as garotas ficavam felizes com um afago. Com um beijo na face. E do que dali poderia sair também um namoro ou algo similar.

O Pierrô chorou, chorou muito. Lembrou-se de sua meninice. Dançou, então, um frevo, jogou confete e atirou serpentina para uma avenida deserta. Derramou o lança-perfume na rua fria e solitária. Apenas ele ali sozinho, sem mais a sua companheira. Sem mais os seus amigos e sem mais ninguém. E ele voltou a chorar e a cantar e a sorrir e a soluçar de um lado para o outro na sua solidão. E saiu a pular entre os paradoxos de uma existência e desengano.

Na sua memória ficaram os momentos bons de uma época de ouro, de um tempo inocente e sem violência e corrupção e rancor. E a brutal transformação de um mundo e o progresso feroz que destrói o que o próprio ser que se dizia humano construiu. E entre as razões de um universo abjeto, o Arlequim não parou de chorar. Suas lágrimas inundaram um ilusório corredor da folia. E seus olhos incharam.

Na larga avenida de postes iluminados não vi mais nada. As luzes apagaram. Fiquei a lamentar a solitária figura de um pobre homem com seu disfarce a esconder o rosto de uma outrora alegria. Hoje apenas mesclada com a tristeza de um crepúsculo onde se baralhavam cinzas de uma quarta-feira de completa escuridão.

E o Pierrô tirou a máscara e a jogou fora. Desfez-se também de sua falsa indumentária e voltou a chorar. Neste exato instante os soluços aumentavam e faziam eco entre as pálidas cinzas de uma sumida esperança. Ele já na sua casa a olhar no espelho para um rosto nu e sem o sorriso e a alegria de viver.

ESPAÇO LIVRE


EXTREMOS

Amando-te ou odiando-te
esqueço de minha solidão
da infinita procura entre o
meu e o teu corpo.

Nas estreitas diferenças
a invalidar o amor e o ódio.

E fugaz inquietude do
nascer, viver e morrer.

Bené Chaves