perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, julho 28, 2007




No dia 01 de agosto, quarta-feira próxima, este blogue estará completando 03 anos de existência. Quero deixar aqui o registro e agradecer a todas as pessoas que o visitam, especialmente aquelas amigas e amigos que comentam uma ou outra postagem. O sucesso ou não do mesmo se deve, acredito que sim, a presença de todos vocês, embora tenha notado também uma assustadora queda nos comentários. Talvez muitos não tenham o devido tempo para visitas ou algo similar. De qualquer maneira fico muito grato aos que comparecem com suas gentis e carinhosas palavras. Verei até onde e quando poderei ir. O andamento dirá se devo permanecer ou não. Já tive vontade de encerrá-lo, mas a saudade foi maior e resolvi voltar no meio do caminho. Perdi muitos elos queridos, não sei a razão. Mas a vida é assim mesmo, se resume em acasos, casos, ocasos e descasos.
O texto abaixo já foi publicado aqui em meados de 2004. Volto a repeti-lo para as novas amigas e novos amigos que surgiram neste espaço de tempo. Contudo, o poema é inédito.







INOCÊNCIA E SABEDORIA DE UM POVO

Saudável era ouvir o vaqueiro flagrar, narrar as coisas do dia-a-dia. Sobre a sorte de um indivíduo ser ou não abastado, falava: quem tem de ter tem que se dana; e quem não tem de ter se dana e não tem. Eram as fantásticas criações daquele homem fiel aos cuidados da fazenda. Histórias do sertão, da cidade, do sol e da lua. Histórias de um mar que não existia. E o sofrimento vivido na carne, a seca braba dos lugarejos, a vida de amarguras de um povo. Era um sujeito querendo aprender e apreender. Dizia ele, a Painhô, que a maioria trabalha e luta para a minoria saborear. E isso decididamente não estava certo. Contava tudo na simplicidade e candura que lhe eram peculiares. Misturava realidade versus ficção. Desabafava também: o homem humilde é honesto, na maioria das vezes. Cadê que eu tenho alguma coisa? Sou místico, religioso, mantenho fidelidade nos atos. Não tive meios para a instrução, mas sei de algumas safadezas... Ele, meu filho, continuou Painhô, exibia idéias exóticas, no entendimento de seu avô. Mas eram constrangimentos que saíam de uma vida atribulada, sem lazer nenhum. O único prazer que tinha era uma ruma de meninos pra criar. E como não podia ter controle para evitá-los, a casa ia se entupindo ano a ano.
A mulher, sempre servil, chegava à noite e dizia: vai precisar d'eu hoje, homem? Mas, cansado do trabalho, ele apenas respondia: hoje não, mulher. E ela, aliviada um pouco, comentava: então vou lavar somente o pé. Via-se, com isso, que não era uma pessoa que gostasse de muito asseio. Só quando ia satisfazer seu marido. E alimentá-lo de um sexo seco e bruto.
Certa vez, filho, ele me contou uma estória comovente: na época dos festejos natalinos apareceu um vistoso homem numa dita comunidade. Então o dito sujeito olhou ao redor e viu verdadeiras aberrações. Crianças pobres comendo barro na lama e aquelas barrigas inchadas de vermes. E, de um outro lado, meninos ricos brincando em suntuosas casas com belos presentes.
Eram, obviamente, famílias tristes x famílias alegres, pobreza x riqueza. Faces literalmente opostas. Portanto, ele perguntou: mas, o mundo não pertence a todos nós? E realizou um sonho na sua imaginação, tentando abreviar tal ocorrência calamitosa. A súbita transformação no utópico e alegórico aliviou a sua mente. Ele então pulou de felicidade. Era, lógico, a inocência falsa e quimérica de invencionices com sabor de verdade.
Do quarto avistei a lua, perto da janela, disse meu pai. Gupiara tornava-se pródiga em noites assim, pena que a 'bola de encher' subisse rápido, não ensejando maiores apreciações. Ficou, então, deste tamanhinho, um tico de nada no céu. E depois uma vasta nuvem cobriu nossos desejos.
As estrelas, os morros, o satélite. A cidadezinha lançou sua última visão. Mainhô e Tia Chica ressonavam. Eu idem, ainda na barriga de minha mãe, ufa! Painhô fechou a porta e Gupiara fechara novo dia.

ESPAÇO LIVRE


MORDACIDADE


De teu ventre saem
as labaredas que
apagam ambigüidades
de um amor disperso.

Numa voracidade
momentânea.


Bené Chaves



sábado, julho 21, 2007





VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM (10)


De Noel Rosa e Heitor dos Prazeres:

Um pierrô apaixonado
Que vivia só cantando
Por causa de uma colombina
Acabou chorando, acabou chorando...

*

A colombina entrou num botequim
Bebeu, bebeu, saiu assim, assim...
Dizendo: pierrô cacete
Vai tomar sorvete com o arlequim.

*

Um grande amor tem sempre um triste fim
Com o pierrô aconteceu assim
Levando esse grande chute
Foi tomar vermute com amendoim.

Obs: Alguns versos de 'Pierrot Apaixonado'(1935), marcha que fez muito sucesso nos carnavais de 1936 e subseqüentes. A música foi gravada pela dupla Joel e Gaúcho, com o Heitor fazendo o estribilho e o Noel a segunda parte. Heitor nasceu no Rio de Janeiro em 23 de setembro de 1898, dedicando-se, desde mocinho, a tocar clarineta e instrumentos de percussão na Banda da Polícia Militar da cidade de origem. Depois também iniciou-se na pintura. Faleceu em 04 de outubro de 1966.


De Noel Rosa:

Quando o apito da fábrica de tecidos
Vem ferir os meus ouvidos
Eu me lembro de você
Mas você anda
Sem dúvida bem zangada
E está interessada
Em fingir que não me vê...

*

Nos meus olhos você lê
Que eu sofro cruelmente
Com ciúmes do gerente
Impertinente
Que dá ordens a você...

Obs: Alguns versos da música 'Três Apitos'(1933), onde o autor inspirou-se em uma namorada que trabalhava numa fábrica de botões em Andaraí, bairro do Rio de Janeiro. E tal composição causou uma confusão danada com outra fábrica que havia perto da casa do Noel. E ficaram sem saber quem seria a musa da música. Talvez por este motivo o compositor não gravou a mesma na época. Só viria a ser gravada em 1951, anos depois de sua morte, por Araci de Almeida, que reviveu Noel Rosa naquele início dos anos 50. O grande compositor de Vila Isabel nasceu em 11 de dezembro de 1910 e faleceu em 04 de maio de 1936.

ESPAÇO LIVRE

APETITE


Sacio-te com piedade
o amor transbordando
numa ânsia orgástica
a jorrar desejos ocultos.

Uma paixão que se deduz
de um estágio em sofrimento.

E o instinto a palpitar uma
breve e infinita ambição.

A de tê-la no meu corpo
em redemoinhos na alma.


Bené Chaves



sábado, julho 14, 2007

O texto abaixo foi publicado aqui em outubro de 2004. Ei-lo novamente para as amigas e amigos que não o leram não ocasião. E também para uma releitura do que já o conhecem, claro.


PARENTESCO DOS SÓIS

Era domingo. Os canários do vizinho cantavam a valer, pombos voavam no telhado e, ao lado, num terreno baldio, meninos jogavam bola. Tia Chica preparava o almoço. Uma voz eclodiu da varanda: diga a preta velha que capriche, hoje estou com uma bruta fome! Mainhô apossou-se de uma cadeira e ficou a bordar um pano tingido. Certamente seria o seu enxoval, meu filho, que ela preparava com muito gosto.
Painhô contou: no sertão, depois de um dia na enxada, sol pegando fogo, os homens voltavam pra comer tardinha do dia. Porém, como alguns não tinham suprimentos em casa, terminavam comendo a mulher mesmo, não literalmente, lógico. E, desse modo, o jeito era criar um bando de filhos. Foi Deus quem mandou, diziam as mulheres já prenhes. Só que esta historinha tava muito mal contada.
Ferrões também tinha um belo anoitecer. No alpendre da casa de seu avô, continuava ele, a gente sentia o cheiro gostoso de queijo do sertão, manteiga, pão assado, aquela coalhada também de leite puro, fresco, tirado da vaca, madrugadinho. Ai Tia Chica lá...Aliás, a preta velha tinha preparado uma saborosa macarronada, dessas de deixar todo mundo com os beiços lambendo. Eu mesmo já estava sentindo aquele cheiro sem igual e doido para aproveitar o restinho na barriga de Mainhô.
Mas, juntos, fomos nós, filho, degustar a tal comida já exposta à mesa. Tia Chica se enchendo de alegria, os olhos salientes de tanto deslumbramento. Aquela iguaria que fez nos deixou empanzinados, sua mãe tendo de abrir o chambre pra poder respirar um pouco, ufa! Quase que lhe sufocou, mas acho que você consumiu feito um guloso, não?
O sol descia de posição e crescia também colado aos morros de Gupiara. Era enorme e um pouco desigual, se comparado ao seu parente de Ferrões. Tinha, em suas bordas, um acabamento como se tivesse sido feito com mãos de ouro. Fomos vê-lo sumir-se. A visão trouxe encantamento à cidade. Painhô, já descansado do vasto almoço, começou a dedilhar seu violão:

Tava um dia no porto de Alagoas
Encontrei tudo em bela condição
Mais de cento e cinqüenta embarcação
Entre paquetes navios e canoas
Na presença de mais de mil pessoas
Com o barco alemão me agarrei
Quando o bicho quis sair eu segurei
Nesse dia seu Minana criou fama
O oceano ficou da cor de lama
Mas o navio só saiu quando eu larguei.

Meu pai disse que nunca estivera em Alagoas, mas não acreditei nessa história. Acho que ele andou aprontando pras bandas daquele cais junto com amigos boêmios. Esse imprevisível Painhô!...

Bené Chaves



sexta-feira, julho 06, 2007

Novamente para os que não o viram e também para uma releitura, o texto abaixo, que saiu em setembro de 2004, vai aí republicado. Que todos tenham uma boa leitura.

VIDA A DOIS


Minha mãe casou-se bem novinha, com apenas dezessete aninhos. Em plena efervescência juvenil. E comentavam que era uma moça linda. Parece que eu puxei a ela, pois falam que sou uma pessoa de belo porte. (Fico grato no que estas palavras dizem respeito a mim). Portanto, Mainhô estava em plena floridade, para usar aqui um neologismo.
Naquele tempo era meio difícil as moças se aquietarem no lugar. O clima quente da região também favorecia tal comportamento. E ficavam logo com medo do caritó, praga que persegue algumas até na atualidade, o que é uma grande besteira. Mas, seria o costume de uma época.
Painhô foi o contrário, divertiu-se quando solteiro e tinha vinte e oito anos quando casou. E isso porque ele inventou de 'bulir' com minha mãe. Azar ou sorte dele, não sei, ele que me conte depois essa historinha. Mas o termo 'bulir' era engraçado, porém em voga no período, disse-me certo dia. Se você 'comia' uma mulher, não usaria nunca esta palavra, pois seria uma aberração.
Creio que atualmente não se 'bolem' mais com as mulheres. E todos devem saber o vocabulário certo nas suas conquistas. Existem inúmeras designações para tal uso.
Meu pai me falou que algo lhe chamou a atenção no seu relacionamento com Mainhô. O algarismo seis. Pois, então, namoraram durante seis meses, casaram em um dia seis, tiveram seis filhos e até a igrejinha do casório tinha o número seis na sua fachada como identificação. Juro que vi este algarismo pregado na parede, dizia ele.
Na época proibiam tudo, comentou minha mãe.Você sabe, meu filho, cidade com menos gente o falatório corre solto. Porém, as desgraças só acontecem no dia. Era jovem, podia ter aproveitado melhor a idade. Sei que o tempo não espera nada. E seu pai apareceu naquela hora. Quando chega o momento, tudo se revela e não se revela, pois a existência sabe e dita as mudanças, dizia ela, meio filosofando.
A lua surgiu e iluminou o terraço. Longe dali, mulheres e homens saíam às ruas para olhar o bonito anoitecer. Gupiara enfeitou-se. Ficavam todos com cadeiras e redes nas varandas e se deliciando com o crepuscular acontecimento.
Tia Chica gritou da cozinha que a janta já estaria servida. Painhô depois apenas observou a lua diminuir de tamanho. As ruas ficaram escuras, ouvia-se o zumbido das cigarras e as sombras das árvores afugentavam poucas crianças que brincavam ao derredor.
Ele me disse que se fixou no horizonte e sentenciou: o que existe mesmo é uma mistura de misticismo versus ceticismo. A vida é uma mesclagem!, falou interrogativo, como se estivesse conversando somente para si.
Sei não porque Painhô disse isso, mas pareceu-me que nesta noite, a exemplo de Manhô, ele também estava querendo apenas meditar sobre nossa existência.

ESPAÇO LIVRE

O poema abaixo faz parte do livro 'Cinzas ao amanhecer'(Sebo Vermelho, 2003) e já foi publicado aqui em meados de outubro de 2004. Espero que ele proporcione de novo uma boa leitura.

TEMPORALIDADE


Na breve existência
este seu rosto
tem a sua idade
também a suavidade
do resto que vi de ti.

No seu belo corpo
a efemeridade de
um triste porvir.

A da velhice por vir.

E a morte para ti.

Bené Chaves