perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, maio 26, 2007

Mais um texto que foi publicado aqui em agosto de 2004. Para os que não o leram, evidentemente, e também para os que quiserem fazer uma releitura.
AS EMBOLADAS DE PAINHÔ


O lusco-fusco de Gupiara encantava a todos. Do alpendre largo meu pai se aconchegou com minha mãe e foram olhar a hora do crepúsculo. A noite ficou quieta e a espontaneidade fluiu. Na cozinha o cheiro da arte exemplar de Tia Chica. E meu pai com gáudio no rosto, minha mãe também. Longe dali, folhas secas caíam grudando na bosta das vacas que pastavam distraidamente.
Enquanto a preta velha servia o leite gostoso e espumoso, aquele arroto ia saindo com satisfação. Por cima e por baixo. Painhô, então, levantou-se e voltou ao terraço, colocando a rede nos sujos armadores. Viu dali, deitado, a enorme lua que surgiu dentre os morros. Ela quase roçando seu rosto. Ficou extasiado com a bonita paisagem.
Gritou pedindo o violão e convidou as duas mulheres para o ouvirem cantar. Acho que Gupiara escutou também aquele chamamento. Moveu as duas mãos e iniciou as modas:

Menina dos olhos d'água
Me dê água pra beber
Não é sede não é nada
Só vontade de te ver.

Afinou o estribilho na segunda pauta:

Ai céu céu céu
Ai céu sereno
Ai céu me leva
Para os braços da morena.

Enquanto minha mãe saía um pouco, talvez pra tomar água, não sei, meu pai aproveitou sua ausência e sapecou baixinho:

Mulher casada
Que duvida do marido
Toma a mão no pé do ouvido
Pra deixar de duvidar.

Mas, quando ela voltou, procurou agradá-la. Painhô era assim, cantava o momento, de acordo com suas conveniências:

Homem casado
Beliscou mulher dos outros
Pode-se dizer morto
Na ponta do meu punhal.


E, olhando, de soslaio, para a mulher, inventariou outra moda, claro, tocando com entusiasmo:

Mulher de vergonha
Não se meta em beliscada
Seja fiel ao marido
Senão fica atrapalhada.


Ao longe, alguns pampas relinchavam e um ruído estranho estendeu-se no matagal. Tudo ali era livre, belo, sadio. Mas, no fundo, sentia-se uma falta de esperança ao se olhar o horizonte, as plantações ressequidas, o povo sempre sofrido, a água escassa.
Painhô levantou da rede, calçou os chinelos e puxou o violão pra debaixo de um braço e a mulher pra debaixo do outro. Não sei não, mas, toda vida que meu pai ia cantar, despertava-lhe uma fome diferente, acho que de sexo. Ele me contou depois que foi dormir, mas tenho em mente que era apenas uma força de expressão.
E ele ia lá dormir numa situação daquela!...


ESPAÇO LIVRE

POEMINHA CASTO

A virgem cor de mel
com seu maiô de cetim
brinca na areia salgada
bem juntinho de mim.

Quero afagá-la, seduzi-la
feito isca no anzol
na melodia do mar
catando caracol.

E na sua graciosa beleza
de mãos dadas a ela
mergulho na incerteza.


Bené Chaves



sábado, maio 19, 2007

VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM (6)


De Cândido das Neves:


Noite alta, céu risonho
A quietude é quase um sonho
O luar cai sobre a mata
Qual uma chuva de prata
De raríssimo esplendor...

*

Lua!
Manda a tua luz, prateada,
Despertar a minha amada
Quero matar os meus desejos
Sufocá-la com meus beijos.

*
Canto,
E a mulher que eu amo tanto,
Nem me escuta, está dormindo...
Canto, e por fim...
Nem a lua tem pena de mim
Pois ao ver que quem te chama sou eu
Entre a neblina se escondeu...


Obs: Alguns versos da música 'Noite cheia de estrelas' (1932), do cantor, compositor e violonista Cândido das Neves e gravada originalmente por Vicente Celestino no mesmo ano. Cândido era filho do célebre trovador e palhaço Eduardo das Neves, conhecido por Nego Dudu, um dos primeiros artistas a registrar discos no Brasil. Nasceu no Rio de Janeiro em 24 de julho de 1899 e morreu também na mesma cidade em 4 de novembro de 1934.


De Armando Vieira Marçal e Alcebíades Barcelos:


Você partiu
Saudades me deixou, eu chorei
O nosso amor foi uma chama
Que o sopro do passado desfaz
Agora é cinza
Tudo acabado e nada mais.

*

Você partiu de madrugada
E não me disse nada
Isso não se faz
Me deixou cheio de saudade
E de paixão
Não me conformo
Com a sua ingratidão.

Obs: Alguns versos de 'Agora é cinza', música lançada nos ensaios da Escola de Samba Recreio de Ramos para o carnaval de 1933, com o título de 'Tu partiste' e depois modificada para o nome atual.
Marçal nasceu no Rio de Janeiro no dia 14 de outubro de 1902 e morreu em 20 de junho de 1947, enquanto o Alcebíades (Bide) nasceu em Niterói em 25 de julho de 1902. Morreu quase cego e paralítico em 18 de março de 1975 no Rio de Janeiro. No mesmo ano em que a música foi eleita por um júri como 'o melhor samba de todos os tempos'.

ESPAÇO LIVRE


O poema abaixo foi publicado aqui em outubro de 2004 e faz parte do livro 'Cinzas ao amanhecer'(Sebo Vermelho, 2003). Trago-o novamente para as pessoas que não tiveram oportunidade de vê-lo. E que tenham uma boa leitura

DIVERSIDADE


Ah, as mulheres!...
Meu patrimônio
morenas
loiras
brancas
negras.
Meu matrimônio
virgem carente
moça potente
outra insolente
mulher presente.


São acasos e ocasos da mente?


Bené Chaves



sábado, maio 12, 2007


O texto abaixo foi publicado aqui no dia 09 de agosto de 2004. Resolvi colocá-lo novamente para as amigas e os amigos que não leram na ocasião. Mas, o poema é inédito. Tenham uma boa leitura.

O CASAMENTO


Meu pai foi, então, morar em Gupiara. Depois daquele chamego com minha mãe, a barriga dela começou a crescer. E o falatório também. Para evitar maiores constrangimentos, apressaram o casório. Somente assim os fuxicos parariam, embora o ventre dela não pudesse fazer o mesmo. Teria, portanto, de esperar nove ingratos e enjoados meses.
E lá foi ele providenciar tudo na única igrejinha de Gupiara. O padre da mesma avexado na conclusão dos trabalhos. A barriguinha dela, ixe!, roncando e resmungando. Logo logo arrumaram os trapos e foram morar juntos.
Enquanto a noite clareou aquele largo alpendre, os grilos entoavam zumbidos desconcertantes. No ar o silêncio de todos nós. As árvores balançavam com o vento forte e cresciam mais barulhos nas matas. Passarinhos juntavam-se em galhos murchos começando cantos agradáveis. A imensidão do descampado, naquela área suburbana, não deixava margens. Tudo ali era e não era, no semi-árido grande e ressequido.
Diziam ser meu pai um sujeito inteligente, sabido, conhecedor da vida e das coisas inerentes a ela. E tocava um violão de fazer inveja.
Quando a lua voltou a crescer, ele improvisou pequenos versos no aconchego daquele espaçoso alpendre, soltando sua voz vigorosa:

Só não vou na sua casa
Porque tem muita ladeira
Os cachorros latem muito
Sua mãe é cavaleira.

Falava que tal 'quadrinha' era pros rapazes com medo da possível futura sogra. Caía, então, na gargalhada. E com o estômago redondinho de depois da janta saborosa da recém-esposa, continuou suas modas envaidecido que só:

Rapaz solteiro
Namorou mulher casada
Tá com a vida atrapalhada
Na ponta do meu punhal

Parava depois, emitia três ou mais sons e corria livremente o estribilho:
Ô mulher sai do sereno
Ô mulher sai do sereno
Qu'este sereno faz mal.

Minha mãe começou a alisar o cabelo dele e ele sentiu um friozinho de arrepio pra banda do cangote. Largou de imediato o instrumento musical, pegou-a pelos braços e danou-se certamente para o quarto. Aí nem me perguntem, pois não sei mais o que aconteceu. Deve ter acontecido sim...

ESPAÇO LIVRE

ETAPAS


Nos meus olhos de infância
eu brincava contigo.

Nos teus olhos de adolescência
tu brincavas comigo.

Nos nossos olhos da razão
já não brincávamos.

E ante a adversidade do tempo
éramos dois seres a contemplar
o ocaso e o acaso da existência.

Bené Chaves



sábado, maio 05, 2007

VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM (5)


De Ary Barroso e Lamartine Babo:

No rancho fundo
De olhar triste e profundo
Um moreno canta as mágoas
Tendo os olhos rasos d'àgua.

*

Os arvoredos
Já não contam mais segredos
E a última palmeira
Já morreu na cordilheira.

*

Os passarinhos internaram-se nos ninhos
De tão triste essa tristeza
Enche de trevas a natureza.

*

Se uma flor desabrocha
E o sol queima
A montanha vai gelando
Lembrando o cheiro da morena.

Obs: Alguns versos da música 'No rancho fundo', de 1931, composta inicialmente com o nome de 'Na grota funda' e letra de J. Carlos para a peça 'É do balacobaco'. Na apresentação da mesma, Lamartine Babo ficou tão impressionado com a música que resolveu mudar os versos e deu o definitivo nome. Surgia, então, a parceria entre os dois compositores.
Ary Barroso era mineiro e nasceu em 07/11/1903 em Ubá, enquanto o seu mais novo companheiro nascera no Rio de Janeiro no dia 10/01/1904. Ambos faleceram na cidade maravilhosa.
Divergiam, contudo, no futebol, aonde o Lamartine Babo chegou a compor diversas músicas para os clubes cariocas. Enquanto o Ary era flamenguista doente, o Lamartine simpatizava com as cores do América.


De Noel Rosa e João de Barro (Braguinha):

A estrela Dalva
No céu desponta...
E a lua anda tonta...
Com tamanho esplendor
E as pastorinhas
Pra consolo da Lua
Vão cantando na rua
Lindos versos de amor.

*
... Tu não tem pena
de mim que vivo tanto com o seu olhar
... Meu coração não se cansa
de sempre sempre te amar.


Obs: Alguns versos da música 'As Pastorinhas', quando em uma mesa de café, no final de 1934, o então jovem Braguinha propôs ao Noel Rosa: 'Noel, vamos fazer uma música com aquele ritmo das pastorinhas que desfilam em Vila Isabel na noite de Santos Reis?'. Pediram lápis, papel e cafezinho. E em pouco mais de meia hora elaboraram 'Linda Pequena' com participação de ambos na letra e também na melodia. Depois de algumas mudanças ficou o nome de 'As Pastorinhas', que foi gravada por Sílvio Caldas no final de 1937.
É até hoje um grande sucesso de carnaval e público, bote aí mais de 70 anos nas costas.


ESPAÇO LIVRE


VERSINHOS DE AMOR

Queria amá-la
mas não posso.
Por quê?

Queria abraçá-la
porém não te vejo.
Por quê?

Queria beijá-la
mas estás ausente.
Por quê?

Queria seduzi-la
porém não sei como.
Por quê?

E, sobretudo, queria
muito possuí-la.
Por quê?

Porque aprendi a
gostar de você.

Bené Chaves