perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, maio 19, 2007

VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM (6)


De Cândido das Neves:


Noite alta, céu risonho
A quietude é quase um sonho
O luar cai sobre a mata
Qual uma chuva de prata
De raríssimo esplendor...

*

Lua!
Manda a tua luz, prateada,
Despertar a minha amada
Quero matar os meus desejos
Sufocá-la com meus beijos.

*
Canto,
E a mulher que eu amo tanto,
Nem me escuta, está dormindo...
Canto, e por fim...
Nem a lua tem pena de mim
Pois ao ver que quem te chama sou eu
Entre a neblina se escondeu...


Obs: Alguns versos da música 'Noite cheia de estrelas' (1932), do cantor, compositor e violonista Cândido das Neves e gravada originalmente por Vicente Celestino no mesmo ano. Cândido era filho do célebre trovador e palhaço Eduardo das Neves, conhecido por Nego Dudu, um dos primeiros artistas a registrar discos no Brasil. Nasceu no Rio de Janeiro em 24 de julho de 1899 e morreu também na mesma cidade em 4 de novembro de 1934.


De Armando Vieira Marçal e Alcebíades Barcelos:


Você partiu
Saudades me deixou, eu chorei
O nosso amor foi uma chama
Que o sopro do passado desfaz
Agora é cinza
Tudo acabado e nada mais.

*

Você partiu de madrugada
E não me disse nada
Isso não se faz
Me deixou cheio de saudade
E de paixão
Não me conformo
Com a sua ingratidão.

Obs: Alguns versos de 'Agora é cinza', música lançada nos ensaios da Escola de Samba Recreio de Ramos para o carnaval de 1933, com o título de 'Tu partiste' e depois modificada para o nome atual.
Marçal nasceu no Rio de Janeiro no dia 14 de outubro de 1902 e morreu em 20 de junho de 1947, enquanto o Alcebíades (Bide) nasceu em Niterói em 25 de julho de 1902. Morreu quase cego e paralítico em 18 de março de 1975 no Rio de Janeiro. No mesmo ano em que a música foi eleita por um júri como 'o melhor samba de todos os tempos'.

ESPAÇO LIVRE


O poema abaixo foi publicado aqui em outubro de 2004 e faz parte do livro 'Cinzas ao amanhecer'(Sebo Vermelho, 2003). Trago-o novamente para as pessoas que não tiveram oportunidade de vê-lo. E que tenham uma boa leitura

DIVERSIDADE


Ah, as mulheres!...
Meu patrimônio
morenas
loiras
brancas
negras.
Meu matrimônio
virgem carente
moça potente
outra insolente
mulher presente.


São acasos e ocasos da mente?


Bené Chaves

por benechaves às 09:12