perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



quarta-feira, julho 20, 2005

TRÊS MOMENTOS CINEMATOGRÁFICOS


Tive de ir depois ao colégio e meter a cara nos estudos, providenciando também o jornal-mural para que expuséssemos na parede externa da classe. Logo todos estavam curiosos pelo mesmo, menos no que dizia respeito em ler as notícias em si e mais pelo exagerado desejo de tudo ver e saber. Algumas pessoas imprudentes que apenas se limitavam em observar, inoperância que já se tornava comum em nosso meio e que com a continuidade do civilizável (ou não), tenderia a diminuir ou crescer. Mas, estavam lá as matérias na exposição, eram comentários feitos sobre como descobrir um meio de melhorar as coisas. E conseqüentemente ajeitar as mentes tortas e indiferentes, sobretudo ingerência nos desmandos de uma sociedade que se prenunciava e se pautava contrária à razão.

Então, diante também de tudo isso, ficava esperando que a semana logo terminasse, pois teríamos a sessão de cinema no sábado. Estava programado um filme que os admiradores da sétima arte (e eu como um deles, evidente que sim) contavam ter sido elogiado pelos críticos de um modo geral. Em Qualquer parte da Europa, produção de 1947 e dirigido pelo húngaro Geza Radvany, mostrava também o desespero principalmente de crianças em uma cidade destruída pela guerra, meninos (as) famintos a procura de um lar. A crítica, que se dizia especializada e na época era nossa fada-madrinha, falava de dois momentos que sobressaíam e elevavam a fita ao topo: a cena do fuzilamento e a morte do menino-herói, o que era líder do grupo.

Logo que observei o filme, pude avaliar que se tratava de um relato pungente acerca dos maus passos dados àqueles sem chances de defesa. Era um chamamento aos princípios que regem os interesses de uma comunidade, narrado sem firulas e num fabulário digno de seu autor, desde já capacitado para assuntos desta natureza. Infelizmente tive apenas uma visão adolescente do problema, porém, a partir de então, galgando patamares para uma maturidade que iria se avizinhando. E, claro, a fita húngara deve também ter despertado algumas sensibilidades presentes no auditório daquele ainda pequeno colégio de Gupiara. Daí, talvez, partíssemos, alguns de nós, para uma inquieta conquista no campo social, nós que ainda sonhávamos com um mundo perfeito e utópico.

Não existia regularidade na programação que fazíamos, acho que devido aos obstáculos de se conseguir bons filmes. E, trinta dias após, vimos um tema parecido e que falava da solidão e da miséria humanas. Era a história da dificuldade de sobrevivência de velhos e pobres, enfocando, sobretudo, a desesperada existência de um aposentado que não tinha o mínimo auxílio, sujeitando-se, inclusive, a pedir esmola. Uma mão estirada à necessidade e ao mesmo tempo encolhida à vergonha.
E enquanto Em Qualquer parte da Europa denunciava a infância abandonada, contrastando com Umberto D de Vittorio De Sica, que revelava a velhice na mesma angústia, fita sob a bagagem do neo-realismo italiano, produção de 1951, víamos, antes de tudo, entre o novo e o velho, um apelo à solidariedade e uma pintura lúcida de uma realidade ainda em voga. Poderíamos também dizer que os dois filmes seriam uma poesia aos nossos olhos de mocidade.

Uma semana depois nossa agremiação exibia Dois fantasmas vivos, com o gordo (Oliver Hardy) e o magro (Stan Lauren). Seria uma pausa nos temas fortes mostrados anteriormente. E um riso sempre aberto às adversidades de um sistema mordaz e voraz que começava a palpitar em nossas ainda iniciantes existências.

ESPAÇO LIVRE

Amigas e amigos

Vou ter de me ausentar uns vinte dias, aproximadamente, para tratar de assuntos particulares. Fico triste porque no dia 01 de agosto este o apanhador de sonhos fará um ano de existência e não estarei no ar para possíveis e eventuais comemorações. Mas, espero logo voltar ao convívio das amigas e amigos que sempre vêm aqui para comentar o que escrevo. Agradeço a todos que assim o fazem.
Portanto, até um breve dia...

Bené Chaves



quinta-feira, julho 14, 2005

VIGÉSIMOS NONOS ALUMBRAMENTOS

Então, naquele sonho, surgiam misturas de vários objetos, tipo algo sem caracteres e muito sombrio, um repenicar de passos e repassos tilintando meus ouvidos. E tudo em seguida despontava e apontava em monumentos certamente alterados. Via aparecer depois alguns símbolos desconexos, num verdadeiro ziguezague de insinuações dentro de minha cabeça. Enfim, tudo aquilo se desenvolvia como se fosse uma grande tela expondo uma pintura inusitada e além de nossos limites. Um quadro pictórico de feições abstratas e indefinidas, a obra imprevisível. Talvez já estivesse dormindo, não sei ao certo, contudo deixei-me levar ao desejado objetivo.

E, não mais que de imediato, surgiu uma linda visão naquele momento. Em segundos afigurou-se que o quadro iria desmoronar diante da moldura exposta, como se alguém tivesse chegado impetuosamente e concluído uma revolução no cubículo, ilustrando no quadrilátero uma paisagem e permanência até então inexistentes. Era ela, tinha certeza que a minha outrora Gracita estava ali presente, visto a transformação radical imposta na estrutura do dormitório. Abri, então, os olhos e avistei-a debruçada, melindrosa, tentando qualquer sinal de sua presença junto à cama. Mas a imagem era de uma moça já feita, um formato de mulherona. Claro, seria a Gracita que previra antes, a Gracita-mulher, Gracita-voluptuosidade, Gracita-futuro. A menininha de seus treze ou quatorze aninhos transformara-se em uma sensual e bela mulher. Estava esboçando algo para que eu a seduzisse e começou a tirar peça por peça de sua transparente camisola. Lógico, fiquei sem ação diante de tanta beleza. Fui ao seu encontro, arrastei-a quase selvagemente para cima de minha cama.

No sonho, tudo se tornou realidade, minha fantasia tinha transposto anos além e pude concretizá-la. Na realidade, tudo se tornou sonho, minha magia não saiu do lugar e, portanto, nada foi materializado. Seria inútil a descrição do amor que tivera àquela noite, pois poderia talvez me tornar repetitivo e não descrevê-lo na sua intensidade. Além do mais, tratava-se do ilusório, fictício, algo pra lá do realizável. E que de gostinho mesmo somente as filigranas do despertar, um amanhecer com sabor de azedume, pois vi-me sozinho agarrado ao travesseiro e com o pijama molhado de um cheiro que não soube farejar. Apenas gritei: puta-que-pariu!... E novamente enfiei a cabeça no lençol procurando recuperar o desejo perdido.

Acordei horas depois, levantei-me, pus os chinelos e fui ao banheiro com uma mancha meio amarelada entre as pernas. Lavei-me com impaciência, fazia o usual, concedido e cometido por todos. Tinha sido uma noite e tanto, embora me encontrasse frustrado pelo que acontecera ou não. Mas, de resto, ficou a bela imagem de Gracita indo ao meu encontro, uma imagem sonhada e com certeza sempre lembrada. Seria a marca de outra ilusão, talvez esta com um sofrido sentimento: o de que nada daquilo teria acontecido de verdade, uma verdade mesclada de resquícios e feitios ilusórios. E com uma enorme exaustão!

ESPAÇO LIVRE


AMANHECER


Naquela noite fria
de tênue chuva
ruas desaparecem
estrelas se recolhem
teu rosto pálido anoitece.

Na madrugada gélida
aves esvoaçam dançando
ao som do forte vento
transeuntes dormem à esmo
um futuro ambíguo aparece.

Ah!, naquela noite...
de intensas paisagens
desesperado fugi do mundo.

Bené Chaves



sábado, julho 09, 2005

Compartilho hoje com vocês do conto Três Bocas, que faz parte do meu livro Castelos de Areiamar, lançado em 1984. E em razão disso, não teremos o Espaço Livre, que certamente voltará na próxima postagem.


TRÊS BOCAS


A MULHER:

Foi isso seu doutor, desse jeito mesmo que ele xingou e bateu a porta no meu rosto, quase caía escada abaixo. Então, tive de procurar outra saída pro coitado, agora encostado feito ferro velho, sucata, todo nome ruim. Depois, a cabeça dele virou por completo... Vá o senhor e veja com os próprios olhos a cena no pequeno vão do casebre. A poça de sangue e o menino dormindo nela como lençol envolvendo seu corpo magro.
- Uma no copo, pode encher...
Eu sozinha tendo de enfrentar a situação, se meu filho não estivesse doente... Reagir aos insultos? Não suporto coisalguma doutor, meus nervos tão uma pilha. Saí de casa as quatro da manhã, escuro, o galo cantando. Estamos em jejum, não comemos nada. Ele ficou caído no chão, esborrachado. Os meninos? Deitados no piso de areia... É de areia doutor, de uma que consegui na praia, um trabalhão da molesta, ufa! Pois é a nossa cama, a cachaça fez o monstro vender tudo, ficamos numa situação de penúria. Estou atrapalhada, nem sei mais o que digo, se o patife ficou em casa ou enfiado naquela bodega desgraçada. Uma confusão na minha mente, uma confusão dos diabos. Como estará meu filho, será que ele se salva doutor? Às vezes fico pensando que não tem jeito, o pobre naquela miséria estirado no chão feito cão sem dono. Pra uma mulher fraca como eu é demais, acho que desfaleço, não suporto. O que o senhor acha, fale doutor, tou escutando.

O MÉDICO:

O certo é que a senhora perdeu muito tempo nesse blá-blá-blá, mas, de qualquer maneira, tome este remédio e vá correndo ver seu filho, não espere um minuto, ouviu?
"Essa mulher parece meio maluca, nunca vi desespero igual". Minha senhora corra e cuidado, volte aqui amanhã. "Sozinho enfrentando milhares, darei conta?" Uns vão ter de voltar depois, não sei quando...
- Que mandem entrar o próximo!

O CURIOSO:

A gente tem de enxergar adiante também. Madalena mora com seu Queiroga num casebre, passam necessidade, possuem pouca coisa, como vocês sabem, gente pobre. Um triste dia...
- Tire esse menino daqui mulher, tá sangrando, sujando tudo - disse.
- O que foi, o que foi? - assustou-se.
E estava o coitado morrendo pela boca. Um soco que levou, dormiu e quando acordou... O menino tossindo, que diabo!
Mulher desavergonhada!, gritou, não vai trabalhar hoje? E o remédio? Cale a boca, vagabundo, vá curtir sua cana no inferno.
Deixou o homem embriagado e saiu no bairro afora, atrás do necessitado, um mínimo possível. Andou, andou e parou num posto de assistência, por volta das cinco da manhã. Resolveu enfrentar: - O doutor taí?
- Fique nesta fila, responderam.
Concordou e olhou umas quinze pessoas na frente, não dava pra encontrar o filho com vida, pensou. O jeito é esperar. Quis chorar, porém levantou a vista e olhou firme. Quanta gente, quanto desperdício!, exclamou-se a si própria.
As caras assombraram a pobre mulher e ela baixou a cabeça. Lembrou-se do filho e viu umas poças de lama no chão. Acordou sobressaltada.
- Aquilo é sangue! ? disse para a cara do menino.
Todos riram e se animaram um pouco, esperando uma eternidade. Ela tirou do vestido alguns papéis surrados e começou a cuspir, desenhar com a língua objetos de fábulas. Pregou a folha na parede e ficou a contemplar sua imaginação. As linhas eram vermelhas, fios de saliva saíam da boca. O tempo passando e a mulher desesperada, desse jeito não tem cristão que agüente. Tinha receio, não falava, esperando a vez que não vinha. Dez pessoas... Falta muito, o medo era o piolhento do marido não esperar, acabar com ela. Ignorante!
Sou testemunha de que ela gemia, gemia, o monstro bêbado, aos gritos, enfurecido. Impressionada, sozinha, essa hora os outros filhos brincavam na rua, soltos na buraqueira, na vivência de pobre entre maus tratos e desnutrição. Isso era lá vida de gente!
Nada da fila andar, estava padecida, chateada, o resto do dia esperando, impaciente. O sem-vergonha embriagado o dia inteiro, ralhando com os infelizes. Sujeitinho besta, duma figa, porcalhão, gritou ela um dia.
Ficou uma fera, pegou a jarra e meteu-lhe na cabeça. O talho na frente e cacos pra todo lado. O rapazinho acudiu e levou um soco nas costas, em cima de um pulmão. Pra não se meter, seu fedelho!
Desde este momento não pôde mais se levantar, ficou botando sangue às golfadas...
- Peste ruim, quero que você morra! Bater numa criança... E depois o safado ainda foi pra bodega.
Os da fila cochicharam, pensaram que dona Madalena estivesse louca, falando asneira sozinha. Transmudou-se, decifrou insultos. Estava em pandarecos, ia desmaiar. Desse jeito poderiam saber o que ela estava sentindo, uma cena ensaiada sem preparos.
Então o homem chegou bêbado e molhou os pés ao entrar, caiu esparramado, de cara enfiada na suja areia. O garoto sem forças, os braços moles, os outros admirados e sem ação.
A mulher foi colocada no consultório e fez seu relato. E foi isso mesmo o que sucedeu, pois a coitada de dona Madalena não chegou em tempo.
- Meu filho estirado no chão!, disse, pasmada, olhando para o menino já morto.
Passou por cima do marido dormindo e abraçou o filho como um último instante daquela vida miserável.
Bené Chaves



segunda-feira, julho 04, 2005

VIGÉSIMOS OITAVOS ALUMBRAMENTOS


Mas, bons anos mesmo foram aqueles de Alba, Mirtô, meu primo e também da querida Gracita. E por que não dizer da gostosa Rosilda? Passados e repassados seus esplendores. E como o tempo faz esquecer tudo, ficaram somente as sombras de uma ilusão. Lembro, claro, do primeiro contato que tive com o sexo feminino, eu ali, com apenas quatorze anos, um garoto que ainda usava calças curtas e brincava na rua e cercanias de Gupiara. Se a memória não me falha acho que foi com Alba, quando já contei aqui ela entrando no quarto e então a vi nua numa primeira ocasião. Foi um deslumbramento que jamais esquecerei, aquela convivência carnal e inexperiente na juventude que surgia com toda impetuosidade. Uma sensação de maravilhamento quase indescritível... A minha afoiteza e apalpar de mãos, rostos e outras partes proibitivas do corpo. Você tem a impressão de que tudo vai desmoronar, tal sua avidez desenfreada e sofrida, o suor frio escorrendo-lhe no rosto amarelo e uma taquicardia a denunciar um tremelique tortuoso e irrequieto no seu corpo.

Estamos aí no chamado início do desejo e ao mesmo tempo entorpecimento, enfim uma vontade louca de transgredir. Um abespinhamento e comichão intrinsicamente voltados para as partes mais sensíveis, posto que, então, dar-se-á aquela batida mais forte no coração. E quando você retorna de uma aventura dessa sente novo impulso de descarregar mais energia dentro do ralo do banheiro, agora totalmente aliviado e com o pensamento ainda para seu primeiro contato, ou seja, aqui, no caso, a minha parceira de relacionamento. São sinais insondáveis de uma idade pubescente, irrompidos e orvalhados no âmago de um ser, que desabrocha e separa-se para a posteridade. Então, surgem, depois, a fase da adolescência e a adulta, quando talvez se dará, conforme o caso, uma promissora e independente sabedoria para tal fim. Ou de uma educação e raiz familiar razoáveis. É o início e indício de uma vivência ou sobrevivência. Subverter a subvivência?

Porém, depois de tudo acontecido ou a acontecer, cortando e voltando a contar uma de minhas fases de devaneio e já discorrida anteriormente, quando uma das paixões bateu forte e deliciosa (lembram-se?), tive um sonho ousado, perturbável. Uma noite de amor com Gracita (a que foi alvo de gracejos e emaranhados mexericos), não me lembro bem se antes ou depois do término de nosso namoro. E que previra que a mesma seria uma futura mocetona, cantada antes em prosa e verso. Pena que tudo não passou de uma fantasia, mas uma gostosa fantasia. De qualquer maneira, uma outra ilusão na minha vida. Detalho, portanto, a citada ocorrência, transcrita com isenção:

Fui para o quarto e deitei-me, lógico, para dormir. Porém, como acontecia quase diariamente comigo e também, acredito, com boa parcela dos que iam para a cama, fiquei de olhos fechados e pondo em ordem situações que depois apareciam na minha mente. Contudo, as imagens seguidas e vistas talvez deixassem dúvidas. E eu observava daí estranhos comportamentos e desfigurações que me levavam a um quase delírio, sobrecarregado de esplêndidos efeitos sonoros. Se tal sonho tivesse acontecido recentemente diria que me pareceu ouvir, embora bem longe, a harmonia de Nino Rota no magnífico final de Oito e Meio, de Federico Fellini, misturada com a musicalidade de Henri Mancini no também magnífico início do filme A Marca da Maldade, de Orson Welles.

Não sei se era imaginação ou pesadelo, mas continuei a sonhar...

ESPAÇO LIVRE

DUBIEDADE


Tua jovem
loirena
aparecença
inibe minha feliz
adulta presença.

E como triste
conseqüência
vejo-a ainda
afastar-se
amavelmente.

Será agridoce
o fim?


Bené Chaves