perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, maio 12, 2007


O texto abaixo foi publicado aqui no dia 09 de agosto de 2004. Resolvi colocá-lo novamente para as amigas e os amigos que não leram na ocasião. Mas, o poema é inédito. Tenham uma boa leitura.

O CASAMENTO


Meu pai foi, então, morar em Gupiara. Depois daquele chamego com minha mãe, a barriga dela começou a crescer. E o falatório também. Para evitar maiores constrangimentos, apressaram o casório. Somente assim os fuxicos parariam, embora o ventre dela não pudesse fazer o mesmo. Teria, portanto, de esperar nove ingratos e enjoados meses.
E lá foi ele providenciar tudo na única igrejinha de Gupiara. O padre da mesma avexado na conclusão dos trabalhos. A barriguinha dela, ixe!, roncando e resmungando. Logo logo arrumaram os trapos e foram morar juntos.
Enquanto a noite clareou aquele largo alpendre, os grilos entoavam zumbidos desconcertantes. No ar o silêncio de todos nós. As árvores balançavam com o vento forte e cresciam mais barulhos nas matas. Passarinhos juntavam-se em galhos murchos começando cantos agradáveis. A imensidão do descampado, naquela área suburbana, não deixava margens. Tudo ali era e não era, no semi-árido grande e ressequido.
Diziam ser meu pai um sujeito inteligente, sabido, conhecedor da vida e das coisas inerentes a ela. E tocava um violão de fazer inveja.
Quando a lua voltou a crescer, ele improvisou pequenos versos no aconchego daquele espaçoso alpendre, soltando sua voz vigorosa:

Só não vou na sua casa
Porque tem muita ladeira
Os cachorros latem muito
Sua mãe é cavaleira.

Falava que tal 'quadrinha' era pros rapazes com medo da possível futura sogra. Caía, então, na gargalhada. E com o estômago redondinho de depois da janta saborosa da recém-esposa, continuou suas modas envaidecido que só:

Rapaz solteiro
Namorou mulher casada
Tá com a vida atrapalhada
Na ponta do meu punhal

Parava depois, emitia três ou mais sons e corria livremente o estribilho:
Ô mulher sai do sereno
Ô mulher sai do sereno
Qu'este sereno faz mal.

Minha mãe começou a alisar o cabelo dele e ele sentiu um friozinho de arrepio pra banda do cangote. Largou de imediato o instrumento musical, pegou-a pelos braços e danou-se certamente para o quarto. Aí nem me perguntem, pois não sei mais o que aconteceu. Deve ter acontecido sim...

ESPAÇO LIVRE

ETAPAS


Nos meus olhos de infância
eu brincava contigo.

Nos teus olhos de adolescência
tu brincavas comigo.

Nos nossos olhos da razão
já não brincávamos.

E ante a adversidade do tempo
éramos dois seres a contemplar
o ocaso e o acaso da existência.

Bené Chaves

por benechaves às 09:06