perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, julho 21, 2007





VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM (10)


De Noel Rosa e Heitor dos Prazeres:

Um pierrô apaixonado
Que vivia só cantando
Por causa de uma colombina
Acabou chorando, acabou chorando...

*

A colombina entrou num botequim
Bebeu, bebeu, saiu assim, assim...
Dizendo: pierrô cacete
Vai tomar sorvete com o arlequim.

*

Um grande amor tem sempre um triste fim
Com o pierrô aconteceu assim
Levando esse grande chute
Foi tomar vermute com amendoim.

Obs: Alguns versos de 'Pierrot Apaixonado'(1935), marcha que fez muito sucesso nos carnavais de 1936 e subseqüentes. A música foi gravada pela dupla Joel e Gaúcho, com o Heitor fazendo o estribilho e o Noel a segunda parte. Heitor nasceu no Rio de Janeiro em 23 de setembro de 1898, dedicando-se, desde mocinho, a tocar clarineta e instrumentos de percussão na Banda da Polícia Militar da cidade de origem. Depois também iniciou-se na pintura. Faleceu em 04 de outubro de 1966.


De Noel Rosa:

Quando o apito da fábrica de tecidos
Vem ferir os meus ouvidos
Eu me lembro de você
Mas você anda
Sem dúvida bem zangada
E está interessada
Em fingir que não me vê...

*

Nos meus olhos você lê
Que eu sofro cruelmente
Com ciúmes do gerente
Impertinente
Que dá ordens a você...

Obs: Alguns versos da música 'Três Apitos'(1933), onde o autor inspirou-se em uma namorada que trabalhava numa fábrica de botões em Andaraí, bairro do Rio de Janeiro. E tal composição causou uma confusão danada com outra fábrica que havia perto da casa do Noel. E ficaram sem saber quem seria a musa da música. Talvez por este motivo o compositor não gravou a mesma na época. Só viria a ser gravada em 1951, anos depois de sua morte, por Araci de Almeida, que reviveu Noel Rosa naquele início dos anos 50. O grande compositor de Vila Isabel nasceu em 11 de dezembro de 1910 e faleceu em 04 de maio de 1936.

ESPAÇO LIVRE

APETITE


Sacio-te com piedade
o amor transbordando
numa ânsia orgástica
a jorrar desejos ocultos.

Uma paixão que se deduz
de um estágio em sofrimento.

E o instinto a palpitar uma
breve e infinita ambição.

A de tê-la no meu corpo
em redemoinhos na alma.


Bené Chaves

por benechaves às 09:56