perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



quarta-feira, dezembro 01, 2004

Mais uma vez o escritor Francisco Sobreira (Natal) comparece com uma de suas crônicas. Compartilho com vocês o texto do amigo:


SOBRE UMA FRASE DE PETER BOGDANOVICH


Francisco Sobreira


Crítico de cinema, Peter Bogdanovich resolveu seguir o exemplo de vários de seus colegas e ingressou na direção. Isso se deu em 1968, com o filme Targets, que, no Brasil, recebeu o título de Na mira da morte. E estreou bem, ao narrar a história de um jovem que mata a esposa e os próprios pais e, em seguida, ascende ao topo de um prédio do campus (se a memória não estiver me traindo) e de lá fica atirando nas pessoas que passam. Paralela a esta história segue a de um diretor de cinema que pretende fazer um filme de terror, cujo protagonista fora no passado um dos expoentes do gênero, há muitos anos afastado do cinema. Esse ator é Boris Karloff, que interpreta a si mesmo, mas com um nome fictício. É uma comovente homenagem que Bogdanovich presta ao ator, na época relegado a um completo esquecimento, fazendo-o voltar à tela naquele que acabou sendo o seu último trabalho no cinema.

Pois a uma certa altura do filme, numa conversa entre o diretor e o ator, o primeiro (o próprio Bogdanovich) diz a seguinte frase: Todos os grandes filmes já foram feitos. Assim mesmo: Todos os grandes filmes já foram feitos. A frase, desde que vi o filme pela primeira vez, soou-me como uma opinião descabida, leviana e impertinente, pois decretava a morte do grande cinema feito pelos seus maiores mestres, numa época em que o cinema vivia uma fase de grande criatividade, notadamente na França e na Itália, onde trabalhava a maior parte dos maiores diretores; mas até no cinema americano ainda se faziam grandes filmes (não, é claro, na mesma quantidade daqueles dois países), pois não se deve esquecer que o 2001 ? Uma odisséia espacial, de Kubrick, é de 1968. E nos anos seguintes, até aí por volta de 1980, a realização de obras importantes só fez desmentir a opinião do personagem do filme de Bogdanovich. E é de uma fina ironia o fato de o mesmo Bogdanovich ter sido um dos cineastas a contestar a própria frase, ao realizar, três anos depois, um grande filme, A última sessão de cinema, o maior de sua filmografia, feita muito mais de baixos do que de altos.

Ditas hoje, no entanto, aquelas palavras serão rigorosamente corretas. Todos os grandes filmes já foram feitos porque os grandes cineastas, aqueles que contribuíram para o cinema elevar-se à categoria de arte, já morreram, ou estão aposentados, ou quase os pouquíssimos ainda vivos. Há alguns talentosos entre os surgidos nas duas últimas décadas do século passado, mas que não estão no mesmo patamar. Não é uma opinião apenas minha, creio que os cinéfilos da minha geração, e das gerações anteriores, pelo menos em grande parte, pensam assim. Cito um exemplo: Gilberto Stabile, ex-companheiro meu, de Bené e de Moacy do Cine Clube Tirol de Natal. A cada ano, por ocasião da Mosta de Cinema lá de São Paulo, ele sai de casa cheio de esperança de ver um filme, se não com uma proposta inovadora, pelo menos que apresente algo original, e todo ano, volta para casa desalentado.Há alguns filmes bons, mas nenhum que o deixe ciente de que assistiu a uma obra-prima.

E o que fazer? Ora, existe o DVD. Com este resta o consolo de rever aqueles momentos mágicos do cinema dos grandes mestres.



ESPAÇO LIVRE



ESPECTADOR

Para Francisco Sobreira


No escurinho do cinema eu vi
o vagabundo com o belo gesto de ternura
aquela imagem de uma beleza pura
a florista sorrindo e vendo o amanhã
o rosto da adolescente de olhar afetuoso
a razão vencendo a intolerância.
Vi o afeto superando o ódio
lucidez e discrição na face de todos
aquela bela loira/ ruiva me acenando
a morena instigante sempre palpitando.
Vi a gratidão e justiça como bens maiores
a mediocridade rejeitada / derrotada
também vi a mocidade estancada
a velhice longe e não amostrada
nossas vidas não deterioradas
o amor da mulher dada / amada.

Tudo isso eu vi, mas somente no
escurinho de uma sala de cinema.


Bené Chaves









por benechaves às 22:10