perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



domingo, dezembro 05, 2004

ITINERÁRIO ALFABÉTICO (1)


AFINAL, eu nasci. Demorei sim, mas surgi, talvez já tivesse incomodando Mainhô dentro de sua barriga. Se bem que depois, parece-me, os embaraços vêm em maiores inquietações. Cheguei sob influências simples. Nada do sonho extravagante de Painhô. Nada de sangue azul. Nem o florir de belas flores. Era sangue vermelho mesmo, igual a todo mundo. Nasci muito a contragosto, mas tive de nascer. Claro que eu preferiria ter ficado no ventre de Mainhô. Como não tive opção, o jeito foi ser retirado pela alegre parteira.
Achei que este mundo não serviria para mim, era um mundo de feridas. Feridas expostas e não cicatrizadas. Um mundo de falsidades e hipocrisias, falso-moralista. E também de incompreensões e decepções. Portanto, eis-me aqui para tentar enfrentar suas mazelas ou questionamentos ambíguos.

BEM que tinha dito: ainda moro numa fazenda, ou melhor, passo alguns dias naquele recanto agradável. O cheiro de vacaria me fazia sentir um cheiro de terra firme, molhada, terra de futuras colheitas. Mainhô é que sempre tapava o nariz quando subia no ar o odor de bosta mesmo, das vacas que sempre pastavam despejando entre as pernas o adubo de suas entranhas. E Painhô sempre metido que estava a tirar leite enquanto a pobre vaca dava uma mijada daquelas. Arre, arre! Tirava leite até altas horas da noite, quase não ia dormir. Vida boa aquela, ar puro, cristalino. Mundão aberto, cheiroso. Pena que a permanência durasse pouco tempo.

COMO entrei num colégio de padres não sei bem, mas o certo é que estudei semi-interno. Época boa, sem muitos interesses. O ruim era durar o tempo inteiro trancado. Tornei-me, então, uma pessoa susceptível e sensível. Quando o almoço era servido eu destampava o protetor e estavam lá as moscas servindo de tempero pro feijão. Enjoava aquilo tudo e ficava mais um dia de fome. No recreio não me divertia com a barriga roncando, fazia que jogava bola e fugia pra cima das mangueiras a chupar mangas espada e rosa. E depois voltava palitando os dentes com a língua.
À tarde, os deveres, os insuportáveis deveres. Enquanto a obrigação não saísse correta, eu ficava mofando ali na sala quente e olhando apenas paredes brancas e janelas sujas. Ufa!, como era chato aquilo. Dava vontade de abandonar e fugir para novos ares.

DEI pra falar logo pequenininho, talvez uma precocidade advinda de ancestralidades, sei lá. Já balbuciava algumas palavras incorretas, claro, mas com o sentido voltado para a sua significação. Acho que Painhô deve ter começado a dizer algo desde cedo, não duvido nada disso. Talvez até soletrado algumas cantorias e arquivadas no diminuto cérebro. As suas célebres emboladas já deviam há muito tempo estar em formação embrionária naquela pequena cachola. Nada se podia duvidar de Painhô. E era quase certo que herdara tudo, pois o que é de bom ou ruim vem sempre de nossas raízes.


ESPAÇO LIVRE



NASCER



Na aurora lembrada vi o frágil início
a menina pobre brincando no lixo
com um papel sujo fazendo rabisco
o menino com um inocente punhal
despertando assim futuro vendaval.
Vi o sol crescendo dentre os morros
a lua dormindo ingênua no universo
os madrugadores no vicioso progresso.
Vi o sublime mar revoltado na encosta
a cidade acordando presa ao tumulto
no primeiro e paradoxal último insulto.
Vi também lutas tolas e desprezíveis
o roubo, a droga e o mal dominando
tudo isso ao mero acaso chegando
e nossa vida, enfim, desmoronando.
Não vi a mulher bela, mas esquisita
pois não me acolheu na conquista.
Enfim, vi uma cidade feia surgindo
ante nossos olhos ainda dormindo.

No prólogo eu vi os amanheceres
no epílogo não vi os anoiteceres.


Bené Chaves

por benechaves às 18:47