perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



terça-feira, setembro 09, 2008

ALUMBRAMENTO ESPECIAL Sem saber se estava dormindo ou acordado, olhei, então, ao redor. Com intensa curiosidade descobri o que desejava. E num passo meigo, lento e mágico, Alba adentrou no quarto com suas delicadas mãos e veio até minha cama. Para surpresa, agachou-se um instante. Estava linda com aquela camisola transparente e aderente, numa simetria dos dois adjetivos que me deixou em aceleradas palpitações. Quase me deixei cair ali mesmo, estirei os braços e esperei-a avidamente, porquanto, neste ínterim, uma buliçosa bulimia atacou meu corpo por inteiro. Não pude, lógico, resistir. Gritei, uai!... ué!... hurra!... Não acreditava no que via. Ou acreditava no que não via.


E também, ao mesmo tempo, numa fusão de imagens, as pessoas de Gupiara pareciam jogar-se umas contra as outras, os olhares apavorados diante de acontecimentos irrefutáveis de desdém. Pensei que tudo aquilo seria uma vida descosida, uma existência de desprovimentos e desproteções das ocorrências esperadas. Ou inesperadas?
Porém, atento ao primeiro caso e para espanto meu, Alba levantou-se e começou a tirar a sensual peça, ou seja, a camisola diáfana. Vi, então, uma escultura à minha frente. Com apenas quatorze ou quinze aninhos. Era belo, digno mesmo de se apreciar o corpo nu de minha namorada. Não tinha muitas palavras para descrevê-lo, apenas e tão-somente para desejá-lo, afagá-lo. E foi o que fiz.

Puxei-o com delicadeza e ele deslizou suave para o colchão, o repentino e macio leito. Aquele corpo dali em diante seria meu, unicamente meu. Iniciei, portanto, minha doce e árdua tarefa de amá-lo, de penetrá-lo. Achava-me em delírios, êxtases, sei lá o que... Exalçado!

E tudo, enfim, terminou num ensandecido e simultâneo orgasmo. O ato, em si, foi um instante de puro prazer, como se nós dois estivéssemos a galgar uma extensão indefinida e interminável. Queríamos vivenciá-lo terno e eternamente. Ela gritou, gritava, se deliciou, deliciava, exultou, exultava, gozou, gozava... Aleluia!

Sei não, mas acho que depois daquele dia, ou melhor, noite, não era jamais o mesmo, sobretudo sabendo que (ou não?) vivera um invulgar e maravilhoso sonho. Tinha certeza disso, pois, de qualquer maneira, possuíra Alba com todas as minhas forças. Humanas ou sobrenaturais. Ou, então, apenas oníricas. Mas, o certo é que a possuíra. E, a partir daí, seria outro rapaz, numa mesclagem do verdadeiro versus o imaginário.
Pois é, aquela noite simplesmente não existiu. Apenas aconteceu e explodiu! De contentamento, afeto, de fantasia, alegoria. Explodiu numa realidade quimérica. Foi uma antevisão, um antegozo, uma explovisão. Ou teria sido uma mágica ilusão?

ESPAÇO LIVRE

ambigüidade

entre tuas macias coxas
eu afogo minhas lágrimas
afago teu sexo

pensando no amanhã

no anoitecer e amanhecer

de nossas e novas vidas.


Bené Chaves

por benechaves às 20:16