perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



terça-feira, julho 29, 2008

(Quadro de Pablo Picasso)



No dia 01 de agosto, sexta-feira próxima, este blogue estará completando 04 anos de existência. Quero deixar o registro e agradecer a todas as pessoas que o visitam, especialmente aos amigos e amigas que comentam uma ou outra postagem. O sucesso ou não do mesmo se deve a uma regular continuidade. E, acredito que sim, esta continuidade se deva a presença de todos vocês. Talvez muitos não tenham o devido tempo para visitas ou algo como uma timidez para anotar. De qualquer maneira fico muito grato aos que comparecem com suas gentis e carinhosas palavras. Já disse uma vez e volto a repetir: verei até onde e quando poderei ir. O andamento (mais uma vez) dirá se devo permanecer ou não. Já tive vontade de encerrá-lo desde o ano passado, mas a saudade foi maior e resolvi voltar no meio do caminho. Perdi muitos elos queridos, não sei a razão. Talvez uma razão própria da indefinição que é a vida. Ou de qualquer imprevisibilidade. Mas ela é assim mesmo, se resume em acasos, casos, ocasos e descasos.


QUARTOS ALUMBRAMENTOS

Desde o momento que conheci Alba, uma enorme euforia tomou conta de mim, o corpo tremia quando olhava aquele morenaço de olhos verdes a acariciar-me às vezes somente as mãos, outras vezes o meu imberbe rosto. E meditava sobre um possível e talvez sério relacionamento. O homem, de um modo geral, pensa e tenta se firmar como uma pessoa capaz de obstáculos talvez até inacreditáveis. A mulher, por sua vez, sensível e maternal quase sempre, muito embora, com raras exceções, um pouco (ou muito?) difícil de entender, procura conciliar supostas exacerbações e, então, assenta-se como uma companheira leal. Mas, em outras ocasiões, dá-se justamente o contrário. E a recíproca fica num vai-e-vem danoso, a chamada infindável e insondável intermitência de valores. Por isso mesmo, seria imprevisível qualquer união ou desunião de pensamentos.
Eu e Alba éramos ainda jovens, não tínhamos noção alguma de uma circunstância maior que pudesse se avizinhar. Portanto, a insistente pergunta: poderíamos enfrentar situações vexatórias e contraditórias contanto que permanecêssemos juntos um ao outro? Não sabia até onde iria o presente devaneio, mas o meu intento era tão somente viver aquela fantasia, fosse ela duradoura ou não. Coisa de menino besta e ansioso para arrebatar uma libido que florescia na viçosa idade. E acho que a recíproca também era verdadeira, embora castrada pelas normas repressoras do sexo feminino. Ou de uma sociedade falso-moralista.
A vida era assim mesmo... Que ninguém duvidasse dela, pois a própria entortava e retorcia do jeito que quisesse, se fazendo senhora de suas determinações e deteriorações. Ela antevia as destrezas e pústulas, contudo também as pusilanimidades de uma existência. Dizia-se que vivia em constante mistura consigo. E, claro, com os outros em geral. Era uma vida arrevesada, não sei, contudo, se também arrevessada. Diante, no entanto, de tantas indefinições, todos ficam indignados com a mesma, vendo-a passar aleatória ante circunstâncias e circunvizinhanças. Seria uma natureza determinante ou certa força energética, absoluta? Pois sim! Pois não! Sim! Não! Pois! Senão?
Eu não me incomodava com deliberações existentes e estabelecidas sejam lá por quem. Minha idade não permitia. Queria apenas levar adiante aquela paixão adolescente e efervescente. Que fosse pro diabo qualquer resolução em contrário! Seguia uma conceituosa e ambígua definição de Painhô: "o essencial da vida existia pra se comer (literalmente ou não) mesmo, não via necessidade de me necessitar".

ESPAÇO LIVRE

AURORA DA VIDA

Na madrugada madrugadinha
eu pensei em ti.
Nos nossos sonhos de outrora
e na jovialidade dos encantos.
Pensei na minha primeira noite.
Ou primeiro dia?
De como estavas excitante em
uma camisola palpitante.
Sonhei e me vi sorrindo no
patamar de uma glória.
Tu a pelejar e a cantar cânticos
de extrema felicidade.
Eu a embalar e cariciar vontade.
Era o êxtase de um momento que
dolorosamente esvazia...

Agora, na madrugada fria e triste
vivo de lembranças mornas e mortas.
De como o perverso tempo destrói
o fluir de uma imaginária flor.

E, então, no meu amor madrugadinho
os olhos desesperam recordações de breves
e findos caminhos/carinhos.

Bené Chaves

por benechaves às 20:06