perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



terça-feira, junho 10, 2008

VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM (31)

De Pedro Caetano:

É com esse que eu vou sambar até cair no chão
É com esse que eu vou desabafar na multidão
Se ninguém se animar
Eu vou quebrar meu tamborim
Mas se a turma gostar vai ser pra mim
Quero ver no ronca-ronca da cuíca
Gente pobre, gente rica, deputado e senador
Oi quebra, quebra que eu quero ver
Uma cabrocha boa
No piano da patroa batucando
É com esse que eu vou

Mas quebra, quebra que eu quero ver
Uma cabrocha boa, no piano da patroa... batucando
É com esse que eu vou



De Lupicínio Rodrigues:

Esses moços
Pobres moços
Ah, se soubessem o que eu sei
Não amavam, não passavam
Aquilo que eu já passei
Por meus olhos - por meus sonhos
Por meu sangue - tudo, enfim
É que eu peço - a esses moços
Que acreditem em mim
Que eles julgam que um lindo futuro
Só o amor nesta vida conduz
Saibam que deixam o céu por ser escuro
E vão ao inferno à procura de luz
Eu também tive nos meus belos dias
Essa mania e muito me custou
Pois só as mágoas que trago hoje em dia
Estas rugas que o amor me deixou


Obs: Versos das músicas 'É com esse que eu vou' e 'Esses moços, pobres moços', ambas de 1948.
Pedro Walde Caetano, compositor, nasceu em Bananal(SP) no dia 01 de fevereiro de 1911. Estudou piano desde cedo e aos 22 anos fez sua primeira composição, 'Foi uma pedra que rolou', lançada em 1934 pelo Sílvio Caldas. E seu primeiro sucesso foi a valsa 'Caprichos do Destino', gravada por Orlando Silva em 1938.
'É com esse que eu vou' saiu de uma viagem de trem que o compositor fez de Vitória para Belo Horizonte. Dizia ele: 'a viagem era longa e o trem moroso demais. Então, para matar o tempo, comecei a compor um samba, sem maiores pretensões. Imaginei um bloco querendo fazer uma música animada para pular no carnaval. Quando a viagem terminou o samba estava pronto'. Foi gravado pelo 'Quatro ases e um coringa' no mesmo ano. Caetano faleceu no Rio de Janeiro em 27 de julho de 1992.
Lupicínio Rodrigues era considerado o pai da 'dor de cotovelo' pela própria natureza de suas músicas. Nasceu na cidade de Porto Alegre(RS) em 19 de setembro de 1914. E conseguiu um feito raro: ser um dos poucos compositores, fora do eixo Rio/S.Paulo, a fazer sucesso. Entre seus trabalhos, estão: 'Brasa'(45), interpretado por Orlando Silva e 'Nervos de aço'(47), cantado pelo Francisco Alves.
Lupicínio teve como primeiro amor uma mulher conhecida por Inah, mas o romance seria interrompido porque ela não aceitava a vida de boêmio do compositor. Desde então, tal fato marcou profundamente a sua obra e a mesma deve ter sido a musa inspiradora das muitas canções que fez. Ele morreu em Porto Alegre, cidade onde sempre viveu, no dia 27 de agosto de 1974.

ESPAÇO LIVRE

(Quadro de Henri Matisse)

AGRIDOCE

Na receptividade da vida
a tua manhosa presença
o teu fervor.

Na obscuridade da morte
a tua pesarosa ausência
o teu silêncio.

E o sentimento mesclado
de uma vulnerabilidade
que oscila ao acaso.

Entre os dois extremos que
nos fazem sorrir e chorar.


Bené Chaves

por benechaves às 21:10