perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



terça-feira, junho 24, 2008

(Quadro de Cândido Portinari)

VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM (32)


De Waldir Azevedo e Pereira Costa:


O brasileiro quando é do choro é entusiasmado

Quando cai no samba não fica abafado

É um desacato quando chega no salão

Não há quem possa resistir

Quando o chorinho brasileiro faz sentir

Ainda mais de cavaquinho com um pandeiro

E um violão na marcação

Brasileirinho chegou e a todos encantou

Fez todo mundo dançar a noite inteira no terreiro

Até o sol raiar

E quando o baile terminou a turma não se conformou

Brasileirinho abafou

Até o velho que já estava encostado

Neste dia se acabou

Para falar a verdade estava conversando

Com alguém de respeito

E ao ouvir o grande choro eu dei logo um jeito

E deixei o camarada falando sozinho

Gostei, pulei, dancei, pisei até me acabei

E nunca mais esquecerei o tal chorinho

Brasileirinho.

Obs: Versos do choro 'Brasileirinho', de 1949. Waldir Azevedo nasceu no Rio de Janeiro em 27 de janeiro de 1923. Além de compositor, era também instrumentista. Aos sete anos comprou um flauta e influenciado depois por amigos resolveu trocá-la por um bandolim. E logo a seguir passou para o cavaquinho. Tocava também violão, mas foi como flautista que se apresentou ao público no carnaval de 1933 executando o 'Trem Blindado’, de João de Barro. Queria ser aviador, porém problemas cardíacos o impediram. Então o jeito era mesmo tocar cavaquinho, o que fez durante dois anos no regional de Dilermando Reis em um programa na Rádio Clube do Brasil.
Com 132 músicas gravadas, entre chorinhos, valsas e baiões, lançou 20 LPs e cerca de 50 discos em 78 rpm, sendo ‘Brasileirinho’ sua primeira composição. E na década de 50 fez muito sucesso com 'Delicado'(baião), 'Pedacinhos do céu', 'Chiquita' e 'Vê se gostas', entre outras.
Abrindo as portas para a sua carreira, 'o tal chorinho Brasileirinho' tornou-se peça obrigatória em seus shows. E foi em 1950 que Ademilde Fonseca gravou-o com letra de Pereira Costa e acompanhado pelo próprio Waldir.
Por motivo da morte de uma filha, em 1964, afastou-se dos meios musicais, mas voltou a gravar anos depois. Azevedo faleceu na cidade de São Paulo em 21 de setembro de 1980.

ESPAÇO LIVRE

VERSOS BULIÇOSOS


Em teus felinos e sensuais lábios
eu canto e também me encanto...
Ah, porção de desejos e ensejos!
Diante de teu olhar a brandura
de minha ternura.

A imaginar no teu rosto macio os
olhos de uma tenaz vivacidade.
Os cabelos revoltos, o sorriso
abrasador, cativante, em um corpo
que acalenta e inquieta.

E tua exuberância, teus seios
volumosos, dadivosos, encantam
e alimentam minha libido.
Na sublime tentação de rechear-me
de ti e para ti.

Ah, beiços roliços e carnosos!
Quão densos e ambiciosos!
E que tornozelos formosos!

O remate da mulher fatal a mover
e inventar meu ilusório prazer.

Eu a beber na tua fonte quimérica!


Bené Chaves
































por benechaves às 21:00