perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



terça-feira, junho 03, 2008

<
O texto abaixo foi publicado aqui no mês de novembro de 2004 e causou uma certa polêmica. Com pequenos acréscimos e mudança do título, transcrevo-o novamente para aqueles que não o leram. Ou, então, uma releitura para os demais.


O HÁBITAT DE TODOS NÓS

A vida começara a realçar, a separar e a tilintar diante de pedras, grutas, tascos e uma infinidade de objetos surgidos no chão da terra seca e braba, sol rasante e lua delirante. Aquilo sim é que era estupidez, molestamento! No mais, tudo enfim ficou e fixou, dito e entredito, conforme as resignações, inquietudes e instâncias da ocasião. E com o que era de se supor. E depois, pouco tempo depois, vieram as desgraças sem graças e o que de pior poderia ou deveria acontecer. Uma vastidão e devassidão tomaram conta do espaço ocupado. E as pessoas ficaram a rodear sobre si mesmas sem saberem de onde vieram e nem pra onde iam.


Raças apareceram, classes se formaram e línguas se difundiram, desenvolvendo-se uma promiscuidade incomum, com tanto homem e mulher a fornicar. Poderia até causar impressão de ser uma brincadeira prazerosa. Enfim, uma plêiade de necessidades e necedades foi surgindo e adquirindo volumes diversos.


À falta de uma boa temperatura, todas as coisas explodiram de insciência e impulsividade. A terra tinha brotado e se dividido. E o homem, a mulher e a criança, todos postos ali sem um propósito, estavam abobalhados, boquiabertos. Teriam nascidos e colocados assim, sem mais nem menos? Somente para tornar duradoura uma espécie? Que espécie seria essa?


Desde tempos idos e vindos que batucavam nesta tecla. E queriam saber a razão daquilo tudo, do caso inusitado. Seria a antítese dos sexos a grande delinqüente, a verdadeira vilã? Ou a verdadeira razão? À vista disso... Vilã ou razão, ah, quanta imprudência, desvirtuamento e impudência!


Tudo se relaciona mesmo com a dita rivalidade entre o homem e a mulher. E se não fosse a diferença entre eles, quer dizer, os sexos opostos, lógico, não se estaria aqui. A necessidade que o macho tem de querer uma fêmea antes passa pelo desejo carnal, seja ela bonita ou feia. E na época das cavernas, do indivíduo no seu estado primitivo, nem se fala... Bastava ser (aparentemente) do sexo contrário. Ou falando, melhor dizendo, escrevendo grosseiramente: andar com uma lasca entre as pernas.


Portanto, o prazer que os seres masculinos e femininos sentem um pelo outro é enraivado, arraigado, embora na atualidade (com menos inibição) já existam diversidades à margem. E daí vem a extrema carência do desejo, a irascibilidade latente. Essa bagaceira do prazer e ruidosa vontade do inolvidável. (Parece-me que o amor - na maioria dos casos - fica aí em segundo plano, principalmente porque se sabe que entre ele e o ódio existe quase uma questão de interesses próprios e egoísticos. Ama-se hoje e amanhã odeia-se. Ou tudo não passa de uma contenda de horas.).


Disseram que dali em diante o homem sobreveio afogueado, senhoreou-se de vez, tido e havido. Tendo o trunfo maior, que é o órgão penetrador, deu valimento e lenhada de lado a lado. Lés a lés. Houve, a partir daí, chamuscadura entre os opositores. E o amar e o odiar passaram a viver colados um ao outro. Assim como a idiossincrasia reproduz a imagem do ser que se diz humano.
O tempo, então, voou com explodida rapidez...




ESPAÇO LIVRE

ATO FINAL II


Tudo cessou!

As cenas da vida
abaixam o pano
e adormecem.

E fica somente o vazio
no palco das ilusões.

A platéia a gargalhar muda
a comédia do não ser.

Na pantomima existencial.


Bené Chaves

por benechaves às 21:00