perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



terça-feira, junho 17, 2008

O texto abaixo foi publicado aqui em janeiro de 2005. Transcrevo-o novamente para aqueles que não o leram na ocasião. Porém, o poema é inédito.

PRIMEIROS ALUMBRAMENTOS
Gupiara crescia e a família de Painhô também. Ela, minha mãe, já parira os seis filhos. E, então, logo a casa se encheu de gente. A responsabilidade de meu pai aumentou e ele largou um pouco o lazer das cantorias. Afinal, teria de trabalhar dobrado para o sustento das crianças. O certo é que todos envelheciam a cada novo dia, principalmente Tia Chica. Mas, as suas comidas ainda principiavam sabores singulares.

Eis, portanto, que estou homem quase feito, nada daquele menininho besta de anos atrás. Os pêlos começavam a crescer e vivia uma plena pré-adolescência. E também doido pra conhecer os prós e contras da vida, de olho, lógico, na primeira alternativa. Minha ascendência, que era paradigma da indulgência, ficou a me estimular como razão maior de uma existência sadia e apreciada. Todos gostavam de mim e era estimado na escola onde estudava, talvez um marco na arte de fazer manhas (artimanhas?) e desfazer fatos sucedidos ou a suceder.

Cresci nesta dualidade de afetividade e discernimento, às vezes uma mácula detestável algures, mas, de qualquer maneira, afã determinante para meu amadurecimento de atos e êxitos. Tive minhas travessuras, claro, quando criança ainda, porém quem não as teve? Mainhô não deixava por menos, sempre a ralhar comigo com certa implicância. Ei, menino, deixe de ser buliçoso e medonho, dizia ela, quando às vezes excedia em algum divertimento que ela não aprovava. E fugia rapidinho pro meu quarto com medo de uma repreensão maior.

E quando Painhô voltava do trabalho, logo eu pegava seu violão e corria pra varanda, na certeza dele cantar algo para aliviar o ambiente. Mas, ao contrário, preferiu ele contar uma estória do sertão, que segundo disse, aconteceu de verdade. Embora eu não levasse muita fé. Contudo, deitou-se na rede e chamou Mainhô para lhe fazer carinho. Olhou nos meus olhos e nos dela e principiou:

'Aquele lugar onde estive, meus queridos, - e piscou de soslaio para mim - não me era estranho. Isso no alto sertão, seco e esturricado, não se via um pingo de água fazia tempo. Morria-se vivinho. As árvores murchas e os galhos podres no chão de um barro enxuto, poeirento. Os passarinhos espalhados na areia, ressequidos do mormaço. Tudo vagava naquele mundo. E então meus olhos começaram a saltar, a baterem desordenados. Tudo ficou escuro e rolei descontrolado na areia quente. Depois de alguns minutos, ali, sozinho, sabia que os bichos iriam me devorar, embora não visse animal nenhum. Acho que iriam me comer por inteiro. Desviei o olhar e senti medo, lembrei de algo bom para afugentar o susto. O sofrimento fazia com que eu tentasse, paradoxalmente, rir para amenizá-lo, sem aprazimento, contudo com um pouco de ódio. Aliviei e fugi, danei carreira na estrada. E uma fumaceira desapareceu comigo...'

Quando Painhô quis continuar tal estória, todos estavam quase cochilando (inclusive meu irmão nascido meses atrás), menos eu, que fiquei atento àquela aventura que ele dizia ter sido com ele, muito embora eu não acreditasse que era. Achei que fosse mais uma de suas invenções. Jurava que sim. Só não entendi porque ele teve a astúcia de contar relato meio assustador. Acho que foi extraído do livro que o mesmo conservava na estante da casa.

ESPAÇO LIVRE
NOSTALGIA

Saudades de te ver
de te colher, te acolher.
Também de te sentir, te querer.

Saudades de ontem, de hoje,
de uma manhã amanhã sem ler.

Imensas saudades do que deixei
do que inventei e ou criei.

De um corpo jovem, bonitão e
das mulheres do meu sertão.

Das morenas ciciosas, das loiras
suntuosas e das ruivas jeitosas.

Do que vi e do que não vi
e do que não quis ver.

Saudades sempre de uma vida
que o tempo irá esquecer e
nunca mais irei morrer.

Saudades de ti saber saudades!

Bené Chaves

por benechaves às 20:45