perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



terça-feira, maio 27, 2008


VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM (30)



De Luis Gonzaga e Humberto Teixeira:

Eu vou mostrar pra vocês
Como se dança o baião
E quem quiser aprender
É favor prestar atenção
Morena chega pra cá
Bem junto ao meu coração
Agora é só me seguir
Pois eu vou dançar o baião
Eu já dancei balancê
Xamego, samba e xerém
Mas o baião tem um quê
Que as outras danças não têm
Oi quem quiser é só dizer
Pois eu com satisfação
Vou dançar cantando o baião
Eu já cantei no Pará
Toquei sanfona em Belém
Cantei lá no Ceará
E sei o que me convém
Por isso eu quero afirmar
Com toda convicção
Que sou doido pelo baião.

******

Quando oiei a terra ardendo
Qual fogueira de São João
Eu perguntei a Deus do céu, ai
Por que tamanha judiação
Que braseiro, que fornaia
Nem um pé de prantação
Por farta d'água perdi meu gado
Morreu de sede, meu alazão
Inté mesmo a asa branca
Bateu asas do sertão
Entonce eu disse, adeus Rosinha
Guarda contigo meu coração
Hoje longe muitas léguas
Numa triste solidão
Espero a chuva cair de novo
Pra mim vortá pro meu sertão
Quando o verde dos teus óio
Se espaiá na prantação
Eu te asseguro, num chore não, viu?
Que eu vortarei, viu, meu coração

Obs: Versos das músicas 'Baião'(1946) e 'Asa Branca'(1947), dos autores acima.
Luiz Gonzaga do Nascimento era filho do sanfoneiro Januário e nasceu em Exu(PE) no dia 13 de dezembro de 1912. Aprendeu a tocar a chamada (na época) sanfona com o pai, quando este ia para os bailes para mostrar o som de seu instrumento. Trabalhou na roça desde pequeno, mas em 1930 fugiu de casa e foi para Fortaleza onde ingressou no Exército. Em 1939, já na cidade de São Paulo, comprou uma sanfona nova e resolveu ir para o Rio de Janeiro. E começou a tocar fados, foxes, valsas e tangos em dupla com o guitarrista português Xavier Pinheiro. No programa de calouros do Ary Barroso obteve sucesso com o chamego 'Vira e Mexe'.
Com o passar do tempo formou parceria com Humberto Teixeira e voltava-se para os costumes e a cultura nordestina. Surgiram, a partir daí, grandes canções e sucessos: 'No meu pé de serra'(46), 'Juazeiro'(48) e, principalmente, 'Asa Branca'(47), a obra-prima da parceria. Instrumentista, Luiz Gonzaga morreu no Recife em 2 de agosto de 1989.

Humberto Cavalcanti Teixeira nasceu em Iguatu(CE) no dia 5 de janeiro de 1916. Desde criança interessou-se pela música e fez 'Valsa Triste', sua primeira composição. Já em 1945 conheceu o Luiz Gonzaga que procurava um letrista com simpatia pelos ritmos nordestinos. E, então, a parceria se realizou, escolhendo ambos a dança e canto popular baião como o ideal para a divulgação da essência e cadência nordestinas. Também instrumentista, Teixeira faleceu no Rio de Janeiro em 3 de outubro de 1979.


ESPAÇO LIVRE

AVIDEZ

Na inquietude de teu corpo
visto-o de ilusões e bebo-o
com lascívia ambição.

Nas veleidades de um amor
de prazer e sofrimento.

Eu, querendo-a sugá-la.
Tu, sufocando-me de comoção.

Na vontade extrema de uma
voraz e suposta paixão.

A de tê-la dentro de mim.


Bené Chaves

por benechaves às 10:55