perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



terça-feira, maio 20, 2008





CINEMA

Remexendo em papéis velhos de uma velha gaveta, encontrei o que procurava já há alguns dias. O texto abaixo foi publicado no jornal 'Tribuna do Norte' no dia 11 de março de 1984. E com algumas necessárias modificações resolvi trazê-lo para este espaço. Espero que tenham uma boa leitura e também uma boa informação.


QUANDO O BRASIL COMEÇOU A FALAR


As primeiras experiências sonoras no país foram realizadas entre 1927/29 através de filmes (curtos) produzidos por Luis de Barros, Paulo Benedetti e outros. E nossa primeira fita de longa-metragem(falada, evidentemente) foi 'Acabaram-se os otários'(29), dirigida pelo Luis de Barros, enquanto o primeiro filme-revista viria logo depois com 'Coisas Nossas'(30/31), do norte-americano Wallace Downey, que era o diretor da Colúmbia e representante local de Byington & Company.
O som, finalmente, seria dominado com 'Carnaval em 1933' que a equipe de Fausto Muniz realizara. A seguir lançaram 'A voz do carnaval', uma realização da dupla Ademar Gonzaga e Humberto Mauro com equipamentos já importados. E em 1935, associando-se ao Downey, Gonzaga inaugurava o filme pré-carnavalesco 'Alô, alô Brasil ' e no ano seguinte repetiria a dose com 'Alô, alô Carnaval' que teve maior sucesso e formaram as primeiras platéias do cinema brasileiro.
No mesmo ano o Oduvaldo Viana fazia 'Bonequinha de seda', pretendendo, com padrões técnicos sofisticados, transplantar o modelo hollywoodiano para nossa região. Seu outro filme('Alegria') ficaria inacabado em face de um desentendimento com o Ademar Gonzaga.
Mas, foi em 1937 que três películas anunciaram a maturidade do som: o cineasta Humberto Mauro realiza obra de reconstituição histórica em 'O descobrimento do Brasil'; o Raul Roulien('Aves sem ninho'/39) faz 'Grito da mocidade' e tenta mostrar que aprendeu o dinamismo americano; e Mesquitinha realiza obra de inspiração chapliniana com 'João ninguém'. Contudo, a produção de filmes de ficção que já era diminuta na década de 30, quase acabou no início da seguinte.
Entre os anos de 1944/54 surgiram Oscarito e Grande Otelo que encarnaram a gíria do momento e estabeleceram um primeiro clima de intimidade com o público. Filmes como 'Carnaval no fogo'(Watson Macedo), 'De vento em popa' e 'O homem do Sputnik', ambos de Carlos Manga, 'É com este que eu vou'(José Carlos Burle), mostraram os (tre)jeitos desengonçados dos dois grandes humoristas da época.
No entremeio, contudo, apareceram também as figuras de Ankito e Zé Trindade. Foram todos eles, sem dúvida, os primeiros nomes de bilheteria das ditas 'chanchadas nacionais'. Porém, acredito que sim, nenhum que se comparasse ao iniciante ator de origem luso-espanhola.
Também e paralelamente(na década de 50)começaram a surgir novas mentalidades. Um grupo de jovens rebelou-se contra o falso populismo das chanchadas e produções advindas da Vera Cruz. E mesmo o sucesso de 'O cangaceiro'(1953) não impediu que a Vera Cruz entrasse em crise, muito embora a fita de Lima Barreto('A primeira missa', 61) tivesse obtido projeção internacional e aberto o caminho do cangaço. Fitas como 'Agulha no palheiro'(Alex Viany, 53),'O canto do mar'(Alberto Cavalcanti, 54), 'Rio 40 graus'(Nelson P. dos Santos, 55), 'O grande momento'(Roberto Santos, 58) e outras, começaram a aflorar na nossa cinematografia.
Em documentários (curtos) como 'Arraial do Cabo'(Paulo César Sarraceni, 59) e 'Aruanda'((Linduarte Noronha, 60); em ficção como 'Couro de Gato'(J. Pedro de Andrade, 60) e 'O menino da calça branca'(Sérgio Ricardo, 61), o movimento tenderia a tomar forma mais precisa. E por volta do começo dos anos 60 já se falava no que seria chamado de Cinema-Novo.
Filmes muitos surgiram e contribuíram para a renovação do nosso cinema brasileiro, como 'Barravento'(Glauber Rocha, 61), 'Porto das Caixas'( Sarraceni, 62), 'Os Cafajestes'(Rui Guerra, 62), 'O pagador de promessas'(Anselmo Duarte, 62) e outros. Daí em diante, portanto, o lema seria de 'uma câmera na mão e uma idéia na cabeça', sentença proferida pelo Glauber Rocha e contestada por alguns que se diziam independentes.
Mas, 'o que a gente pode ver hoje é que o resultado principal do Cinema-Novo foi a afirmação cultural do cinema brasileiro', dizia depois o Nelson Pereira dos Santos. E a sua maturidade foi atingida, principalmente, a partir de 'Vidas Secas'(1963), versão baseada no vigoroso romance de Gaciliano Ramos e que o próprio Nelson dirigiu.
Então, a literatura de cordel, os cantadores das feiras nordestinas, o mundo mítico e místico de um povo sofredor e fanático nas suas crenças religiosas e sempre atuantes, fizeram surgir um mentor que já iniciara a visão de um período. E reaparece o Glauber Rocha com 'Deus e o Diabo na Terra do Sol'(1964), para alguns, o melhor filme brasileiro de todos os tempos. Acreditamos que tal fita imortalizou o saudoso cineasta.
Tivemos, a partir deste momento, alguns nomes importantes na cinematografia nacional. Bom... Porém aí já é outra história...

ESPAÇO LIVRE

RIMA ENTRE RIMA

Eu sei lá dessa vida!

De miudeza, safadeza.

Vida de hipocrisia, tristeza.

E pouca alegria.

Também muita soberba.

De mentira deslavada.

Uma corrupção desenfreada.

Vida aqui e ali.

Tudo igual, usual.

Desde oligarquia e orgia.

Minha?... Tua?...

Vida da minoria!

Bené Chaves

por benechaves às 21:00