perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



terça-feira, abril 22, 2008





VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM(28)



De Wilson Batista e Sílvio Caldas

Nos olhos das mulheres / No espelho do meu quarto

É que eu vejo a minha idade / O retrato na sala

Faz lembrar com saudade / A minha mocidade

A vida para mim tem sido tão ruim / Só desenganos



Ai, eu daria tudo / Para poder voltar

Aos meus vinte anos.

Deixaste minha vida / A sombra colorida

De uma saudade imensa / Deixando-me ficaste

Mostrando-me o contraste / Matando a minha crença.

E hoje desiludido / Muito tenho sofrido

Cheio de desenganos / Ai, eu daria tudo

Para poder voltar / Aos meus vinte anos.


De Wilson Batista e Haroldo Lobo:

Eu quero uma mulher,
que saiba lavar e cozinhar
Que de manhã cedo,
me acorde na hora de trabalhar
Só existe uma e sem ela eu não vivo em paz
Emília, Emília, Emília, eu não posso mais
Ninguém sabe igual a ela
Preparar o meu café
Não desfazendo das outras
Emília é mulher
Papai do céu é quem sabe
A falta que ela me faz
Emília, Emília, Emília, eu não posso mais...


Obs: Versos das músicas 'Meus vinte anos' e 'Emília', de 1942 e dos autores acima citados respectivamente.
Wilson Batista era compositor, filho de um guarda municipal de Campos e ainda menino tocava triângulo numa banda organizada pelo tio. Aos 16 anos fez 'Na estrada da vida', samba gravado em 1933. Um ano antes gravou 'Por favor, vai embora', com Benedito Lacerda e Osvaldo Silva. Iniciou a apologia do malandro com 'Lenço no pescoço', que foi gravado pelo Sílvio Caldas em 1933. E, com isso, deu trela à famosa polêmica com o Noel Rosa, que respondeu em 'Rapaz folgado'(1932). E depois seguiram-se réplicas e tréplicas. Sempre compondo marchinhas para o carnaval lançou sua última em 1962, com o César de Alencar e feita em parceria com Jorge de Castro e Alberto Jesus.
Wilson Batista nasceu em Campos, R. J., no dia 3 de julho de 1913 e faleceu na cidade do Rio de Janeiro em 7 de julho de 1968.

Haroldo Lobo era filho de Quirino Lobo, que tocava flauta e violão e irmão de Osvaldo Lobo, o Badu, compositor e baterista. Aos 13 anos já compunha samba, embora seu primeiro emprego fosse como guarda na polícia de Vigilância. Algumas composições suas tiveram sucesso popular porque se referiam aos fatos do cotidiano e de repercussão nacional e internacional. Exemplo: 'Oito em pé'(1942), marcha gravada pela Araci de Almeida. Venceu também, no período, alguns concursos para o Carnaval. Era um folião dos mais animados.
Haroldo Lobo nasceu no Rio de Janeiro em 22 de julho de 1910 e morreu em 20 de julho de 1965.
Curioso observar que o mês de Julho foi fatídico para os compositores citados, embora também fosse sinal de alegria nos seus nascimentos. Seria, talvez, uma ironia do destino.

Sílvio Caldas, cantor e compositor, participava de festas, dançava e sapateava nas mesas dos bares. E também cantava, óbvio. Já com 6 anos cantou um samba de bloco no teatro Fênix, durante conferência literária. Começou a trabalhar logo cedo como aprendiz de mecânico. Depois foi para a capital paulista e continuou sua longa carreira, começando a gravar no início dos anos 30.
Nasceu no Rio de janeiro em 23 de maio de 1908 e faleceu em Atibaia, SP, no dia 3 de fevereiro de 1998. Viveu, portanto, um bocado de tempo e deu muitas alegrias para seus admiradores.

ESPAÇO LIVRE

DESNUDAR



Na fantasia da existência
tiro a máscara da ilusão e
choro os devaneios perdidos.

Nas várias fases de um rosto
em decomposição.

E recrio a sua e a minha imagem
nos clarões das boas lembranças.

As minhas, da inocência revivida.
As suas, de um suposto renascer.


Bené Chaves

por benechaves às 20:55