perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



terça-feira, abril 08, 2008



VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM (27)

De Zé da Zilda e Marino Pinto:

Aos pés da Santa Cruz você se ajoelhou

Em nome de Jesus um grande amor você jurou

Jurou, mas não cumpriu, fingiu e me enganou

Pra mim você mentiu

Pra Deus você pecou

O coração tem razões que a própria razão desconhece

Faz promessas e juras, depois esquece
Seguindo este princípio você também prometeu
Chegou até a jurar um grande amor

Mas depois esqueceu.

***

De Roberto Martins e Mário Rossi:

Hoje não existe nada mais entre nós

Somos duas almas que se devem separar

O meu coração vive chorando e minha voz

Já sofremos tanto

que é melhor renunciar

A minha renúncia

Enche minh'alma e o coração de tédio

A tua renúncia

Dá-me um desgosto que não tem remédio

Amar é viver

É um doce prazer embriagador e vulgar

Difícil no amor

É saber renunciar.

Obs: Versos das músicas 'Aos Pés da Cruz' e 'Renúncia', ambas de 1942 e dos autores acima citados respectivamente.
O Zé da Zilda(José Gonçalves) era filho de músico e aos 5 anos começou a se interessar por cavaquinho aprendendo com o pai. Nascido no Rio de Janeiro (em 6 de janeiro de 1908) no subúrbio de Campo Grande, por volta de 1920, no morro da Mangueira, fez amizade com alguns sambistas. Entre eles estava o Cartola, que mais tarde seria seu parceiro. Depois, na rádio Transmissora, conheceu a cantora e compositora Zilda. E com a mesma formou logo no início a 'Dupla da Harmonia'.

Então, ficou assim: Zé de Zilda e Zilda do Zé, pois casou-se com ela em 1938, adotando tal batismo nas suas apresentações. O compositor faleceu em 10 de outubro de 1954.

O Marino Pinto era também jornalista. Ingressou, em 1928, no Ginásio São Bento, onde conheceu o músico Plácido Oliveira que foi seu grande incentivador. E fez, na época, a primeira composição, 'Ilka', dedicada à namorada. Em 1929 tornou-se amigo do cantor Sílvio Caldas. Nasceu em 18 de julho de 1916 no Rio de Janeiro e morreu no dia 28 de janeiro de 1965 na mesma cidade.

Roberto Martins ficou órfão de pai com apenas um ano. Como sua mãe tocava piano, a influência musical o marcou logo cedo. E aos 20 anos compôs seu primeiro samba, 'Justiça', de 1929. No ano de 1936, juntamente com o Valdemar Silva, fez 'Favela', o primeiro êxito da carreira. Mas somente três anos depois teve consolidada sua fama com 'Meu consolo é você', em parceria com o Nássara e gravado pelo Orlando Silva. A sua batucada 'Cai, Cai'(1940) se transformou num clássico do carnaval. Outro sucesso: a marcha 'O cordão dos puxa-sacos', de 1945. O compositor nasceu em 29 de janeiro de 1909 e faleceu no dia 14 de março de 1992.

Seu parceiro, o Mário Rossi, letrista, aos 10 anos já trabalhava e estudava. Aos 14 ingressou na Escola de Aprendizes Marinheiros de Angra dos Reis. Transferindo-se para o Rio de Janeiro em 1935, ficou conhecendo o 'rei das valsas' Gastão Lamounier. E com ele compôs 'E o destino desfolhou'( versos publicados aqui em 30 de junho passado), música gravada em 1937 pelo Carlos Galhardo. No mesmo ano publica o livro 'Poemas para ler e esquecer'. Rossi nasceu em Petrópolis em 23 de maio de 1911 e faleceu no Rio de Janeiro em 12 de outubro de l981(também já publicado).
Seu maior sucesso foi mesmo 'Renúncia', que consagrou o então jovem cantor Nelson Gonçalves.


ESPAÇO LIVRE


EPÍLOGO

Depois de cobrir-te
de belos poemas
rasgarei um por um
para achá-la perene
divina e formosa
em teu corpo solidário
e solitário.

E afogarei tuas mágoas
nas miúdas letras de um
livro em decomposição.

O romance de tua vida.

Bené Chaves

(Quadro de Paul Gauguin -1848/1903)

por benechaves às 20:13