perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



terça-feira, março 11, 2008



VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM(25)


De João de Barro e Antonio Almeida:

Fiz meu rancho na beira do rio

Meu amor foi comigo morar

E nas redes nas noites de frio

Meu bem me abraçava pra me agasalhar

Mas agora, meu Deus, vou-me embora

Vou-me embora e não sei se vou voltar

A saudade nas noites de frio

Em meu peito vazio virá se aninhar
A saudade é dor pungente, morena


A saudade mata a gente, morena

A saudade é dor pungente, morena

A saudade mata a gente


* * *

De Antonio Almeida e Constantino Silva:


Ontem cheguei em casa, Helena / Te procurei


E não encontrei / Fiquei tristonho a chorar

Passei o resto da noite a chamar

Helena, Helena / Vem me consolar

Mesmo depois de cansado / Teu nome falava baixinho
Helena dos meus encantos / Vem me fazer um carinho


E fiquei desesperado / Cadê Helena, meu bem

O dia já vem raiando/ E a minha Helena não vem

(Por que será?)


Obs: Versos das músicas 'A Saudade mata a gente'(1948) e 'Helena, Helena'(1941), dos autores acima citados. O samba-toada de Braguinha e Antonio Almeida fez enorme sucesso com o cantor Dick Farney no ano de seu lançamento. É uma canção que explora o amor singelo ambientado na vida campestre. E o êxito maior deve-se mesmo ao Farney que conseguiu uma brilhante interpretação. E o sucesso foi alcançado.
O Antonio Almeida faria parceria também em 'Helena, Helena', que foi o primeiro grande samba-carnavalesco a se destacar pela melodia bem valorizada pelo conjunto 'Anjos do Inferno'. Compositor e cantor nascido em 26 de agosto de 1911 em Vila Isabel, no Rio de Janeiro, desde sua juventude que ele frequentava gafieiras, ranchos e blocos.
Em 1932 estreou como cantor no programa 'Horas do outro mundo', na Rádio Phillips, no Rio de Janeiro. Foi autor de vários números para shows da Urca(Rio) e de Icaraí(Niterói). Lançou também os primeiros concursos e em 1946 promoveu um para a escolha da mais bela mulata. E compôs, então, 'A Mulata é a tal '(que foi sucesso no carnaval de 1948) com o João de Barro e em homenagem à vencedora do citado concurso.
Faleceu em 9 de dezembro de 1985.
Sobre o seu parceiro Constantino Silva, o Secundino, não consegui levantar dados biográficos, apenas que compôs o samba-batuque ‘Lamento Negro’(1941) em parceria com o Humberto Porto e gravado na Columbia pelo ‘Trio de Ouro’ e ‘Parece Mandinga’, de parceria com Nelson R. da Silva, também de origem desconhecida.


ESPAÇO LIVRE

BREVIDADE


Ao amanhecer e entardecer
eu ti vi ainda criança.

E na madrugada adormecida
tu já eras uma mulher.

No efêmero vôo de um tempo
que se diluiu em sombras.

Passadas, presentes e
futuras.

E no arcabouço que restou de
nossas ambíguas existências.

Bené Chaves


(Ao lado: foto de Natasha Lyonne, in 1000 imagens)

por benechaves às 21:40