perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



terça-feira, março 25, 2008

('Mulheres protestando', de Di Cavalcanti)


VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM (26)



De Assis Valente:

Chegou a hora dessa gente bronzeada

Mostrar seu valor

Eu fui à Penha

E pedi à padroeira para me ajudar

Salve o Morro do Vintém,

Pendura a saia que eu quero ver

Eu quero ver o Tio Sam

Tocar pandeiro para o mundo sambar

O Tio Sam está querendo conhecer a nossa batucada

Anda dizendo que o molho da baiana melhorou seu prato

Vai entrar no cuscuz, acarajé e abará

Na Casa Branca já dançou a batucada de Ioiô e Iaiá

Brasil, esquentai vossos pandeiros, iluminai os terreiros

Que nós queremos sambar

Há quem sambe diferente, noutras terras, outra gente

Um batuque de matar

Batucada, reuni vossos valores, pastorinhas e cantores

Expressões que não tem par, oh meu Brasil, Brasil

Brasil, esquentai vossos pandeiros, iluminai os terreiros

Que nós queremos sambar.

Obs: Versos da música 'Brasil Pandeiro' (1941), do autor acima citado. Este samba o Assis Valente compôs para a Carmen Miranda, após seu período inicial nos Estados Unidos. E como a Carmen não gostou da composição, a mesma acabou sendo lançada pelo 'Anjos do Inferno'. Sendo uma espécie de samba-exaltação, foi o preferido pelos maiores conjuntos vocais de seu tempo.
José de Assis Valente era, já aos 10 anos, um admirador de poetas como Castro Alves e Guerra Junqueiro. E sua paixão pela 'pequena notável' chegou até ao extremo do mesmo tentar aprender a tocar, pensando que o professor fosse pai adotivo da cantora. (O que não faz uma paixão, hein?). Compôs, então, outras canções e dedicou à sua amada. Mas - como teve uma vida bastante agitada - desesperado com as dívidas( e acho que também com as dúvidas), tentou o suicídio algumas vezes.
Enfim, senta-se num banco de rua e ingere uma quantidade suficiente de um produto químico para matar formigas. Deixa um bilhete à polícia tendo antes telefonado para dois amigos comunicando-lhes a decisão. Pede também para o Ari Barroso pagar dois aluguéis que estavam atrasados.
No bilhete, o ultimato: 'Vou parar de escrever, pois estou chorando de saudade de todos e de tudo'.
Assis Valente nasceu no dia 19 de março de 1911 em Santo Amaro, na Bahia. E faleceu no Rio de Janeiro em 6 de março de 1958. Suas composições traziam, sobretudo, um conteúdo poético. É o caso de 'Boas Festas':

Já faz tempo que eu pedi
Mas o meu Papai Noel não vem
Com certeza já morreu
Ou então felicidade
É brinquedo que não tem.


ESPAÇO LIVRE


SAUDADES


Entre os limites da existência
a tua infância querida
os bons anos adolescentes
e a maturidade aferida.

Na velhice os efeitos e sinais de
uma vivência de (in)glórias
ocasos e épocas que se foram
na sombra de um breve passado.

E no pranto ou prazer do encanto
o desencanto de uma ilusão.

A minha, perdida no temor.
A tua, um acaso de incertezas.


Bené Chaves

por benechaves às 20:53