perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



quarta-feira, janeiro 16, 2008

Quadro do pintor Walfran Guedes


VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM (22)


De Ary Barroso:


No tabuleiro da baiana tem
Vatapá, oi

Carurú

Mungunzá, oi

Tem umbú

Pra ioiô

Se eu pedir você me dá?

O seu coração

Seu amor de Iaiá?

No coração da baiana tem

Sedução, oi

Canjerê, oi

Ilusão, oi

Candomblé pra você

Juro por Deus

Pelo Senhor do Bonfim

Quero você

Baianinha inteirinha pra mim

E depois

O que será de nós dois?

Seu amor é tão fugaz, enganador

Tudo já fiz

Fui até num canjerê

Pra ser feliz

Meus trapinhos juntar com você

E depois

Vai ser mais uma ilusão

No amor quem governa é o coração


***************************

Tá fazendo um ano e meio, amor
Que o nosso lar desmoronou

Meu sabiá, meu violão

E uma cruel desilusão

Foi tudo que ficou

Ficou

Prá machucar meu coração (bis)


Quem sabe, não foi bem melhor assim

Melhor prá você e melhor prá mim

O mundo é uma escola

Onde a gente precisa aprender

A ciência de viver prá não sofrer


Tá fazendo um ano e meio, amor

Que o nosso lar desmoronou

Meu sabiá, meu violão

E uma cruel desilusão

Foi tudo que ficou

Ficou
Prá machucar meu coração

Prá machucar.


Obs: Versos de 'No Tabuleiro da baiana'(1936) e 'Pra machucar meu coração'(1943), ambos do autor acima. A primeira música é o título de uma canção(samba-batuque), o primeiro sucesso do autor. Refere-se a uma das principais figuras típicas de Salvador: a baiana, que vende seus produtos nas ruas da capital ganhando o seu sustento. A letra foi feita especialmente para a peça 'Maravilhosa', cantada por Déo Maia e Grande Otelo. E no mesmo ano voltou a integrar outra Revista, desta feita com o Oscarito.
A segunda canção foi gravada no mesmo ano(em 1943) também pelo Déo Maia e com acompanhamento da orquestra do Chiquinho.
Ary foi criado pela avó Gabriela e pela tia Ritinha. Aos 12 anos já fazia fundo musical ao piano para filmes do cinema mudo. Envolveu-se (infelizmente) com a política e foi eleito vereador pela antiga UDN em 1946. Mas, era um eterno apaixonado pelo futebol e pela boemia. Flamenguista fanático, não conseguir irradiar os jogos do seu time, pois torcia mais do que propriamente narrava. No rádio sustentou o programa 'Calouros' desde o final dos anos 30 até os anos 50.
ESPAÇO LIVRE




MOMENTANEIDADE


Nos teus faiscantes olhos azuis
(que me tontearam a sensatez)
turbulentos como o mar bravio
acendo o lume de tórridos desejos
e deixo-te sorver o sumo íntimo
de supostas e sacudidas paixões.

E no frêmito do amor farto e fugaz
nós a erguermos entre paredes sem cor
o tilintar de taças em líquidas ilusões.

O prazer, um instante revivido.
A dor, uma seqüela a incomodar.

E tu a sair incólume com teu olhar
que me embebedou de tentações.

Bené Chaves

por benechaves às 11:41