perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



quinta-feira, novembro 08, 2007






VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM (18)

De Herivelto Martins:
Barracão de zinco
Sem telhado, sem pintura
Lá no morro,
Barracão é bangalô.

Lá não existe
Felicidade de arranha-céu,
Pois quem mora lá no morro
Já vive pertinho do céu.

Tem alvorada, tem passarada
Alvorecer
Sinfonia de pardais
Anunciando o anoitecer.

E o morro inteiro no fim do dia
Reza uma prece, Ave Maria...
...


Ave Maria... Ave.
E quando o morro escurece
Eleva a Deus uma prece
Ave Maria...
Ave Maria... Ave... Maria.

Obs: Versos da música 'Ave Maria no Morro' (1942), de Herivelto Martins, compositor nascido no Rio de Janeiro em 30 de janeiro de 1912 e que com apenas três anos apresentava-se declamando. E dizia: 'Nasci pra namorar/ Toda moça bonita que eu vejo/ Dá vontade de casar'. O seu pai, o agente ferroviário Félix Bueno Martins, era um apaixonado pelo teatro. E promovia grupos de teatro amador. Foi, então, depois que o Herivelto conheceu o compositor José Luis da Costa, o Príncipe Pretinho, que lhe deu uma oportunidade para a carreira artística. Passou a viver em 1936 com a cantora Dalva de Oliveira com quem teve um filho, o também cantor Pery Ribeiro.
Observando em uma ocasião o barulho dos pardais se recolhendo às árvores para dormir, sentiu que tal gesto daria um samba e compôs os primeiros versos de 'Ave Maria'. No entanto, relatou em depoimento para o Arquivo da Cidade do Rio de Janeiro: "Eu me preparei para mostrar ao Benedito Lacerda e então cantamos eu ao violão e Dalva com aquela bonita voz crente que estávamos agradando. Terminada a apresentação, o Lacerda tirou os óculos, esfregou os olhos e disse: meu compadre, isso é música de igreja, vamos fazer música para ganhar dinheiro". E assim começaram aqueles primeiros acordes com alguma desilusão. Depois a composição constituiu-se em grande sucesso.
Herivelto Martins produziu mais de 100 músicas e foi personagem muito importante na MPB. E também líder classista dos compositores. Morreu em 17 de setembro de 1992.

ESPAÇO LIVRE

O primeiro poema faz parte do livro 'Cinzas ao amanhecer' e já foi publicado aqui. O segundo, contudo, é inédito. Espero que tenham uma boa leitura.



RUPTURA

A distância de idade
faz entristecer
sem poder tocá-la
amá-la
querer.
Na ilusão perdida
meu jovem olhar.
A desesperança
humana de doar.

A minha e tua
curta existência
não poderá quebrar
diferente diferença?


PROBIDADE


Rasgo tuas vestes

cubro-a com temor

e deixo-te vestida.

Com a nudez de teu corpo.


Bené Chaves

por benechaves às 20:48