perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



quinta-feira, novembro 22, 2007





Foto de Maaria Antonia Bueno, in Olhares.com


VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM (19)



De José Fernandes de Paula:

Eu sempre fui feliz
Vivendo só, sem ter amor
Mas o destino quis
Roubar-me a paz de sonhador
E pôs num sonho meu
Um olhar de ternura
De alguém que mesmo em sonho
Roubou minha ventura
Sonhei com esse alguém
Noites e noites sem cessar
Por fim alucinado
Fui pelo mundo a procurar
Aquele olhar tristonho
Da cor do luar
Mas, tudo foi um sonho
Pois, não pude encontrar
Mas, na espinhosa estrada desta vida
Sem querer, um dia,
Encontrei com esse alguém
Que tanto eu queria
Esse alguém que mesmo em sonho
Eu amei com tanto ardor
Não compreendeu a minha dor
Foi inspirado então,
Na ingratidão de quem amava tanto
Que fiz este triste valsa
Triste como o pranto
Que me mata de aflição
Bem sei que esta valsa será
A minha última inspiração.

Obs: Versos da música 'Última Inspiração' (1940), valsa do compositor José Fernandes de Paula, conhecido no meio artístico como Peterpan, nascido em Maceió(AL) no dia 21 de janeiro de 1911. Foi para o Rio de Janeiro com 11 anos e seguiu o seu itinerário musical. Tempos depois casou-se com a Nena Robledo, que era irmã da Emilinha Borba, uma das mais famosas cantoras de músicas do carnaval da época, década de 40/50. Peterpan compôs também sambas e marchinhas para os festejos de Momo.
Gravada inicialmente por João Petra de Barros(1914/47, que suicidou-se aos 33 anos), em 1940, a valsa em questão fez muito sucesso. E depois também alguns cantores a gravaram, como o Carlos Galhardo, chamado de o 'rei da valsa' no período.
José Fernandes de Paula morreu em 28 de abril de 1983 no Rio de Janeiro.


ESPAÇO LIVRE




TRANSE


De manhã degusto-me
de ti.

De tarde degusta-te
de mim.

À noite degustamos
entre nós.

Em um estertor de fome
e não comiseração.



Bené Chaves

(Quadro ao lado do pintor Edvard Munch)

por benechaves às 09:59