perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sexta-feira, outubro 12, 2007


(Este selo foi uma indicação da Luara, do blogue www.luar-luara.blogspot.com).




VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM (16)



De Newton Teixeira e Jorge Faraj:


A Deusa da minha rua
Tem os olhos onde a lua
Costuma se embriagar
Nos seus olhos eu suponho
Que o sol num dourado sonho
Vai claridade buscar.

*

Minha rua é sem graça
Mas quando por ela passa
Seu vulto que me seduz
A ruazinha modesta
É uma paisagem de festa
É uma cascata de luz.

*

Infeliz na minha mágoa
Meus olhos são poços d'água
Sonhando com seu olhar
Ela é tão rica e eu tão pobre
Eu sou plebeu e ela é nobre
Não vale a pena sonhar.


Obs: Alguns versos de 'A Deusa da minha rua'(1940), música da época de ouro do romantismo, com melodia de Newton Teixeira e letra do Jorge Faraj, considerado o poeta dos amores impossíveis. Nesta valsa ele descreve o contraste entre a beleza da musa e a pobreza da rua. Teixeira também era cantor e violonista, tendo como parceiros habituais o Mario Lago, David Nasser, Cristóvão de Alencar e outros. Compôs a primeira música 'Tudo me fala do teu olhar' aos 20 anos e em parceria com o Cristóvão de Alencar. Nasceu no Rio de Janeiro, no bairro do Irajá, em 06 de abril de 1916. E faleceu também na cidade maravilhosa no dia 09 de outubro de 1972.
Jorge Faraj, compositor, poeta, aos 18 anos, inspirado pela literatura, escreveu seu primeiro verso. Largou a profissão de mecânico para fundar o jornal ‘O Botafogo’, com amigos do bairro. E tornou-se o responsável pela seção de Poesias. Conheceu em um café o compositor e flautista Benedito Lacerda e mostrou-lhe uma valsa a qual ele fez a letra. A parceria daria ainda muitos sucessos à dupla. Nasceu em 09 de julho de 1901 e morreu em 14 de junho de 1963 no Rio de Janeiro.


ESPAÇO LIVRE

O primeiro poema faz parte do livro 'Cinzas ao amanhecer'(Sebo Vermelho, 2003) e já foi publicado aqui. O segundo, porém, é inédito. Espero que tenham boas leituras.

CICLO-VICIOSO

Ontem lembradas
e festejadas.

Nascidas sob
a égide de sorrisos.

Hoje molduras
nas paredes úmidas.

Eclipsadas em
raras lágrimas.

Amanhã pedaços
de quase nada.

Relegadas ao
esquecimento.


SONHO



Ah, se eu pudesse!...
passaria em pasárgada
desceria no país de são saruê
sonharia estar em gupiara
amaria todas as mulheres
e você em especial.

Ah, se eu pudesse!...
ressurgiria entre cinzas
voltando a seduzi-la
na eterna jovialidade.

E no crepúsculo sombreado
apagaria as chamas naturais
das vicissitudes.


Bené Chaves

por benechaves às 08:41