perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sexta-feira, agosto 03, 2007




VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM (11)


De René Bittencourt Costa:


Sertaneja, se eu pudesse,
se papai do céu me desse
o espaço pra voar,
eu corria a natureza,
acabava com a tristeza,
só pra não te ver chorar...

*

A tristeza do teu pranto
é mais triste quando eu canto
a canção que eu te escrevi.
E os teus olhos, nesse instante,
brilham mais que a mais brilhante
das estrelas que eu já vi...

*

Vou subir por essas serras,
construir, lá noutras terras,
um ranchinho pra nós dois.

Obs: Alguns versos da música 'Sertaneja'(39), gravada por Orlando Silva no ano de 1940 e constituindo-se num dos maiores sucessos da sua carreira de cantor. O compositor e também jornalista Bitttencourt iniciou sua vida artística animando shows de circo e teatro, assim como colaborando em várias revistas e jornais especializados na música. E teve sua primeira composição, o samba-canção 'Felicidade'( em parceria com Noel Rosa) gravado no ano de 1932. Nasceu em Paquetá(RJ) em 23 de dezembro de 1917 e faleceu em 21 de novembro de 1979.


De Noel Rosa:


Nosso amor que eu não esqueço
E que teve o seu começo
Numa festa de São João
Morre hoje, sem foguete,
Sem retrato e sem bilhete,
Sem luar e sem violão.
Perto de você me calo,
Tudo penso e nada falo
Tenho medo de chorar...
...

*

Diga, diga que você me adora
Que você lamenta e chora
A nossa separação
...

*

Nunca mais quero o teu beijo
Pois meu último desejo
Você não pode negar...

Obs: Alguns versos de 'Último Desejo', música composta pelo genial Noel Rosa quando a sua tuberculose estava num estágio bem avançado e ele já sentindo que seria o seu fim. Fez tal samba em homenagem a sua paixão, a bailarina de cabaré Ceci, a Juraci Correia de Morais. Noel sempre foi um eterno apaixonado e algumas de suas canções revelam o fato. E fez mais essa como uma espécie de despedida. Seria a sua penúltima música, cuja letra foi entregue à amada por um amigo comum. Ficou, portanto, o legado como forma de inspiração para outros amados e amantes.
Na verdade, ele morreria no dia 04 de maio de 1937 e não em 1936 como dissemos em postagem anterior. De qualquer maneira ainda tinha 26 anos de um brilhante ofício como compositor.

ESPAÇO LIVRE


FUGACIDADE


Meus olhos sangram os teus
na extensão de um sagaz olhar
e plenitude do amor glutão.

Teus olhos sangram os meus
à procura da dor do orgasmo
e inquietude da fêmea no cio.

Nossos úmidos olhos se cruzam
no derramamento de um efêmero
e vermelho prazer.


Bené Chaves

por benechaves às 21:08