perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, junho 30, 2007

VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM (9)


De Gastão Lamounier e Mário Rossi:


O nosso amor traduzia
Felicidade... afeição
Suprema glória que um dia
Tive a alcance da mão
Mas veio um dia o ciúme
E o nosso amor se acabou
...

*

Eu te vi a chorar
Vi teu pranto, em silêncio correr
E parti, a cantar, sem pensar
Que doía esquecer...

*

Mas depois
Veio a dor
Sofro tanto e esta valsa não diz
Meu amor, de nós dois
Eu não sei qual é o mais infeliz.

Obs: Alguns versos da música 'E o destino desfolhou'(1937), gravada originalmente por Carlos Galhardo no mesmo ano. Mario Rossi foi autor de mais de duzentas letras de músicas e juntamente com Gastão Lamounier das mais famosas valsas em seu período glorioso. Rossi nasceu em 23 de maio de 1911 em Petrópolis, Rio de Janeiro e morreu também na mesma cidade em 12 de outubro de 1981. Já o parceiro Lamounier nasceu no dia 22 de abril de 1893 na cidade de São Paulo e morreu no Rio de Janeiro em 28 de janeiro de 1984.


De Pixinguinha e Braguinha:

Meu coração... não sei porque
Bate feliz... quando te vê
E os meus olhos ficam sorrindo
E pelas ruas vão te seguindo
Mas mesmo assim... foges de mim
...
Vem sentir o calor dos lábios meus
Á procura dos teus
Vem matar esta paixão
Que me devora o coração
E só assim então
Serei feliz, bem feliz.
...
Ah se tu soubesses
Como eu sou tão carinhoso
E muito muito que te quero
E como é sincero o meu amor...


Obs: Alguns versos da música 'Carinhoso'(1917/37), que manteve-se inédita por mais de dez anos. Sobre isso, fala o próprio Alfredo da Rocha Viana, o Pixinguinha: "Eu fiz 'Carinhoso' em 1917. Naquele tempo o pessoal nosso da música não admitia choro assim de duas partes. (Choro tinha que ter três partes). Então eu fiz o 'Carinhoso' e encostei. Tocar o 'Carinhoso' naquele meio eu não tocava... ninguém ia aceitar". E esclareceu ainda que "a música era uma polca ou polca vagarosa. Mais tarde mudei para chorinho".
'Carinhoso' ficou sem letra e foi gravada apenas instrumentalmente em 1928, ficando ignorada pelo grande público até meados dos anos 30. Depois - num acaso desses da vida - houve uma mudança no curso de sua história. E apareceu, então, o Carlos Alberto Ferreira Braga (Braguinha), o João de Barro. Aceitando a sugestão de uma amiga, colocou versos no famoso chorinho. Portanto, surgiu, assim, meio às pressas, a letra de ‘Carinhoso’, tornando-se, desde aquele momento, um dos maiores clássicos do nosso cancioneiro.


ESPAÇO LIVRE

O poema abaixo foi publicado aqui em outubro de 2004. Trago-o novamente para os que ainda não tiveram a oportunidade de lê-lo. Espero que todos tenham uma boa leitura.

ANGÚSTIA
No murmurar do
encantamento
a vida aparece
inquietante
mas a dor surge
instigante.
E a felicidade goteja
como partículas soltas
caídas do espaço.
No sussurrar aflitivo
de ilusões perdidas.
As minhas e
as tuas.
Bené Chaves

por benechaves às 09:44