perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, junho 16, 2007

VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM (8)


De Ary Barroso:


Brasil,
Meu Brasil brasileiro
Meu mulato inzoneiro
Vou cantar-te nos meus versos...

*

Brasil,
Terra boa e gostosa
Da morena sestrosa
De olhar indiferente
Ô Brasil samba que dá...

*

Ô, esse coqueiro que dá côco
Onde eu amarro a minha rede
Nas noites claras de luar...

*

Ah, onde essas fontes murmurantes
Aonde eu mato a minha sede
e onde a lua vem brincar...


Obs: Alguns versos da música 'Aquarela do Brasil'(1939), declaração de amor ao nosso país enaltecendo o seu povo e as tradições brasileiras. Algumas pessoas a consideram ufanista e a têm como uma composição de um louvor auspicioso e exagerado. Acredito que não, pois foi a primeira canção responsável pelo surgimento do chamado gênero 'samba-exaltação'. Era o Brasil de uma época menos culposa e mais esperançosa. Pena que atualmente ele não seja como outrora, visto o grau de corrupção em desenfreada corrida aos olhos de uma população pacata e ainda com um mínimo de instrução.

De Álvaro Nunes ( J. Cascata) e Leonel Azevedo:

Lábios que eu beijei
Mãos que eu afaguei
Numa noite de luar, assim,
O mar na solidão bramia,
E o vento a soluçar pedia
Que fosses sincera para mim...

*

...
Tua imagem permanece imaculada
Em minha retina cansada
De chorar por teu amor
...

*

Mãos que eu afaguei
Volta,
Dá lenitivo à minha dor...

Obs: Alguns versos da valsa 'Lábios que eu beijei'(1937), música gravada por Orlando Silva no mesmo ano. Em meados dos anos 30, o Álvaro Nunes decidiu adotar o nome artístico de J. Cascata, apelido trazido da infância. Nasceu no bairro de Vila Isabel em 23 de novembro de 1912 e morreu no Rio de Janeiro em 27 de janeiro de 1961. Suas primeiras composições foram gravadas nos anos 30 por Orlando Silva, Sílvio Caldas e Luís Barbosa.
O seu parceiro Leonel Azevedo, carioca, lançou sua primeira música 'Chora Coração' em 1930. 'Lábios que eu beijei' foi gravado naquele ano(37) com arranjo de Radamés Gnattali (1906/88) e ficou sendo o maior sucesso da dupla. Azevedo nasceu em 27 de julho de 1905 e morreu em 15 de outubro de 1980. Era também cantor.


ESPAÇO LIVRE


OLHARES


Em teus olhos eu vejo
o ontem tão risonho
vejo o hoje de esperança
mas o amanhã tristonho.

Em meus olhos tu vês
o amanhã de uma ilusão
vês o hoje ambíguo
e o ontem de uma razão.

Entre tristezas e alegrias
nós nos embriagamos
de supostas melancolias.

E meus olhos nos teus de um
amor em diligente tensão.

Bené Chaves

por benechaves às 08:41