perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, junho 02, 2007

VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM (7)



De Noel Rosa:


Quando eu morrer,
Não quero choro nem vela,
Quero uma fita amarela
Gravada com o nome dela.

*

Se existe alma
Se há outra encarnação
Eu queria que a mulata
Sapateasse no meu caixão.

*

Não quero flores
Nem coroa com espinho
Só quero choro de flauta
Com violão e cavaquinho.


Obs: Gravada pelos cantores Francisco Alves e Mário Reis, 'Fita Amarela'(33) fez muito sucesso no carnaval do mesmo ano. Noel Rosa tanto fazia letras como também músicas e era considerado o compositor mais fértil porque retratava - com uma fina ironia e sensibilidade - a sociedade brasileira dos anos 20 e 30.
Uma curiosidade: sua mãe teve um parto muito difícil e os médicos tiveram de quebrar o maxilar do mesmo, daí o aspecto defeituoso no rosto. Ficou quase sem o queixo. Mas, era um célebre compositor. Pena sua morte precoce com apenas 26 anos. Apesar disso, ainda deixou mais de duzentas músicas para o deleite de todos nós.



De Sílvio Caldas e Orestes Barbosa:


Minha vida era um palco iluminado
Eu vivia vestido de dourado
Palhaço das perdidas ilusões
Cheio dos guizos falsos da alegria.

*

Foste a sonoridade que acabou
E hoje, quando do sol, a claridade
...

*

Mas a lua, furando o nosso zinco
Salpicava de estrelas nosso chão
Tu pisavas nos astros, distraída
Sem saber que a ventura desta vida
É a cabocla, o luar, o violão.

Obs: Sílvio Caldas nasceu em 23 de maio de 1908 no Rio de Janeiro e conviveu com a música desde criança. Foi companheiro dos melhores compositores e cantores dos anos 30 aos 80. Foi quem musicou 'Chão de Estrelas'(37) em parceria com o Orestes Barbosa, sempre um bom letrista. Orestes nasceu na região de Vila Isabel, na Aldeia Campista, em 7 de maio de 1893. E morreu aos 73 anos em 1966, enquanto o seu parceiro foi embora bem depois já com 90 anos.



por benechaves às 09:19