perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, abril 07, 2007

VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM (2)



De Catulo da Paixão Cearense e João Pernambuco:


Oh que saudade
Do luar de minha terra
Lá na serra branquejando
Folhas secas pelo chão.

Este luar cá da cidade
Tão escuro
Não tem aquela saudade
Do luar lá do sertão.

Se a lua nasce
Por detrás da verde mata
Mais parece um sol de prata
Prateando a solidão.


Obs. Alguns versos da música ‘Luar do Sertão’, uma toada de 1914. A letra é muito extensa e quase nunca foi gravada integralmente.


De Pedro de Alcântara e Catulo da Paixão Cearense:

Ontem ao luar,
Nós dois em plena solidão
Tu me perguntaste o que era a dor
De uma paixão.
Nada respondi!

*

A dor da paixão não tem explicação!
Como definir, o que só sei sentir?

*

Ouve a onda sobre a areia a lacrimar!
Ouve o silêncio a falar na solidão.

Obs. Alguns versos de ‘Ontem, ao Luar’ (1918), música composta originalmente em 1907 como polca e com o nome de ‘Choro e Poesia’, por Pedro de Alcântara. Depois é que recebeu a letra do Catulo da Paixão Cearense e o título atual.

ESPAÇO LIVRE


LEMBRANÇAS


Ontem te vi menina
tateando na úmida areia

apanhando ostras e estrelas,
sargaços rodilhando teus pés
em um mar de ondas cegas.

Tu encantavas aquele lugar!

Não a reconheci, então, na
jovialidade de um passado.

Hoje te vejo mulher
apalpando um rosto de rugas
no reflexo de um roído espelho.

E não colhendo mais nada, sei
apenas da disponibilidade de
um tempo perdido.

Bené Chaves

por benechaves às 08:37