perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, março 24, 2007

VERSOS QUE CANTAM E ENCANTAM


De Alberto Marino/Alberto Marino Jr.:

Tão somente uma recordação
restou daquele grande amor
daquelas noites de luar
daquela juventude em flor
hoje os anos correm muito mais
e as noites já não têm calor
e uma saudade imensa é tudo
quanto resta ao velho trovador.



Obs. Alguns versos da música 'Rapaziada do Brás' composta pelo Alberto Marino em 1917 com apenas 15 anos. E somente em 1960 a melodia recebia letra do filho do Marino, o Alberto Marino Jr.


De Chiquinha Gonzaga (1847/1935):

Ó! Lua branca de fulgores e de encanto,
se é verdade que ao amor tu dás abrigo
vem tirar dos olhos meus o pranto
ai vem matar essas paixão que anda comigo.



Obs. Alguns versos da bela melodia 'Lua Branca' que a Chiquinha escreveu em 1912. Faz parte da opereta em três atos de Luis Peixoto e Carlos Bittencourt.

ESPAÇO LIVRE


SENSATEZ


Se todos os homens do mundo
oh, se eles soubessem...

Não haveria guerra
existiria sempre paz.
e vozes cantantes.

Um amor forte, audaz
que você se entrega
noite e dia.

A justiça triunfaria
sobre a casta e
suja confraria.

Então os pássaros
cantariam e fariam
os versos da harmonia.

Terias medo do inverso?

Oh, se eles soubessem!...

Bené Chaves

por benechaves às 09:42