perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, março 10, 2007




O PESADELO

Vi-me de surpresa dentro de um sótão. Comecei a andar com um medo sem igual. Em um dado momento ouvi uma voz parecendo que estava a quilômetros de distância. E a mesma gritava para que eu fosse ao encontro dela. Depois escutava com se fosse um coro. O medo aumentava e queria correr e ficar encolhido no depósito. Era uma dúvida que chegava a arrepiar meu frágil corpo.
Em volta de mim tudo se esfumaçava, os corredores que via tinham o aspecto de uma tarde nebulosa. Ou de uma noite com pálidas luzes. Com o silêncio que se instalara, o local tornou-se algo pra lá de inquietante. Senti, então, que tinham fechado a porta atrás de mim e apagado a tênue iluminação que ainda restava. Nem via mais a pequena garoa anterior. Parecia que estava vivendo uma agitação sem fim.
De repente a voz ressurgiu forte e audível seguida de um coro que assombrava qualquer pessoa sensível. Eu já não suportava tanto barulho naquele pequenino compartimento. Levantei a ponta de um pé e o movi sem quase esperança de fugir dali. Fiz o mesmo com o outro e breve estaria me deslocando sem dificuldade. O coro soou com exaustão e comecei a correr. Pareceu-me que corria ao redor de mim mesmo. Algumas luzes se acenderam e vi, para meu espanto, milhares de pessoas ao meu redor. Perguntei o que desejavam. E assustei-me com a seca resposta.
Ao lado notei algumas grades que se enfileiravam paralelas. Homens e mulheres gritavam desesperados. Eram surrados sem compaixão. Aquelas chicotadas refletiam-se em minhas costas e doíam com a mesma intensidade. Nossos gritos se fundiam e um eco fazia-se ouvir na sua extensão. Mas, o que fiz? E a aflitiva indagação não surtia o menor efeito.
Todos permaneciam sisudos e apenas lambiam os beiços como se estivessem com uma bruta sede. A sede de matar. De súbito senti uma indisposição e um desmaio. Comecei a observar tudo embaçado e múltiplos rostos em cima de mim. Aquelas cabeças aumentavam parecendo mais uma avalanche sem piedade. Gritei e não ouvi o meu grito. Chorei e não vi minhas lágrimas. Nada saía de dentro de mim. Não controlava o meu corpo e nem a alma. Tudo desmoronava naquele minuto.
O sótão dava sinais evidentes de uma inundação. Estava suado, pingos d'água caíam em proporções alarmantes como se uma grossa chuva despencasse lá do alto. Consegui abrir os olhos e surpreendi-me com o absoluto silêncio. Nos corredores apenas as grades vazias e uma fumaça no ar. Nenhum ser vivo ou morto ao redor. Talvez, no exato momento, somente uma passagem interna fantasma. Mas, no canto ao lado vi um vulto se mexendo e caminhar em minha direção. Vai, caminhas para o corredor, disse ele com uma voz prepotente.
O sujeito conseguiu me levar para uma das grades e me trancar na cela. Achei que todos morreriam na ocasião, pois os pingos não paravam de crescer. Ninguém sobreviveria do inesperado infortúnio. E, em segundos, o ambiente se cobriria de uma água que mais dava a aparência de uma lama. Era o fim que eles não esperavam. Tudo se desmanchara sem razão.
No entanto ouvi uma voz longe que aos poucos se aproximava, entrecortada por multidões, corredores, algozes, fantasmas e coros... Alguém me chamava, porém fiquei sem saber se estava acordado ou dormindo. Não conseguia abrir os olhos e nem despertar ou desprender de onde estava. E a vida, por conseguinte, continuou sendo um pesadelo.

ESPAÇO LIVRE

DUAS NOTAS

Escrevi para a Embaixada da Polônia em Brasília para saber qual o primeiro filme sonoro realizado pelo cinema polonês e obtive a resposta seguinte:

1ª) - "Como primeiro filme sonoro considera-se 'Culto do Corpo' (Kult Ciala), de 1929, direção de Michal Waszynski, Polônia-Áustria, filme sonorizado em Viena, mas na Polônia apresentado em versão muda;

- 'Moralidade da sra. Dulska' (Moralnosc pani dulska), de 1930, direção de Boleslaw Newolin, primeiro filme com legendas contendo diálogos registrados em disco gramofônico;

- como primeiro filme no qual o som foi registrado diretamente na fita (registro ótico) pode-se considerar a obra intitulada 'Cada um tenho o direito de amar' (Kazdemu wolno kochac), de 1933, direção de Mieczyslaw Krawiccz e Janusz Warnecki.

Saudações

Setor Cultural da Embaixada do Brasil em Varsóvia

Almir Gonçalves"

2ª) - O nosso amigo Eduardo Gosson avisa que no dia 14 do corrente, ‘Dia da Poesia’, haverá uma palestra do Presidente da FUNCARTE, Dácio Galvão, sobre o POEMA PROCESSO – 40 ANOS, às 16 horas na Livraria AS Livros, que fica na av. Salgado Filho, próximo ao Natal Shopping.

por benechaves às 09:59