perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, março 17, 2007


O conto abaixo faz parte do livro Castelos de Areiamar, edição de 1984. Tentei reduzir ao máximo para colocá-lo aqui, já que o texto original é um pouco longo. Não sei se consegui o intento. Espero não tê-lo tornado de difícil compreensão. Portanto, desejo a todos uma boa leitura.


OS PRISIONEIROS


O homem cochilava na mesa, sem respiração. Velas ornamentavam a estreita sala e choviam pingos de lágrimas estalando no piso frio. O ambiente era triste, cerimonioso. Fora, o céu se vestia de nuvens.
A vida sem atribulações, teria sido uma pessoa com uma visão incomum, um cidadão raro. Um mestre; magistral. Mas estava ali agora, inalterável. Rápidos olhares e deslizamentos no chão encerado, molhado. Desde a madrugada deitado, a mulher sofrera muito pra pegar o corpo ferido, sozinha e sem ajuda.
Trancou-se no quarto e em seguida jogou o cadáver nos pés da pobre. Dentro em breve a sentença numa tabuleta: "Não adianta, está morto. Colapso!". E fechou-se circunspecto. Ela ainda quase arrombou a porta a gritar palavrões, porém logo botou o homem nas costas e voltou aterrorizada.
A válvula entupira quando ele repousava, grãos de areia atirados naquele buraquinho, quem diabo fez isso?, justo quando o homem tava descansando... Houve o entulho! Logo ele que tinha consertado nesta tarde uma placa metálica!
Soluçando perto do caixão a mulher abarcava prantos saídos surdamente. Cochichos, risos, lamentações, conversas dali e daqui. Com desprezo deu um chute no banco e gritou um grito de pavor, alarmada, respirando fraca... Sufocada.
O padre chegou e rezou algumas preces, confortou os acreditados. O caixão saiu arrastado por mãos pesadas. Difícil suportar a situação, a miserável hora que lhe fora imposta.
Saí do trabalho às pressas, uma notícia ruim: "Seu amigo morreu, hoje cedo, ao acordar, sentiu-se mal e pronto". "Sem mais nem menos, assim, de supetão?". "Pois é, cara, isso mesmo". "Não pode ser, não acredito". "Nosso futuro é esse aí!", exclamou ele torcendo o pescoço e colocando-o em direção de um incerto caminho. "Um desperdício!", voltou a murmurar.
Cheguei perto e o vi com castiçais em volta, solitário. Ao redor, coroas de flores... Ao longe, sussurros abafavam ruídos. E uma mulher de roupa escura chorava ao lado, sofrida, ainda com raiva da realidade alterada. Ele, estirado, alinhado, cabelos penteados, barba feita, prontinho como se fosse a um passeio.
-Um buraco, a terra toda rombuda!, ouviu-se perto.
Não pensou nisso, a vida atarefada, obrigações, um trabalho mais exigido, pouco divertimento. Vida dura, mulher, vida dura. Pra morrer e pra viver o que a gente precisa é ajeitar as coisas, tá tudo desarrumado.
Balançando a rede, o menino gritou: "Pai, pai, vem ver, a bicicleta tá rodando, olhe...". Como ele não respondesse, o garoto saiu desinteressado a pedalar no terraço sumindo num ponto de luz. A casa escureceu.
O abafado lugar soltava uma fumaça e figurava uma cor de lodo nas faces presentes, o teto oferecendo uma réstia de sol enfraquecido. O caminho seria demorado, custoso, um corso forçado. Trepidante. A cama já pronta, à sua disposição, arrumada.
Milhões de curiosos ao portão, luzes e refletores incendiavam os carros. Uma faixa o saudava. Armado no interior, o palanque serviu para melhor se ver aquele momento súbito, definitivo.
Um cidadão de jaqueta escutou o seu nome e subiu, falou, desfalou. Depois outro e outro e mais outro. Estava cumprida a missão. Todos entreolhavam-se, cabeças escondidas, rostos no chão frio, duro, barrento. Varreu, então, uma ventania e cobriu suas caras.
O caixão foi abaixado e tapado com tijolos. Empurrado e colado com cimento, o cidadão era um prisioneiro. Lá no alto algumas estrelas olhavam a lua fazendo sua sesta. O frio corria pelos corpos. Coloquei meu casaco e fui o último a sair, distanciado, sozinho. Aguardei a pedra derradeira e a pá de cal escorregar lenta e macia no pedaço de mármore roído. Quando estava fora do alambrado desviei o olhar e dei um passo em volta: vi inúmeras flores, pálidas e despetaladas. Nasceria um jardim frutificado por frágeis raízes, roseiras tristes. E depois murcharia desmanchando-se em cinzas, um montão de lixo, coisas imprestáveis.
Nada mais, nada mais pra fazer no local, apenas divisar choupanas, luxuosas residências, casas simples e ruas vazias, infinitamente vazias.
- Nossa morada!... – e estiquei o dedo pra frente.
Dormiam fechados, tranqüilos e sem maiores atenções. Uma despedida para os que ainda não estavam com sono. Dormiam prisioneiros dos vivos.

por benechaves às 10:11