perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



domingo, janeiro 07, 2007




A SONORIDADE NO CINEMA


Italiano (3)

O primeiro filme sonoro italiano foi Canção de amor/ La canzone del amore, dirigido pelo Gennaro Righelli e realizado em 1930. O roteiro foi extraído de uma novela de Pirandello, escrito pelo Giorgio Simonelli. Daí em diante todos os diretores da era muda puseram-se a falar.
Mário Camerini, o mestre da 'ironia amável' fez La Riva dei Burti (1930) e L' Ultima aventura (1931), enquanto Alessandro Blasetti foi outro que também marcou e muito contribuiu no início da chamada era sonora. A colaboração e a participação do mesmo foram das mais proveitosas para o cinema italiano. Fez algumas fitas importantes para o começo de sua carreira, a destacar: Terra Mãe (1931), Velha guarda (1934) e Ressurrectio (1930). É bom lembrar que Blasetti trabalhou também como ator em Belíssima (1951), do Luchino Visconti. E interessante assinalar que o cineasta alemão Walter Ruttman foi peça importante a partir da fase sonora italiana.
A lista de diretores italianos vindos em grande parte da experiência sonora é simplesmente imensa. Muitos já morreram, alguns permanecem com menos ímpetos, outros surgem e se sobressaem. Daremos aqui alguns nomes que apareceram neste segundo pós-guerra: Luigi Zampa, que conheceu o sucesso com Viver em paz (1946) ; Alberto Lattuada, que passa pelo neo-realismo com Sem piedade (1947) ; Pietro Germi em Juventude Perdida (1947) foi também um dos nomes importantes do neo-realismo ; Guiseppe De Santis, que com Trágica perseguição(1947) fez o seu melhor filme ; Vittorio De Sica, também do neo-realismo, iniciando como cineasta em Rose Scarlatte (1939); o Roberto Rosselini com La Nave Bianca(1941). Não podemos deixar de citar o grande Luchino Visconti, que realizou já durante a Segunda Guerra, o seu primeiro longa, Ossessione, em 1942. Como também um Federico Fellini ou um Michelangelo Antonioni iniciando com o documentário Gente del Po, em 1943.
Ficamos, claro, no início da era sonora. E aqui foi somente uma amostragem, é lógico que faltam importantes nomes na continuidade da tecnologia do som no atualmente tão falado cinema italiano.


ESPAÇO LIVRE

Mais um poema da Kalliane Sibelli, autora norte-riograndense que publicou em 2003 seu primeiro livro 'Outonos' pela 'Coleção Mossoroense'. Tenham uma boa leitura.

DISTRAÇÃO


Amor, teu olho e tua miséria
são simplesmente iguais...
Mas insisto em reter-me
nessa lâmina que te faz.

Faço-me carne, voz e papel,
e sangro essência, cristal, espanto,
sempre que em ti me leio,
sempre que em ti me escondo.

E no entanto nem percebes
que me quebras, me despedaças...
Mas de meus retalhos te vestes,
e eu só canto, enquanto passas.

por benechaves às 10:23