perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, janeiro 20, 2007




A SONORIDADE NO CINEMA

Inglês (5)


Anthony Asquith (1902/68) fez soar, em 1929, A cabana de Dartmoor juntamente com o diretor alemão André-Ewald Dupont (1891/1956), depois de este ter ido trabalhar na Inglaterra e realizar Atlântico também no mesmo ano. Foram, então, as primeiras vozes do cinema inglês. Na década 29/30 houve grande atividade nos estúdios britânicos e os cineastas de renome foram o próprio Asquith, Basil Dearden, William Howard, Alfred Hitchcock e o húngaro Alexander Korda. O húngaro era meio cosmopolita e realizou em Hollywood A vida privada de Helena de Tróia (1927). Como parecia gostar das 'vidas privadas', fez mais duas, sendo uma de Don Juan (1934) e a outra, feita na Inglaterra, de Henrique VIII (1933), com o grande ator Charles Laughton em começo de carreira. Neste período duas obras se destacaram no gênero dramático: Pigmalião(1938) de Asquith e Os 39 degraus (1935) do mestre Hitchcock.
Iniciou-se também o cinema-documentário e John Grierson, fundador da escola documentarista inglesa, foi o principal articulador, pois via o gênero como "um tratamento poético da realidade". Trouxeram conhecimentos e experiências, enriquecendo a escola, o americano Flaherty, o brasileiro Alberto Cavalcanti e os soviéticos Eisenstein e Aleksandr Dovjenco. Destacamos ainda os pioneiros Arthur Elton, Basil Wright, Paul Rotha, Harry Walt, entre outros. Citamos alguns títulos realizados por esta equipe britânica: Correio da noite, Mar do norte, Rostos de carvão, A voz de Londres e Desemprego.
Fitas que pertencem hoje à filmografia mundial datam da guerra e pós-guerra. Entre elas, O caminho das estrelas (Asquith, 45), Desencanto/Grandes Esperanças(David Lean, 45/46), O condenado(Carol Reed, 47), Narciso negro/Os sapatinhos vermelhos(da dupla Powell/Pressburger, 47/48), Na solidão da noite (em cinco episódios e dirigidos por Charles Crichton, Alberto Cavalcanti, Robert Hamer e Basil Dearden, 45), Henrique V/Hamlet (Laurence Olivier, 44/48), dentre outras.
Enquanto isso manobravam - no campo econômico - atrás dos bastidores da produção e distribuição cinematográfica, o húngaro Alexander Korda e o industrial e principal exibidor britânico J. Arthur Rank.
Eis aí, portanto, em rápidas pinceladas, o começo da era sonora do cinema inglês. E com a participação de cineastas de outros países.

ESPAÇO LIVRE



ANGUSTONIONI



No diálogo final
o final sem diálogo
a ambigüidade...
E o impasse, uma
dedução verbal
revelando o não ser.

Na grave solidão,um
dilema lacerado, o
lema dilacerado...
Outro tema unido.

O sufoco no
foco fixado
da fenda estreita,
não vazia.

E no entremeio, largas
e belas imagens, as
aquarelas de uma
existência.

Bené Chaves



por benechaves às 11:07