perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, janeiro 13, 2007




A SONORIDADE NO CINEMA


Alemão (4)


Embora o cinema italiano deva muitos favores a Walter Ruttman, foi ele um dos que primeiro falaram também no período alemão. Em 1929, a 'Tobis' alemã exibiu ao público Melodia do Mundo, juntamente com outras fitas sonoras de Frank Clifford e Brauer. Os três iniciaram a chamada fase do som.
Joseph von Sternberg estreou em Hollywood ainda no período silencioso, onde triunfou, enquanto G.W. Pabst, vindo também da fase muda, fez na época Rua das Lágrimas (25), O amor de Jeanne Ney(27) e a obra-prima A caixa de Pandora(28). E no período sonoro realizou Guerra, flagelo de Deus (30, versão alemã de Nada de novo no Front), A ópera dos pobres (31) e Camaradagem (31). Como viajava para diversos países, fez na França o seu Dom Quixote (33) e na Áustria realizou O Processo (47).
Fritz Lang, outro nome importante do cinema na Alemanha, rodou Asssassino (28), seu primeiro filme sonoro. Fez o Testamento do Dr. Mabuse (32), na época, proibida pela censura por ser uma obra anti-nazista. Deixando a Alemanha, Lang realizou na França Lilliom/Coração de Apache (33) e depois seguiu para Hollywood onde sua obra sofre um declínio assustador. Salvam-se apenas os filmes Fúria (36) e Vive-se uma só vez (37). Porém, o grande nome na filmografia deste cineasta não deixa de ser M, o vampiro de Dusseldorf, obra-prima que realizou em 1931.
Um dos mais famosos filmes sobre temas juvenis(Meninas de uniforme, 31) foi realizado pela diretora Leontine Sagan com a participação de Carl Froelich e abordava o lesbianismo em um pensionato. Era um tema muito forte para a época. Já Goebbels lançou mão do cinema para fins políticos e guerreiros, utilizando o Hans Steinhoff como autor de Jovem Hitlerista Quex, realizado em 1933. As obras contrárias eram postas à revelia. E a Leni Riefenstahl, jovem atriz e bailarina, estreou no cinema em O inferno branco de Piz Palu (Pabst) e no ano de 1936 surgiu como diretora de documentários, onde destacaram-se O triunfo da vontade(36) e Olympia (38).
Max Ophuls, grande nome do passado, autor do belo Lola Montés (55), realiza na época Liebelei/Uma história de amor (32) que valeu sua celebridade. E o Willi Forst, ator e diretor austríaco, fez Correm suaves os meus cantos, tomando como base condutora a sinfonia inacabada de Schubert, fita datada de 1933. Depois realizou Mascarada (34), Mazurca (35) e o sucesso de Opereta (40), tendo como base a música de Strauss.
Slatan Dudow, mais um da safra, realizou na fase sonora um verdadeiro libelo contra a fome, a miséria e o desemprego, a chamada tríade de uma esfera social que acaba com as massas populacionais. Seu filme Kuhle Wampe ou A quem pertence o mundo?, foi roteirizado pelo Bertolt Brecht e realizado em 1932. Causou grande impacto aos espectadores de então.
Eis aí, em rápidos traços, o começo da era sonora alemã.


ESPAÇO LIVRE


A ÚLTIMA AURORA



O amor e o ódio
des / aliviam
uniões
tensões
tesões
pressões
ilusões
gratidões
paixões.

O riso / lágrima
como fuga
revivida.


Bené Chaves

por benechaves às 19:08