perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



segunda-feira, janeiro 01, 2007



Os melhores filmes que vi em 2006.


De todos os filmes que vi no ano próximo passado, apenas um (O maior amor do mundo, de Cacá Diegues, 2006) foi visto na tela grande do cinema. E talvez seja o que de melhor ele fez até agora. Os outros vi somente na tela pequena. Agradou-me também a fita de Lúcia Murat, Quase dois irmãos, 2004, assim como( em uma escala menor) Sal de Prata, do Carlos Gerbase, 2006. E outro brasileiro, no mínimo interessante, foi O outro lado da rua, de Marcos Bernstein, 2004. Mas, decepcionei-me novamente com o Julio Bressane e o seu Filme de Amor,2003, a exemplo do que já ocorrera com Miramar, 97, exibido aqui anos atrás no Festival de Cinema. Aliás, das poucas fitas que vi deste dito cineasta nenhuma até agora me entusiasmou. Daí assisti também De crápula a herói, 59, um bom filme do Rossellini.
Porém, o diretor sueco Ingmar Bergman foi o grande nome do ano passado. Praticamente vi Persona, 66, pela primeira vez, já que uma visão que tive em tempos atrás não chamou a atenção merecida. Achei desta vez o filme magistral. A fita de Bergman é quase um monólogo. E é justamente pela beleza da mesma que resolvi colocá-la na listagem. O outro dele também excelente foi O Silêncio, 63.
Depois desta espécie de prefácio, eis os melhores:

1. Persona (Bergman, 66)
2. A infância de Ivan (Tarkovski, 62)
3. O silêncio (Bergman, 63)
4. Tempestade sobre a Ásia (Pudovkin, 28)
5. A idade do ouro (Buñuel, 30)
6. O novo mundo (Mallick, 2005)
7. Consciências mortas (Wellman, 43)
8. Marcas da violência (Cronenberg, 2005)
9. Match Point (Allen, 2005)
10. A Bela do Palco (Eyre, 2004)
11. Quase dois irmãos (Murat, 2004)
12. Flores Partidas (Jarmusch, 2005)
13. O maior amor do mundo (Diegues, 2006)
14. Boa noite e boa sorte (Clooney, 2004)
15. Com a maldade na alma (Aldrich, 64)
16. De Crápula a Herói (Rossellini, 59)
17. Um lugar para recomeçar (Hallstrom, 2005)
18. A janela da frente (Ozpetek, 2003)
19. A vida no paraíso (Pollak, 2004)
20. A Dama de Honra (Chabrol, 2004)


ESPAÇO LIVRE

O último sarau do ano 2006 coordenado pelo Eduardo Gosson homenageou a poeta norte-riograndense Kalliane Sibelli, que reside em Mossoró. A mesma participou do prêmio Luis Carlos Guimarães de Poesia e ganhou em
2005 o primeiro lugar. Compartilho com vocês de um de seus poemas que faz parte do livro "Exercício de silêncio". Na próxima postagem publicarei outro de seus textos.
Transmutar-se


Sentada em frente do espelho
observo-me o ventre raso
fecundado de amor e morte:
fiz-me nuvem oscilante,
fiz-me âncora, fiz-me norte,
fiz-me mesmo estrada e pedra
solitária onde pousaste
teu cansaço, fiz-me canto...

Ah, se tu soubesses quanto
de mim te dou quando te amo!...

por benechaves às 11:20