perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, dezembro 16, 2006



A SONORIDADE NO CINEMA

Americano (1)


A partir de Alan Crossland com Dom Juan(26) e O Cantor de Jazz(27), primeiro filme falado e cantado e de King Vidor com Aleluia(29), a produção sonora de Hollywood tomou novas dimensões e adquiriu um volume inigualável. Fitas de todos os gêneros se destacavam: policiais, westerns, musicais, tragédias, comédias, tragicomédias e etc, etc... Grandes filmes se sobressaíam ou mesmo se consagravam. Charlie Chaplin, o maior gênio e inventor do personagem Carlitos, sonoriza Tempos Modernos (36) e chega mesmo a falar em O Grande Ditador(40) e Monsieur Verdoux(47).
Frank Capra, de origem siciliana, foi fotógrafo, auxiliar de diretor, ator, montador e gag-man durante o período silencioso. Algumas de suas comédias mais famosas na fase sonora: O Galante Mr. Deeds (36), Do mundo nada se leva(38), Aconteceu naquela noite(34), Dama por um dia (33) e A felicidade não se compra (46).
O norte-americano Van Dyke, filho de uma atriz, iniciou-se no teatro antes de ser contratado por David Griffith como assistente para as filmagens de Intolerância. Seu primeiro filme sonoro Sombras brancas nos mares do sul(28), com co-direção de R. Flaherty, despertou atenção nas salas exibidoras e na crítica européia e foi bastante admirado pelos surrealistas. Daí em diante fez de tudo, para todos os gostos.
Robert Flaherty também não deve ser omitido, falando-se tanto da fase silenciosa quanto da sonora. Seu primeiro filme data de 1922, Nanuk, o Esquimó, destruído pelo fogo. E realizou Tabu, em 1931 com F.W. Murnau. Revelou-se principalmente em Louisiana Story(48), um documentário de grande força humana. Ele era, sobretudo, notável pela visão que tinha das pequenas comunidades isoladas do mundo, além do toque poético que impunha aos filmes. Era considerado o Jean-Jacques Rousseau da tela.
O inesquecível John Ford atingiu o clímax da criação cinematográfica na fase sonora. Fitas como O Furacão(37), No tempo das diligências(39), My Darling Clementine(46), As vinhas da ira(40), O Delator(35) e outras, constituem os primeiros passos desta era. São obras que as platéias não esquecerão e ficarão marcadas como precursoras do som. Depois, obviamente, dois filmes, em definitivo, elevaram mais ainda o seu já consagrado nome: Rastros de Ódio(56) e Depois do Vendaval(52). Foi o cineasta que estudou a sociologia no Oeste americano.
A lista de diretores seria interminável... E de uma maneira ou de outra todos contribuíram para o surgimento do sonoro no cinema. Citaríamos nomes como Ben Hecth, Henry Hathaway, James Whale, Franz Borzage, Stenrberg, Murnau, Fleming (O mágico de Oz, 39), Dieterle (O corcunda de Notre-Dame, versão com Laughton/ Maureen O'Hara), William Wyler, Mamoulian (Ama-me esta noite, 32, com a bela seqüência inicial anunciando o advento do cinema sonoro), Wellman (Asas, 28), o genial Orson Welles( Cidadão Kane, 41) dentre alguns outros.

ESPAÇO LIVRE


ROSEBUD

In memoriam Orson Welles


Nas imagens
o processo mágico
incitando
devaneios
frêmitos
onde o cálice
despencou surdo
aonde aquele corpo
tombou mudo.

A vibrante e ilusória
alocução nos
traços de suborno
da sublime oratória.

E o violento
desejo e choque
na cobiçada
palavra-feminina.

Entre as belas pernas
de uma deusa universal.

Bené Chaves

por benechaves às 10:04