perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, dezembro 09, 2006

NO CAMINHO DO VAZIO...



Caminhava vagamente por uma das irregulares ruas de Gupiara. O ambiente entre todos que se agrupavam tornava-se quase sufocante à minha visão. Olhando de longe com um olhar de um inquietante sujeito que desejava continuar a jornada que propus, vi surgir uma ruazinha íngreme em direção ao mar. Observei a densa e longa estrada que parecia não ter fim. Ao passar nas vizinhanças homens e mulheres ficaram alheios aos meus passos incertos em direção ao imaginário. Continuei caminhando e notei, de súbito, uma estrela que faiscava no infinito. Depois se formaram pontos estelares iluminando um céu já azulado. E o mar, aquele imenso mar que se punha à minha frente, enchia-se de uma ardência que me deixava perplexo. As nuvens que dançavam no espaço e estavam à procura (talvez) de um aconchego, dispersaram-se e escureceram procurando algum amparo. Parecia indícios de um temporal. Fiquei infeliz em não apreciar no presente instante aquela famosa lua de Gupiara. E o pequeno intervalo entre meu olhar às estrelas já ocultas e a distância do mar, fazia com que eu muito distraído andasse com o pensamento angustiado me maravilhando com a inesperada paisagem surpreendente.
No interstício daquele momento, vejo uma mulher deitada ao meu lado. Não sei como apareceu ali. Pensei ainda que fosse uma ilusão. Não era. Uma mulher nua, inteiramente como veio ao mundo. Seus seios já volumosos inquietavam-me na úmida areia. O seu sexo era acariciado com os próprios dedos na volúpia de um prazer. Avanço os meus olhos de vívidos interesses em tão desejada beleza e me fascino junto ao seu lado. Eu não podia agüentar visão tão ao acaso e ocaso. Necessitava de algo que me desintegrasse daquele tédio noturno. E a presença daquela linda jovem fez com que nós caminhássemos para o infinito em busca das estrelinhas e, obviamente, do mar.
Despi-me sofregamente e entramos de mãos dadas para a profundeza da obscuridade, o bravo oceano em ondulações talvez a procura de novos habitantes. Eu, com os problemas existenciais que vinham de um pequeno tempo, ela, talvez, em um desespero de um amor destruído. Juntamos nossos elos perdidos e nos convivemos intimamente diante da magnitude universal. E mergulhamos na esperança de renascermos na generosidade de uma vida saudável para todos.

ESPAÇO LIVRE


LACERAÇÃO



A tua voracidade me destrói
e ao vê-la faminta sinto
tuas carnes rasgando meu corpo
na ânsia de um gozo perdido
de amargura e subjetividade
ocasionais no elo efêmero.

E vê-la depois gemendo e
soluçando lágrimas de uma
paixão em desamor sofrido.

A de não tê-la sempre em minhas
já desfeitas compaixões.


Bené Chaves

por benechaves às 09:43