perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, novembro 11, 2006



PALAVRAS QUE INQUIETAM (19)


* Platão teria falado de que "é o corpo de tal modo que nos inunda de amores, paixões, temores, imaginações de toda sorte, enfim, uma infinidade de bagatelas - que por seu intermédio não recebemos na verdade nenhum pensamento sensato; não, nem uma vez sequer!". Completa, então, ele, dizendo: "o corpo é uma coisa má, e enquanto nossa alma estiver misturada com ele, jamais possuiremos completamente o objeto de nossos desejos, que é a verdade". Porque, afinal de contas, "tudo o que se tem por evidente não é mais que preconceito... todos os preconceitos não são mais que obscuridades vindas de uma sedimentação da tradição", diria Edmund Husserl. E a verdade, nesse caso, poderá ser uma evidência das discriminações ora estabelecidas.

* Falemos agora um pouco sobre o sonho, esse enigmático conjunto de imagens que se formam seja no sono ou fora dele. Já dizia o filósofo Barrows Dunham (O Homem contra o Mito), citado aqui anteriormente, que "os sonhos que os homens têm quando dormem são fragmentários e confusos. Os que eles têm quando estão despertos transformam-se na substância de um mundo". Embora o psicanalista Sigmund Freud tivesse dito que "eles, os sonhos, são a realização de um desejo" (no sono seria pouco provável), na maioria das vezes sonhamos dormindo verdadeiros absurdos. É como se estivéssemos em um labirinto a tentar solucionar o insondável. Aparece então um mundo totalmente surrealista, dando ensejo a mil interpretações, com isso trazendo à tona também o cineasta Luis Buñuel com seu filme Um Cão Andaluz, realização de 1928 sob a égide onírica. E temos outros exemplos, como no filme Morangos Silvestres (Bergman, 57). Na sua melhor seqüência mostra o pesadelo do personagem, condicionando todo o resto da fita, num prolongamento das ações e reações inconscientes ou não do mesmo, dando um sentido de grande alcance ao seu desdobramento.
E quem não gostaria de viver sempre sonhando com a felicidade sem exceção nesta injusta vida de constantes violências? Porque, inclusive, "este mundo é o mundo da vontade de poder e nenhum outro; e tu mesmo, tu és assim, esta vontade de poder e nada mais", disse Nietzsche, talvez querendo sufocar o desejo veemente do homem pela ambição total.

ESPAÇO LIVRE


DESENGANO



Ah, rosas vermelhas!

Quão pétalas sorrateiras
correndo tristes e soltas
no riacho da vida.

Contínuos pesadelos
de uma mente oblíqua
na vivência cinzenta
da irreversível dor .

A dor do acaso, do desamor
do amargo sabor, sem cor.

E na efêmera existência, o
ato final da dissolução
em prantos.

Ah, rosas murchas!

Bené Chaves

por benechaves às 11:20