perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, outubro 28, 2006



PALAVRAS QUE INQUIETAM (17)


Falando sobre a existência, Górgias de Leôncio, vivendo no ano 480-375 a.C., foi taxativo e detonou com total descrença: "nada existe; se alguma coisa existisse não a poderíamos conhecer; se a conhecêssemos não a poderíamos manifestar aos outros". Porque, diria depois David Hume, nascido em 1711: "vejam este universo em torno de vocês. Que imensa profusão de seres animados e organizados, sensíveis ou não. Mas examinem um pouco mais de perto essas existências vivas... Como são hostis e destruidoras umas para as outras! Como são insuficientes, tanto quanto são para sua própria felicidade! Quão desprezíveis ou odiosas!". E complementava com intrepidez demonstrando ser " a velhacaria e a idiotice humanas fenômenos tão correntes..."
Porém, enquanto isso, Blaise Pascal, filósofo e escritor francês, nascido em 1623 e vivendo apenas 39 anos, dizia que "a única verdadeira grandeza do homem reside na consciência de seus limites e de suas fraquezas".
E quantos deles não ultrapassam tais confins! Todavia, os ensinamentos estão aí, a vivência humana acarretada de muitos dissabores e poucos sabores. Seria salutar que todos fossem prósperos, embora Albert Camus tivesse afirmado que "as pessoas morrem e não são felizes".


ESPAÇO LIVRE


Na quarta-feira passada, dia 25, o sarau promovido pelo Eduardo Gosson homenageou o Mário César Rasec (autor do livro Apostasia), poeta da nova safra na poesia do Rio Grande do Norte. Estive presente e selecionei o poema abaixo:

ÚLTIMA CEIA

O calor que antecede a chuva
Fez levantar-me na madrugada.
Sons de um mundo distante
Me deixavam um pouco ofegante.

Mas havia algo além na noite que me deixava inquieto.
Em busca de algo escondido nas sombras do vazio.

O silêncio era a constatação de uma ausência maior.
Um ciclope que caminhava pela noite
Afugentando os bons sonhos.

Nada mais restou da última ceia.
A irmandade se dispersou pela madrugada púrpura.
Resta agora aos retardatários
A tarefa de esconder as cinzas.

por benechaves às 09:11