perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, outubro 14, 2006




PALAVRAS QUE INQUIETAM (16)



* Falemos um pouco do amor, essa palavra-chave encontrada entre todos aqueles que se dizem humanos ou racionais. E sobre os mesmos, assim expressou-se Karl Marx: "se amas sem provocar uma retribuição em amor, isto é, se teu amor não suscita o amor em paga; se, manifestando tua vida como homem amante, não fazes de ti um homem amado, teu amor é impotente, é uma desgraça". E conclui ele então que "a relação imediata, natural, necessária do homem ao homem é a relação do homem à mulher".

* Aliás, de acordo com o filósofo francês Emmanuel Mounier (1905/1950), "o ato de amor é a mais firme certeza do homem", pois, então, dizia ele, "...amo; logo, o ser é e a vida vale a pena de ser vivida". Porque, inclusive, "amar um ser é amá-lo faça ele o que faça, dar-lhe de certo modo um crédito ilimitado, incondicional", na tese fundamentada pelo filósofo Gabriel Marcel, autor e crítico teatral, nascido em Paris no ano de 1889.

No belo filme Hiroshima meu amor, de Alain Resnais, 59( que publicarei na próxima postagem uma crítica feita para o livro "Clarões da Tela - o cinema dentro de nós"), se tem o exemplo de um enorme e puro afeto, talvez, absoluto. Paralelamente aos atos e efeitos de uma guerra insana, o seu realizador tece um insólito e sensual caso de amor entre uma atriz francesa e um arquiteto japonês. E assim eles começam a evocar lembranças e a pensar no futuro como desdobramento de uma intensa paixão vivida. Poder-se-ia dizer que é uma película além de um simples sentimento, porque marca profundamente toda a história dos homens e das mulheres, suas conseqüências ou não.

* Sobre o amor à vida, o grande autor argelino Albert Camus já dizia: "eu amo a vida, eis a minha verdadeira fraqueza. Amo-a tanto, que não tenho nenhuma imaginação para o que não for vida", mesmo sabendo que "constatar o absurdo dela não pode ser um fim, mas apenas um começo". Ao que completa Santo Agostinho: "mas ninguém é feliz a não ser vivendo e ninguém vive se não existir", porque, sabia o célebre filósofo e historiador britânico David Hume que "se todas as criaturas fossem incapazes de sofrer, o mal nunca teria acesso ao universo". E, então, "os homens e as mulheres não seriam apenas os portadores de seu passado, os herdeiros de um mundo, os responsáveis de uma série de atos: seriam também as sementes do futuro", na sábia concepção do romancista e poeta francês Louis Aragon (1897/1982). Inclusive, conforme visão de Teilhard de Chardin, "na verdade a vida procede a golpes de sorte; mas a golpes de sorte reconhecidos, apreendidos, isto é, psiquicamente selecionados", concluiu afinal.

ESPAÇO LIVRE


DESCRENÇA


Entre vagina e seios
surgi no mundo.
Na infância e adolescência
senti o impacto da vida.
De amores e desamores
plantei minhas raízes.

Talvez no sombrio epílogo
veja apenas os desencantos
do que se foi para sempre.

E em vão um velho espelho
a soluçar lágrimas de saudade.
Bené Chaves

por benechaves às 09:45