perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, setembro 30, 2006


PALAVRAS QUE INQUIETAM (15)

· Para nos auxiliar também deixo aqui a palavra sempre sensata de Antonio Vieira, que desde os idos do século XVII ficou famoso pelos lapidares depoimentos sobre o ser humano. Acerca dos ditos e indignos representantes do povo, eis o que dizia o abnegado padre : "Tempos houve em que os demônios falavam, e o mundo os ouvia; mas depois que ouviu os políticos ainda é pior mundo".
Sem comentários, sem comentários...
Mais adiante uma sentença da época, lógico, para fecharmos o cerco ao nobre Pe. Vieira : "Os homens, com suas más e perversas cobiças, vêm a ser como os peixes que se comem uns aos outros".
E olhe que tal frase foi pronunciada, claro, antes do ano de 1697, quando ele morreu no dia 18 de julho. Não se atrela a uma máxima profética e que se encaixa nos tempos atuais? Notável, simplesmente notável...


· E como uma ilustração da demagogia dos políticos tem-se exemplo e clímax no excelente filme de John Ford O homem que matou o facínora. Na significativa cena em que um cidadão público pretende iniciar seu discurso, ele abre uma folha na frente de todos e depois a amarrota e joga-a no chão. Um senhor atento apanha o papel e vê que o mesmo está em branco. Então o velho político iniciará o malfadado discurso de improviso, ignorando a presença do perspicaz observador.
Quantos de nós não ficamos na inocência em atitudes feitas às ocultas, hein?


· Saindo um pouco da esfera política, recorremos ao polêmico cineasta Rainer W. Fassbinder, alemão incansável, passional e precoce. Realizador de fitas excelentes como Despair - uma viagem para a luz e O casamento de Maria Braun, entre outras, parece não ter conseguido escapar de sua sina. E morreu moço ainda, aos 36 anos, devido mais a uma vida de drogas e escândalos, deixando, porém, seu legado às gerações futuras nos mais de 40 filmes que dirigiu. E dizia pra quem quisesse ouvir: "Posso dormir quando estiver morto". Que o genial homem, portanto, depois de uma conturbada e curta existência, durma em paz.

ESPAÇO LIVRE

Publico hoje o "Soneto nº. 3", do escritor e poeta natalense Nei Leandro de Castro, autor do romance "As pelejas de Ojuara", que vai ser adaptado para o cinema e já com as filmagens a serem iniciadas.

SONETO Nº 3
Um é pouco. Dois, bom. De vez em quando
um casamento a três quebra a rotina.
Uma mulher para dois se desatina
nos jogos duplos em que vai impondo
a força que ela tem. Boca e vagina
engolem os que vão lhe penetrando.
E os machos cumprem, machos, sua sina:
zangões felizes de morrer gozando.
O casamento a três sempre dispensa
juras de amor, promessas, má consciência
ou toda e qualquer forma de contrato.
É importante ser um casamento
que viva intensamente o seu momento
de amor carnal num ato ou muitos atos.

por benechaves às 08:32