perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sexta-feira, setembro 22, 2006




PALAVRAS QUE INQUIETAM (14)


* Para o escritor norte-americano Edgar Allan Poe (1809/49), "as realidades do mundo afetavam-me como visões, apenas como visões, enquanto que as idéias loucas da terra dos sonhos se tornavam, por sua vez, não o material de minha vida cotidiana, mas, realmente, minha inteira e única existência". Porque, como bem disse Heidegger, "o ser humano só pode definir-se, a partir de seu existir, isto é, de sua possibilidade de ser ou não ser o que ele é". Afinal de contas, de acordo com Kierkegaard, "não se trata tanto de escolher querer o bem ou o mal, mas de escolher o querer", pois sabemos que "vivemos num mundo... cujo o porquê, cujo sentido, procuramos em vão"(Edmund Husserl, já citado aqui). Aliás, depois de toda celeuma, voltamos a Allan Poe, que, talvez decepcionado, ficou descrente do ser humano, para afirmar convicto: "os homens, em geral, tornam-se vis gradualmente". E por causa disso, interrogou-se a si mesmo, manifestando-se que "na verdade, não terei vivido num sonho?", questionando, por fim, os absurdos deste mundo.

&&amp;&&&

* O polêmico cineasta Pier Paolo Pasolini, autor de filmes importantes como Teorema, O Evangelho segundo São Mateus e Decameron, dizia - falando acerca de um possível anonimato de autores vivos - que "enquanto um homem não morre não se sabe bem o que ele fez". E é uma frase que desperta vivo interesse, principalmente quando sabemos de sua autenticidade e atualidade. Pois existe muita gente boa viva por aí, mas que fica quase sempre no esquecimento. Um dia, talvez, quem sabe, quando for embora, possa ser reconhecida.


&&&&&

* Vejam que primor de texto dito pelo personagem e crítico De Witt (vivido pelo ator George Sanders) no filme A malvada : "Nós temos em comum... desprezo pela humanidade, incapacidade de amar ou ser amados, ambição insaciável - e talento. Merecemos um ao outro". Não calharia extraordinariamente bem se saísse da boca de um desses sujos políticos (e homens públicos) em confabulações com seu interlocutor? Ou, no caso, em especial, uma interlocutora?

ESPAÇO LIVRE

Compartilho hoje com vocês o bonito poema "À solidão das mulheres", do poeta natalense Eduardo Gosson, responsável pelo sarau que se realiza toda a última quarta-feira de cada mês em uma das livrarias de nossa cidade.



À SOLIDÃO DAS MULHERES
À solidão das mulheres
da ilha de Quessant
que tecem fios de lã
de ovelhas marinhas
e, pacientemente,
aguardam seus marinheiros
invisíveis

À solidão das mulheres
siberianas que,
solidariamente,
produzem o pão de cada dia

À solidão das mulheres
nórdicas que,
na sobriedade dos gestos,
descotidianizam
a vida

À solidão das mulheres
que, dos becos
escuros de Chicago,
alimentam o "sonho"
americano

À solidão das mulheres
da África sentida -
o povo tomou o caminho
da barca -

À solidão das mulheres
- eu canto!

por benechaves às 21:27