perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, setembro 16, 2006


PALAVRAS QUE INQUIETAM (13)


*
Dizendo que "a finalidade de todo governo é muito simples, ou seja, ministrar justiça", James Madison (1751/1836), outro estadista americano, ensaiou: "todos os homens são iguais e dotados de direitos naturais", porque, lembrou ele, "a fonte suprema do poder devia jorrar do consentimento do povo". Ficou infeliz ao saber da "diversidade de opinião entre os homens de igual integridade e discernimento", sendo, então, para ele, uma "triste prova da falibilidade do julgamento humano".
E acercado de tantas falsas prerrogativas, embora Benjamin Franklin dissesse no final da vida que "não posso admitir o aniquilamento das almas", Thomas Jefferson arrematou dizendo ser o fim de todas as coisas "uma grande aventura nunca experimentada pelos vivos e não relatada pelos mortos".


* Nascido em 1214, Roger Bacon já dizia: "creio que a humanidade aceitará como regra axiomática o direito de investigar. É esse o credo dos homens livres - a oportunidade de ensaiar, o privilégio de errar, a coragem de tornar a experimentar". Completava em seguida que, "ele, o homem, devia seguir a trilha da humildade, se quisesse procurar a verdade". Mas, fantasiando um pouco a frase seguinte e "embriagado e arrebatado pelas doces seduções desta sereia, que estava constantemente deitada a seu lado, o homem muitas vezes se esquecia de comer e beber" (Plutarco, filósofo e prosador grego do período greco-romano)), provando o que dissera Bacon de que ele, o homem, não fora feito para a natureza, mas a natureza é que fora feita para ele. Afinal, "só o homem racional pode pôr um freio à competição natural da força bruta", dissera tempos depois Thomas Huxley.


* E assim vamos vivendo, morrendo, vivendo, até que "o tempo, que tudo transforma, transforma também o nosso temperamento. Cada idade tem os seus prazeres, o seu espírito e os seus hábitos" (Nicolas Boileau, escritor francês), porque "ao nascermos, a terra recebe-nos; nascidos ela nos alimenta; depois de mortos, acolhe-nos", já finalizava o grande Plínio, mais conhecido como Plínio, o Velho, cientista e historiador que morreu na erupção do Vesúvio em 79 d.C.


ESPAÇO LIVRE


EMBATE

Desnudo-te, oh formosa mulher!
E cubro-a com meu corpo faminto
teu sexo a latejar de inquietude
em um emaranhado de ambições.

Na medrosa esperança de seduzi-la
eis o meu gozo a desiludir-me
do amante sôfrego e tenaz.

Naquela paixão avassaladora de
amor e ódio a destruir nossos
breves e intermitentes sentimentos.

A felicidade, um momento fugaz.
O sofrimento, uma causa final.

Bené Chaves

por benechaves às 08:50