perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, setembro 09, 2006



PALAVRAS QUE INQUIETAM (12)


* Falando sobre as formas de governo, o que diria o estadista americano William Penn(1644/1718)? Comentava que "todo governo é livre quando são as leis que governam e o povo participa dele", para logo em seguida ditar: "obediência sem liberdade é escravidão". Em resumo, sentenciava que "o governo depende mais dos homens do que dependem os homens do governo". E, sendo "a terra boa... o ar claro e leve, as fontes d'água abundantes e as provisões fáceis de obter", dizia o mesmo, tudo isso redundaria numa vida saudável para muitos, desde que fosse primordial "transformar o mundo num lugar melhor para nele se viver, tanto material como moralmente", arrematou depois Benjamin Franklin, nascido em 1706. Ao dizer que "as massas são feras famintas, exploradas, espezinhadas e espancadas", Alexander Hamilton, outro estadista americano, complementou: "os vícios dos ricos se harmonizam melhor com um bom governo do que os vícios dos pobres". E diante disso tudo, tentando analisar os problemas que surgiam, essa ou aquela forma de governar, John Adams - estadista americano nascido em 1735 - permaneceu indeciso e fantasiou: "ando vagabundeando sozinho, a tecer considerações. Penso, matuto, rumino. Seguidamente perco-me em sonhos e profundas meditações. Os objetos que me cercam são por demais grandiosos e multifários para a minha compreensão"...
O que diríamos nós, então, de tais considerações?



* Já o filósofo Jean-Jacques Rousseau, nas suas experiências na república calvinista de Genebra, chegou a uma fundamental conclusão de que "quando um povo é 'representado' por deputados, ele se torna alienado de sua própria unidade coletiva e desse modo deixa de ser um povo".
Olhaí congressistas do mundo inteiro! O que dizer de tão sábia e inteligente afirmação? O célebre homem sabia do que estava ao seu redor. E triste país este nosso de tantos políticos corruptos. O povo que se cuide, o povo que se cuide...

ESPAÇO LIVRE



EFÊMERO


Ah... Amar!
Verbo transitivo...

Transita no calor de nosso
sangue, na veia do desejo
de homens e mulheres.
É a palavra-chave da vida
na trilha dos seres humanos
mansidão do doar e receber
no fluir de breves ternuras
razão de um longo momento
e instável sentimento.
A parte principal deste
labirinto de emoções.

Ah... Amar!
Verbo intransitivo...


Bené Chaves

por benechaves às 08:53