perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sábado, setembro 02, 2006


PALAVRAS QUE INQUIETAM (11)


Þ O célebre cientista Albert Einstein chegou a dizer que "preferiria ser cortado em pedaços a tomar parte em tão abominável ação", referindo-se aos atos da guerra de um modo geral. Odiava também a riqueza. E dizia: "estou absolutamente convencido de que nenhum dinheiro pode ajudar a humanidade a progredir", pois o que "o mundo mais necessitava nunca poderia se comprar com ele". Tinha consciência de que os antigos ódios continuavam a fermentar o ser humano, achando conseqüentemente que "precisava-se era de paz permanente e boa vontade constante".
Pois é, meu caro Einstein, o problema é que não existe nem uma coisa e nem outra. O que predomina são os contrários. Porém, depois arrematava a máxima seguinte: "é óbvio que nós existimos para os nossos semelhantes - para aqueles de cujos sorrisos e bem-estar depende a nossa felicidade, e depois aos que nos são desconhecidos", sabendo também ele que "nas crianças reside a esperança do mundo".
Contemporizando a sua revolta de como resistir ao universo inteiro, obteve-se do filósofo Ralph W. Emerson (1803/82) a imediata resposta: "se um homem se apegar resolutamente aos seus instintos, o mundo acabará por ceder a ele".

Þ E o que diria a escritora francesa Simone de Beauvoir, eterna companheira de Sartre, diante de tantas controvérsias? Ela, que nasceu no início do século XX, acreditando que "o mundo não parecia mais um lugar seguro", afirmava depois com soberania: "o que o tornava sombrio era perfeitamente o fato de que minha imaginação amadurecia", pois revelava a seguir que "os pensamentos vão e vem como bem entendem dentro de nossa cabeça". E aquele período de vida para ela teria de acabar, mas "isso não parecia verossímil", dizia, talvez ainda acreditando em algo melhor. Todavia, "a angústia é que me estimulara; descobrira uma saída para o desespero porque a procurava com ardor", disse então. E, nesse caso, "a amizade e o amor eram a meus olhos algo definitivo, eterno, e não uma aventura precária", dizia com sobriedade. Depois confirmou: "só o sono me libertava". E diante disso tudo somente lhe restaria sustentar que existia de duas maneiras, pois "levando minhas repugnâncias até o vômito, meus desejos até a obsessão, um abismo separava as coisas de que gostava das de que não gostava". Citou ainda, contrariando o conceito de muitos que "detestava as rotinas e as hierarquias, as carreiras, os lares, os direitos e os deveres, todo o aspecto sério da vida".

ESPAÇO LIVRE


CONFIANÇA


No mar revolto e profundo
derramo minhas lágrimas
esperando removê-las e
transformá-las na virtude
de uma vida de amor.

E no azul cósmico e infinito
carregá-las como um pássaro
conduz sua presa ao ninho
a saciar sua fome.

Numa liberdade que se ergue
faiscando gotículas estelares
distante de perenes incertezas.

Bené Chaves


por benechaves às 08:43