perfil
Bené Chaves <>, natalense, é escritor-poeta e crítico de cinema.
Livros Publicados:
a explovisão (contos, 1979)
castelos de areiamar (contos, 1984)
o que aconteceu em gupiara (romance, 1986)
o menino de sangue azul (novela, 1997)
a mágica ilusão (romance, 2001)
cinzas ao amanhecer (poesia, 2003)
Sonhadores

Você é nosso visitante de número


Obrigado pela visita!

links

a filha de maria nowacki
agreste
arabella
ariane
balaiovermelho
blog da tuca
clareando idéias
colcha de retalhos
dora
entre nós e laços
faca de fogo
janelas abertas
lá vou eu
letras e tempestades
litera
loba, corpus et anima
maria
mudança de ventos
notícias da terrinha
o centenário
pensamentos de laura
ponto gê
pra você que gosta de poesia
proseando com mariza
rua ramalhete
sensível diferença
su
tábua de marés
umbigo do sonho
voando pelo céu da boca

zumbi escutando blues

sonhos passados
Agosto 2004 Setembro 2004 Outubro 2004 Novembro 2004 Dezembro 2004 Janeiro 2005 Fevereiro 2005 Março 2005 Abril 2005 Maio 2005 Junho 2005 Julho 2005 Agosto 2005 Setembro 2005 Outubro 2005 Novembro 2005 Dezembro 2005 Janeiro 2006 Fevereiro 2006 Março 2006 Abril 2006 Maio 2006 Junho 2006 Julho 2006 Agosto 2006 Setembro 2006 Outubro 2006 Novembro 2006 Dezembro 2006 Janeiro 2007 Fevereiro 2007 Março 2007 Abril 2007 Maio 2007 Junho 2007 Julho 2007 Agosto 2007 Setembro 2007 Outubro 2007 Novembro 2007 Dezembro 2007 Janeiro 2008 Fevereiro 2008 Março 2008 Abril 2008 Maio 2008 Junho 2008 Julho 2008 Agosto 2008 Setembro 2008 Outubro 2008 Novembro 2008 Dezembro 2008
créditos

imagem: Walker
template by mariza lourenço

Powered by MiDNET
Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

 

 

 



sexta-feira, agosto 18, 2006

PALAVRAS QUE INQUIETAM (9)



· Sobre a morte, esse fantasma que ronda nossas vidas e nos pega de surpresa, já comentava o célebre escritor argelino Albert Camus: "o que me espanta sempre, quando sempre estamos tão dispostos a sutilizar noutros assuntos, é a pobreza de nossas idéias acerca da morte". E acrescenta adiante que "terei de morrer, mas isso nada quer dizer, porquanto não chego a acreditar e só posso ter a experiência da morte dos outros". Todavia, diz ele, "... penso então: flores, sorrisos, desejos de mulheres, e compreendo que todo o meu horror de morrer está contido em meu ciúme de viver".
Apenas como ilustração: no belo filme O sétimo selo (1956), de Ingmar Bergman, o assunto é focalizado e na sua seqüência final mostra a sempre temível Morte carregando enfileirados todos os personagens da trama.

· Mas, vamos falar de vida... E sobre ela temos o depoimento realista do escritor americano Henry Miller, quando diz, entre outras coisas, que "a meu ver o mundo caminha para a ruína. Não é preciso muita inteligência para ir vivendo do jeito que as coisas andam. Na verdade, quanto menos inteligência se tem mais se progride", arrebatando depois que "eu queria encantar, mas não escravizar; queria uma vida mais ampla, mais rica, porém não à custa dos outros; eu queria libertar a imaginação de todos os homens..."

· E diante dos questionamentos da morte ou da vida, apelamos para o filósofo Confúcio, que viveu lá nos idos dos anos 531-478 a.C. Dizia ele, com a sabedoria que lhe foi peculiar: "como hei de compreender a morte, se ainda não compreendo a vida?".


· Mas, quanto aos caminhos e descaminhos obscuros de uma vivência com dignidade, o mesmo declarava: "se a humanidade fosse governada com justiça durante apenas um século, toda violência desapareceria da terra". Procurava compreender o ser humano, porém batia na tecla de que "não me preocupa muito que os homens não me entendam. O que me aflige é não os entender".
Vejam como naquele tempo as pessoas já eram estranhas e difíceis. Avaliem vocês se Confúcio vivesse no mundo atual com este elo forte de corrupção atiçando as falsas probidades humanas.

ESPAÇO LIVRE


EXTREMOS

Amando-te ou odiando-te
esqueço de nossa solidão
da infinita procura entre o
meu e o teu corpo.

E das estreitas diferenças
a invalidar o amor e o ódio
nesta fugaz inquietude do
nascer, viver e morrer.

Bené Chaves

por benechaves às 20:42